Pesquisa aponta necessidade de padronização em escuta humanizada de crianças

Pesquisa realizada pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) apontou que ainda não existe uma uniformização do atendimento de crianças e adolescentes vítimas ou testemunhas de violência, mesmo com a sanção da Lei 13.431/2017, que estabelece o sistema de garantia de direitos dessas pessoas. “Os resultados não devem ser recebidos com desalento, mas como uma demonstração do caminho a ser seguido”, enfatizou o secretário especial de Programas, Pesquisas e Gestão Estratégica do CNJ, juiz Richard Pae Kim.

A obtenção do relato completo de uma criança ou adolescente vítima ou testemunha de uma violência, muitas vezes a única prova do processo, pode ser primordial para o esclarecimento de determinado caso. No entanto, para que este processo desgastante não gere ainda mais impactos negativos à vítima, foi sancionada em abril de 2017 a Lei n. 13.431. Desde então, o depoimento especial deve obrigatoriamente ser adotado pelos tribunais em todo o país. Antes, em 2010, o método já era indicado pelo CNJ por meio da Recomendação n. 33/2010.

 

O secretário Especial de Programas, Pesquisas e Gestão Estratégica do CNJ (SEP/CNJ), Richard Pae Kim, e o analista do Departamento de Pesquisas Judiciárias do CNJ (DPJ/CNJ) Lucas Delgado apresentaram os resultados da pesquisa sobre oitiva de crianças no Judiciário. Foto: Gil Ferreira/Agência CNJ

 

Como mais um produto da série Justiça Pesquisa, composta por análises sobre os temas definidos como prioritários pelo CNJ, o relatório divulgado na terça-feira (28/5) apresenta resultados de um estudo que procurou verificar como tem se dado a efetivação dos direitos da criança e do adolescente vítimas ou testemunhas de violência quando da tomada de testemunho pelo Poder Judiciário, tendo em vista a necessidade de se preservar a integridade física e psicológica nos processos em que seja necessária a sua escuta.

“O resultado foi bastante diversificado. Há locais em que os protocolos de atendimento previstos em lei são executados com uma estrutura adequada e profissionais experientes. Já em outras cidades visitadas, como as localizadas no interior de alguns estados, há níveis de cumprimento diferentes destes marcos normativos”, destaca o analista do Departamento de Pesquisas Judiciárias do CNJ (DPJ/CNJ), Lucas Delgado.

Entre as falhas mencionadas por Delgado está a falta de isolamento acústico nas salas onde as crianças e jovens prestam depoimento.”Se o agressor estiver perto, ouve tudo e isso é alarmante”, enfatizou. Outro destaque, de acordo com o analista, é que as pessoas entrevistadas acreditam que é “satisfatório” a criança ser ouvida, pelo menos, duas vezes. “Sabemos do impacto da temporalidade na memória, a contemporaneidade, e ainda tem a questão da revitimização”, disse. O estudo recomenda aos tribunais a capacitação da equipe e uma maior articulação com os agentes envolvidos no processo para evitar que a criança tenha que ficar repetindo a história várias vezes.

A pesquisa qualitativa foi realizada presencialmente em cidades nos estados de São Paulo, Rio Grande do Sul, Distrito Federal, Goiás, Pará e Ceará. Durante a execução da pesquisa ao longo de 2018, também foram realizadas entrevistas com profissionais que atuam diretamente com crianças e adolescentes que vivenciaram ou presenciaram algum tipo de violência, como: promotores, juízes, advogados, psicólogos, assistentes sociais e demais servidores.

Escuta humanizada

O cumprimento da Lei 13.431/2017 serve para evitar que a criança ou o adolescente reviva o sofrimento e a angústia da violência sofrida ou presenciada, o que pode provocar a revitimização. A escuta da criança e do adolescente deve ser realizada por meio de depoimento especial, uma técnica humanizada com uma equipe multidisciplinar e uma estrutura adequada, em um ambiente reservado e que seja mais adequado ao universo infantil.

Com os resultados obtidos e compilados no relatório, o CNJ passa a ter uma percepção da realidade de como a lei está sendo aplicada na prática, levando em consideração que a pesquisa reflete as cidades pesquisadas e não o país como um todo. Além disso, as informações contribuirão para a formulação de políticas judiciárias que permitirão avanços para a efetiva aplicação da Recomendação 33/2010 do CNJ e da Lei 13.471/2017, em todo o Brasil, que podem passar pela aquisição de equipamentos até a capacitação e contratação de servidores para atuarem diretamente com a matéria.

Proteção à criança e ao adolescente

A pesquisa foi apresentada durante o Seminário Nacional “O Sistema de Garantia de Direitos na Efetivação da Proteção a Crianças e Adolescentes em situação de violência sexual e os desafios da implementação da Lei 13.431/2017 – Lei da Escuta), na sede da Procuradoria Geral da República, em Brasília. Na ocasião, o presidente do Fórum Nacional da Infância e da Juventude (Foninj) do CNJ, conselheiro Luciano Frota, destacou que a Lei n. 13.431/2007 está no escopo de trabalho do Fórum, que estuda, inclusive, um normativo para fortalecer o Sistema de Justiça pela proteção das crianças e adolescentes.

Leia mais: Evento debate combate à violência sexual e proteção de crianças e adolescentes

Durante o encontro, foram apresentadas também diversas pesquisas sobre o atendimento das crianças após a denúncia de abuso. De acordo com pesquisador da Childhood Brasil, Benedito Rodrigues, apenas 6% dos casos de abuso infantil são responsabilizados legalmente. “Hoje não temos políticas preventivas. Além disso, estimulamos a denúncia, mas o sistema ainda falha por falta de uma sistematização do atendimento”, afirmou Rodrigues. Para ele, se não houve uma mudança na lógica de atendimento setorizado, o cenário de revitimização não irá mudar.

Sobre o funcionamento integrado dos agentes públicos, a coordenadora do Centro de Referência no Atendimento Infanto juvenil (CRAI) de Porto Alegre, Eliane Soares, apresentou o modelo utilizado no Hospital Maternoinfantil Presidente Vargas, em Porto Alegre. Em um andar do hospital, funcionam todas as etapas de atendimento à criança vítima de violência, inclusive com posto policial para registro de boletim de ocorrência. Em apenas 24 horas, o laudo do atendimento é entregue para a família nos casos mais graves. “A criança e o responsável são imediatamente atendidos, inclusive por psicólogos. Evitamos fazer perguntas sobre o ocorrido no pronto-atendimento, pois esse não é o momento e assim a criança não precisa ficar repetindo a história várias vezes. Ela falará sobre o caso no local adequado”, explicou.

Anualmente, o CRAI atende mais de 1.900 crianças e adolescentes, número ainda considerado baixo pela coordenadora. “Sabemos que o número de abusos é muito maior, mas já crescemos bastante se observarmos que, em 2002, atendíamos apenas 300 crianças por ano”, avaliou.

Renato Capanema, da Secretaria Nacional de Justiça do Ministério da Justiça e da Segurança Pública (MJSP), enfatizou a importância da união entre a sociedade civil e os órgãos públicos para fazer valer a Lei. “Queremos fazer um pacto com o objetivo de unir esforços para que a Lei seja efetivamente implementada”, afirmou.

Douglas Saviato e Paula Andrade
Agência CNJ de Notícias

Fonte Oficial: http://feedproxy.google.com/~r/noticiascnj/mZae/~3/1T4hpZR2v-A/89001-pesquisa-aponta-necessidade-de-padronizacao-em-escuta-humanizada-de-criancas.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Seminário vai debater Política Nacional de Justiça Restaurativa

O 1° Seminário sobre a Política Nacional de Justiça Restaurativa, que será realizado pelo Conselho …