Maia promete a Bolsonaro empenho pessoal para votar Previdência na Câmara no primeiro semestre – Congresso em Foco

Em sua visita ao Palácio da Alvorada no fim de semana, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), prometeu ao presidente Jair Bolsonaro que seguirá articulando em prol da reforma da Previdência. Garantiu empenho para finalizar a análise da proposta de emenda à Constituição na Casa ainda esse semestre e disse que, no que depender dele, enquanto a PEC tramita na comissão especial ao longo dos próximos dois meses, serão reunidos os votos necessários para aprovar o texto no plenário – ao menos 308 em cada turno.

A aliados, Maia afirma que a PEC não tem, hoje, nem mesmo metade dos votos necessários para ser votada no plenário. Para ele, o convencimento da massa precisa ser feito ao longo dos trabalhos da comissão especial. Nesta terça (30), o presidente do colegiado, Marcelo Ramos (PR-AM), disse que quer votar a proposta por lá em junho. Em seguida, o texto está pronto para análise no plenário, em dois turnos.

>> Veja quais deputados vão compor a comissão especial da reforma da Previdência

Nos bastidores, Rodrigo Maia já disse que prefere estender a análise na comissão especial do que fazer uma votação rápida neste colegiado e deixar a PEC em suspenso, sem votos, aguardando o momento certo, “como ocorreu com a do Michel [Temer]”. A PEC da Previdência de Temer foi analisada rapidamente nas comissões, demonstrando uma força do governo que não repercutiu no plenário.

Para reunir os apoios necessários e cumprir a promessa que fez a Bolsonaro, o presidente da Câmara tem conversado com governadores e cobrado que eles atuem junto a suas bancadas para recolher votos. Dialoga também com a equipe econômica e as lideranças do governo, para que eles fortaleçam a base governista.

Ficou claro, na votação da PEC na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), a fragilidade do PSL e a ausência de uma base do governo da Câmara. Foi necessária uma intervenção de Rodrigo Maia para garantir a aprovação da proposta e não atrasar ainda mais o calendário.

Agora, ele tem atuado na linha de frente. Na segunda (29), esteve com o ministro da Economia, Paulo Guedes, junto com o presidente da comissão especial, Marcelo Ramos (PR-AM), para discutir o calendário do colegiado. É lá que a PEC vai tramitar ao menos pelo próximo mês e meio.

 

>> Governo quebra sigilo em contas da Previdência. Veja apresentação da equipe econômica

Continuar lendo em Congresso em Foco.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Cidadania promove iniciativa em prol da população idosa

O Ministério da Cidadania, por meio da Estratégia Brasil Amigo da Pessoa Idosa, está trabalhando …