Comissão sobre Fundeb permanente chega a alguns consensos e dialoga com Senado – Notícias

Michel Jesus/Câmara dos Deputados

Ampliação da participação da União no Fundeb é consenso, mas debatedores divergiram sobre o “tamanho” dessa ampliação

Representantes dos conselhos nacional, estaduais e municipais de Educação compareceram à debate na comissão especial que analisa proposta de emenda à Constituição que torna o Fundeb permanente (PEC 15/15) nesta terça-feira (11) e concordaram sobre três pontos.

O primeiro é sobre a necessidade de tornar o Fundeb permanente, já que a legislação atual extingue o fundo ao final de 2020. O Fundeb é a principal fonte de recursos das redes públicas de ensino do Brasil.

O segundo consenso é que o Fundeb deve ser modificado para garantir mais equidade – ou seja, garantir oportunidades educacionais iguais para todos os alunos. E o terceiro consenso é que deve ser ampliada a participação da União no fundo – embora não haja concordância sobre o tamanho dessa ampliação.

A relatora da PEC 15/15, deputada Professora Dorinha Seabra Rezende (DEM-TO), já anunciou que vai propor o aumento da participação da União no fundo, que hoje é de 10%, para entre 15% e 30%, dependendo da rede de ensino. A ideia é que o aumento da participação da União seja gradativo, de 1,5% por ano.

Conforme Professora Dorinha, mais de 90% das entidades ouvidas pela comissão até agora reforçaram a necessidade de garantir maior equidade na distribuição de recursos. A nova regra proposta para a distribuição da complementação da União levará em conta, segundo ela, o valor total gasto por aluno por ano, de forma a reconhecer quais redes de ensino são mais vulneráveis no País. Isso significa que um determinado município pobre poderá receber a complementação da União mesmo que seja de um estado que não receba o benefício.

“No desenho atual, há municípios que receberam e não deveriam ter recebido, e outros tantos que deveriam ter recebido a complementação e não receberam”, explicou.

Negociações
A intenção da relatora é concluir a fase de audiências públicas até o fim do primeiro semestre. Embora alguns pontos do substitutivo já estejam definidos, a relatora ressaltou que falta a análise das emendas apresentadas e que ainda recebe sugestões de parlamentares.

A deputada também destacou que avançaram as conversas com o Senado Federal, que também analisa duas propostas que garantem a continuidade do Fundeb (PECs 33/19 e 65/19). “O nosso desejo é trabalhar de forma integrada. Em virtude do tempo de apresentação e número de audiências públicas, a PEC 15/15 já tem um nível de maturidade. E a ideia é que o texto seja o mais maduro possível, porque senão vira pingue-pongue entre as Casas, lembrando que nosso prazo é muito curto”, afirmou.

Professora Dorinha ressaltou ainda que promove reuniões técnicas com o Ministério da Economia, na busca de fontes de financiamento para a complementação da União para o fundo.

Posições dos conselhos
Conselheira do Conselho Nacional de Educação, Maria Helena Castro concorda com a ampliação da complementação da União ao Fundeb, mas apenas na medida em que houver condições econômicas para isso. Ela acredita que a participação da União deve inicialmente ser ampliada para 15% e, mais do que isso, só após a retomada da economia brasileira. Segundo ela, não há consenso no conselho em relação à distribuição da complementação da União – se deve ser mantida a distribuição por estado ou se deve ser por rede de ensino.

Representante da União Nacional dos Conselhos Municipais de Educação, Álvaro Domingues Junior, por sua vez, destacou que a entidade apoia a proposta da Professora Dorinha, mas preocupa-se com o prazo para aprovação.

Já o presidente da União Nacional dos Conselhos Municipais de Educação (Uncme), Manoel Humberto Lima, defende que a participação da União no fundo chegue a 40%. Ele chamou atenção para a dificuldade de pequenos municípios brasileiros em até pagar professores.

Ele pediu que ainda o papel dos conselhos municipais de Educação na fiscalização do Fundeb seja reforçado. Para ele, algumas distorções que ocorreram na aplicação do Fundeb ao longo dos anos podem ser atribuídas à falta de fiscalização adequada. Ele criticou a atuação dos chamados CACs- Fundeb, os Conselhos de Acompanhamento e Controle Social do fundo. Para ele, a atuação dos diferentes conselhos deveria ser unificada.

Fonte Oficial: Câmara dos Deputados.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Regularização fundiária será tema de debate em subcomissão — Senado Notícias

A Subcomissão Temporária sobre a Regularização Fundiária (CRAFUND) promoverá reunião, nesta sexta-feira (23), para avaliar …