Saúde premia jovens por redações sobre gravidez na adolescência – Prefeitura de Curitiba/PR

A Rede Mãe Curitibana Vale a Vida, da Secretaria Municipal da Saúde, entregou nesta quarta-feira (29/5) certificados de reconhecimento para nove adolescentes que tiveram redações selecionadas entre 540 inscritas no concurso com o tema “Pais adolescentes: Porque sim, porque não?”. Participaram estudantes dos colégios estaduais Beatriz Faria Ansay, no Tatuquara e Professora Iara Bergmann, no Bairro Novo e da Escola Municipal do CAIC Cândido Portinari, na CIC.

O concurso foi promovido pela Secretaria Municipal da Saúde de Curitiba (SMS), em parceria coma a Secretaria Municipal da Educação de Curitiba (SME), Secretaria de Estado da Educação do Paraná e a Associação Brasileira das Mulheres de Carreira Jurídica. A cerimônia de entrega aconteceu no auditório da Ordem dos Advogados Brasileiros (OAB).

O objetivo foi trazer reflexão sobre o tema. “Além do debate tivemos a oportunidade de conhecer a opinião dos adolescentes sobre o tema”, contou a médica da Secretaria Municipal da Saúde, Julia Cordellini. “Conhecê-los e saber o que pensam e como se sentem, nos dá embasamento para planejar formas de prevenção”, complementou.

A estudante Hallana dos Santos Dionízio, 14 anos, diz que inicialmente teve um bloqueio e não conseguia começar o texto, mas o problema foi resolvido quando se colocou na situação de estar grávida. “Me coloquei no lugar de uma dessas meninas. Confesso que foi bem assustador, mas a partir daí o texto surgiu”, contou.

O estudante Heberson Davi Costa Correia, 14 anos, disse que encontrou a inspiração em colegas do bairro. “Eu vejo adolescentes engravidando e percebo que eles ainda não têm maturidade para ser pais. Tratam os bebês como bonecos. Precisamos”, relatou. “Quando eu for pai quero estar preparado e estruturado para criar meu filho”. 

Redução

Em dois anos, Curitiba diminuiu em 22% o número de bebês nascidos de mães adolescentes (entre 10 e 19 anos). No final de 2016, foram 2.368 bebês. Em 2018 baixou para 1.852, 516 a menos.

Em 2017 a taxa de 9,0% de nascidos vivos de mães adolescentes, colocou Curitiba como a capital com menor índice de gestação na adolescência, segundo dados do Ministério da Saúde.

No ano seguinte a taxa foi ainda menor: 8,4%,abaixo do que a Organização Mundial da Saúde (OMS) preconiza para países desenvolvidos (indica um limite de 10%). Mas os dados estratificados por regionais ainda mostram diferentes realidades, o que segue como um desafio. “Agora precisamos trabalhar com foco na redução dessas desigualdades entre os bairros”, reforça a médica da SMS, Julia Cordellini.

Desse levantamento surgiu o Programa Adolescente Curitibano – Prevenção da Gravidez na Adolescência, que faz parte do Rede Mãe Curitibana Vale a Vida. As atividades começaram no início deste ano pelos Distritos Sanitários do CIC, Tatuquara e Bairro Novo, devido a alta vulnerabilidade social dessas regiões, e será estendido para toda a cidade.

Perspectivas

Além de participar do evento de premiação, os adolescentes assistiram a uma palestra sobre as profissões de mulheres de carreira jurídica, ministrada pela advogada Vera Lúcia Podgurski e pela delegada, Charis Negrão Tonhozi.

Para Julia Cordellini, o trabalho intersetorial tem importância significativa na prevenção a gestação na adolescência. “É um momento que permite que eles conheçam diferentes possibilidades de vida, vislumbrem oportunidades de carreiras e tenham perspectivas à construção de projetos”, observou.

Fonte Oficial: http://www.curitiba.pr.gov.br/noticias/saude-premia-jovens-por-redacoes-sobre-gravidez-na-adolescencia/50686.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Produtos Recomendados

Confira Também

Curitibinhas discutem educação no trânsito e uso da bicicleta – Prefeitura de Curitiba/PR

Estudantes do 5° ano da Escola Municipal Sady Souza, no Sítio Cercado, vão percorrer as …