Câmara afasta cerceamento de defesa e mantém decisão que negou indenização por danos morais e materiais, além de estabilidade acidentária – AASP

A 5ª Câmara do TRT-15 negou provimento ao recurso de um trabalhador que insistia na nulidade da sentença proferida pelo juízo da 1ª Vara do Trabalho de Taubaté, sob a alegação de cerceamento de defesa, uma vez que o juízo indeferiu a produção de prova testemunhal que, segundo o trabalhador, tinha por finalidade demonstrar o nexo de causalidade entre a doença adquirida por ele e o trabalho na reclamada, uma montadora de automóveis. Além disso, o reclamante alegou também que o magistrado descumpriu preceito legal por ignorar inúmeras provas juntadas aos autos. Por tudo isso, insistiu no pedido de indenização por danos morais e materiais, além de estabilidade acidentária.

A relatora do acórdão, desembargadora Ana Paula Pellegrina Lockmann, de antemão ressaltou uma questão de direito intertemporal e, obediente ao princípio tempus regit actum, afirmou a inaplicabilidade das alterações introduzidas pela reforma trabalhista, relativas às normas materiais, uma vez que a data do ajuizamento da ação se deu em 4/6/2014, anterior, portanto, a 11/11/2017, data de vigência da Lei 13.467/2017 (reforma trabalhista). Já no que se refere às alterações relativas às normas processuais, por aplicação da teoria do isolamento dos atos processuais, bem como do princípio da causalidade e da garantia da não surpresa, “as normas que causem gravame às partes somente serão aplicadas às ações trabalhistas propostas posteriormente ao seu advento”, ressaltou a relatora.

O colegiado não concordou com as alegações do trabalhador sobre a nulidade da sentença por cerceamento de defesa, primeiro porque entendeu que “o magistrado de primeiro grau expôs, de forma clara e suficiente, os motivos que formaram o seu convencimento, consoante determina o artigo 93, IX, da Constituição Federal”, e segundo porque “no teor do laudo pericial, já há elementos suficientes e robustos a embasar o livre convencimento motivado do julgador”. Além disso, o acórdão destacou que a perita do juízo levou em consideração as condições laborais informadas pelo próprio trabalhador.

Considerando ainda que a controvérsia dos autos se refere a doença ocupacional,”a prova técnica (perícia) produzida nos autos se revelou primordial na constatação ou não dos elementos dano, nexo de causalidade e capacidade laborativa, sendo desnecessária a produção de prova testemunhal no que se refere a estes aspectos”, afirmou o acórdão, que acrescentou não ser demais “ressaltar que a conclusão desfavorável ao recorrente, oviamente, não autoriza a pretensão deduzida nos autos”.

Segundo afirmou o trabalhador, ele adquiriu moléstia ocupacional no ombro esquerdo, em razão das atividades que exercia na reclamada, e por culpa desta, motivo pelo qual pediu indenização por danos materiais e morais, bem como a reintegração ao emprego. O colegiado, porém, entendeu que a prova técnica (laudo pericial), “após ter procedido, minuciosamente, o estudo dos antecedentes ocupacionais, avaliação das atividades exercidas, histórico da moléstia atual, avaliação médica e da capacidade laboral do reclamante”, concluiu categoricamente que o autor é portador de sequela consolidada pós-operatória de doença degenerativa, sem nexo causal ou concausal com o trabalho realizado na reclamada, e que não há incapacidade para o trabalho.

Para o colegiado, o laudo pericial “se mostra robusto e convincente”, não havendo nos autos nenhum outro “elemento de prova capaz de infirmá-lo”. (Processo 0001196-48.2014.5.15.0009)

Fonte: TRT-15ª

Fonte Oficial: AASP.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Cláusula penal moratória pode ser cumulada com indenização por lucros cessantes – Dizer o Direito

terça-feira, 13 de agosto de 2019 Imagine a seguinte situação hipotética: João celebrou contrato de …