Crítico à base bolsonarista, MBL quer criar partido para 2022 – Congresso em Foco

Surgido como uma mobilização política em novembro de 2014, logo após a reeleição da ex-presidente Dilma Rousseff (PT), o Movimento Brasil Livre (MBL) ensaia a construção de um partido. O grupo espera um sinal verde do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para começar a coleta de assinaturas e pedir a criação da legenda. A intenção das lideranças é que a nova sigla possa disputar as eleições em 2022.

O trabalho ocorre em um momento no qual o MBL tem subido o tom das críticas ao governo Bolsonaro e à base de apoio do presidente. Na última quarta-feira (15), o Twitter oficial do movimento responsabilizou o Planalto pelo tamanho das manifestações ocorridas pelo país contra os bloqueios orçamentários no ensino superior.

“Governo se embananou todo com a história da balbúrdia, ficou uma semana em cima de uma narrativa falsa e a esquerda soube aproveitar”, criticou o MBL em uma mensagem. “Para completar, o presidente chama a todos de ‘idiotas’. Vi nas redes sociais ‘idiotas’ que eram antipetistas. Jogar essa turma no colo da esquerda é um presente que Bolsonaro dá hoje”, completou o perfil.

Mais recentemente, na última sexta (17), o MBL publicou também no Twitter um puxão de orelha às deputadas Carla Zambelli (PSL-SP) e Joice Hasselmann (PSL-SP), que discutiram publicamente a postura do partido na votação da MP 870, da reforma administrativa. “Precisa o governo ficar se matando em público? Precisa ficar queimando pontes? Os caras ganharam uma eleição majoritária, é [preciso] construir consenso e ir pra frente, mas é briga toda hora entre eles próprios”, publicou o perfil.

O futuro partido

O MBL elegeu seu primeiro integrante nas eleições de 2016, quando Fernando Holiday (DEM-SP) conquistou uma cadeira na Câmara Municipal de São Paulo. Mas o DEM não é o único partido que abriga o movimento: o MBL lista, em seu site oficial, ter legisladores federais, estaduais ou municipais espalhados por PSDB, PP, PSC, PV e até PSB, legenda tida como de centro-esquerda, que é oposição ao governo federal.

Segundo o deputado Kim Kataguiri (DEM-SP), um dos líderes do movimento, a ideia de criar a própria agremiação surgiu de forma “despretensiosa”. Por meio de Jerônimo Goergen (PP-RS), colega de Kim na Câmara, o MBL consultou o TSE para verificar a possibilidade de coleta digital de assinaturas. Já foi dado um parecer técnico favorável, mas o grupo espera do tribunal um aval definitivo, que deve sair em junho.

Kim explicou ao Congresso em Foco que a ideia surgiu após a aprovação, no final de 2017, de uma reforma política que aprovou o fim das coligações entre partidos para eleições proporcionais (para deputados e vereadores) a partir de 2020.

“Provavelmente, vão sobrar aí uns nove ou dez partidos. Só aqueles que realmente tenham militância, tenham uma linha de pensamento e representatividade. Acabou aquele balcão tradicional pra construir coligação em eleição majoritária, em que o partido negociava tempo de televisão e em troca encaixava um ou dois candidatos na coligação”, explica Kim. “Isso beneficia os que querem ter um debate programático. Se fosse no sistema antigo, a gente [MBL] não teria condições. A gente não tem uma estrutura de partidária de prefeitos e vereadores para ficar formando chapa e gerar quociente eleitoral”, afirma o congressista.

Caso o partido saia do papel de fato, os integrantes já eleitos devem terminar seus mandatos atuais nas legendas em que se encontram. A tendência, segundo Kim, é que a eventual migração só ocorra na janela partidária anterior à eleições 2022. Goergen ainda não garante que fará a mudança. “Não significa que eu esteja saindo do meu partido [PP]. Agora, também tenho deixado bem claro: tenho bastante insatisfação com a postura politica que o partido vem tendo no Brasil. E como eu vejo uma juventude, uma moçada com vontade de fazer uma política clara, de direita, eu fiz a consulta ao TSE”, contou o deputado ao Congresso em Foco.

Distanciamento

Deputados e senadores do PSL de Jair Bolsonaro têm convocado os eleitores a irem às ruas no dia 26 de maio para pressionarem o Congresso a manter a MP 870 como saiu do Planalto, ou seja, mantendo a estrutura que o presidente desenhou para o governo. O MBL, no entanto, negou apoio à mobilização por considerá-la autoritária.

“Entre as hashtags divulgadas por essas pessoas, estão #Artigo142Já – focado em fechar o STF – e #OPovoVaiInvadirOCongresso, autoexplicativa. Obviamente, tais pautas antirreupubicanas não são compartilhadas pelo MBL, e pelo bem das reformas e do país ficaremos de fora deste ato”, afirma a nota.

>> Joice Hasselmann e Kim Kataguiri trocam ofensas nas redes sociais

Continuar lendo em Congresso em Foco.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Deputadas do PSL brigam pelo Twitter e expõem racha no partido – Congresso em Foco

As deputadas Carla Zambelli e Joice Hasselmann, ambas do PSL de São Paulo, trocaram acusações …