Juíza do DF suspende contratação milionária de buffet refinado pelo STF. Corte vai recorrer – Congresso em Foco

A Juiza Solange Salgado, da 1ª Vara da Justiça Federal do Distrito Federal suspendeu a contratação realizada pelo Supremo Tribunal Federal de um buffet refinado no valor de R$ 481,7 mil. Ela acatou uma ação movida pela deputada Carla Zambelli (PSL-SP) e aceitou os argumentos da parlamentar sobre “gastos desproporcionais” para refeições aos ministros e convidados que envolvem de camarões e lagostas a vinhos importados e variedades de bebidas alcoólicas. (Veja a decisão). A Corte informou que irá recorrer da decisão por meio da Advocacia-Geral da União (AGU).

O edital de licitação previa gastos de até R$ 1,1 milhão pelo serviço. No fim da semana passada, apesar de toda a polêmica gerada com a publicização da intenção de efetuar esse gasto com refeições consideradas de alto padrão – o caso movimentou as redes sociais nos últimos dias -, a Supremo Corte não recuou, embora tenha fechado uma compra em valor menor.

>> STF fecha compra milionária com vinho importado, camarões e lagostas no cardápio. Veja documento

A empresa vencedora foi a Premier Eventos LTDA, que já serviu buffet em eventos como a Copa das Confederações e a Copa do Mundo. No edital, há exigências de pratos refinados como bacalhau à Gomes de Sá, frigideira de siri, moqueca (capixaba e baiana) e arroz de pato, também vinhos importados, além de uma longa lista de bebidas alcoólicas.

Veja aqui o edital de convocação da licitação em que é possível conferir os detalhes exigidos pelo tribunal. Na página cinco, constam o tipo de serviço que o STF pediu, como café da manhã à francesa, brunch, almoço e jantar, coffe break e coqueteis. A partir da página oito é possível ver o cardápido e o itens de cada refeição.

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!









Continuar lendo em Congresso em Foco.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

MP tem legitimidade para exigir que plano de saúde cumpra cláusula de atendimento residencial – AASP

Como instituição responsável pela defesa judicial de direitos individuais indisponíveis, o Ministério Público tem legitimidade …