STJ participa do lançamento de painel de combate às notícias falsas – STJ

O presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ministro João Otávio de Noronha, participou nesta terça-feira (11) do lançamento do Painel Multissetorial de Checagem de Informações e Combate a Notícias Falsas, no Supremo Tribunal Federal (STF).

O objetivo do painel é alertar leitores e internautas sobre os perigos do compartilhamento de informações duvidosas, além de orientar sobre como checar a veracidade das notícias que recebem.

Sites especializados que aderiram ao painel ficarão encarregados de checar o conteúdo de postagens suspeitas sobre o Judiciário na internet. Inicialmente, a checagem se concentrará em atos e decisões do STF e do STJ, mas a intenção é que, com a adesão de mais instituições e veículos de comunicação interessados no combate às fake news, o trabalho passe a cobrir outros órgãos da Justiça.

A iniciativa se unirá à campanha #FakeNewsNão, lançada pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) em parceria com o STF.

João Otávio de Noronha parabenizou o presidente do STF e do CNJ, ministro Dias Toffoli, pela iniciativa e disse que a verdade dos fatos é fundamental para a Justiça.

“É de vital importância para a credibilidade da Justiça a prevalência da verdade.  Não podemos colorar os fatos. A falta de compromisso com a verdade já levou o mundo a sérios conflitos”, comentou Noronha ao citar a Primeira Guerra Mundial e o conflito dos Estados Unidos com o Iraque como exemplos de guerras fundadas em mentiras.

O ministro lembrou que o conceito de justiça é tão complexo que nem mesmo o jurista austríaco Hans Kelsen conseguiu definir. Entretanto, acrescentou, é possível sentir a dor na consciência da sociedade quando ela se transforma em injustiça.

“O compromisso com a verdade é fundamental para prosperarem a paz e a segurança obtidas pelo convencimento e pela pacificação, e não pela força. Esse é o compromisso do direito”, completou Noronha.

Preocupação mundial

Dias Toffoli declarou que as fake news são objeto de preocupação no mundo todo. Ele mencionou a ilustração de um jornal norte-americano de 1894 que já fazia menção às notícias falsas e comentou dados de uma pesquisa recente sobre o problema.

“O estudo descobriu que as notícias falsas têm 70% mais chance de serem retuitadas do que as notícias verdadeiras. É nesse contexto que se inserem as fake news, ou notícias fraudulentas, uma expressão que melhor define a prática.”

Distorcer decisões judiciárias, segundo Dias Toffoli, pode prejudicar a vida de muitas pessoas, além de colocar em risco as instituições, desestabilizando toda a sociedade.

Entre as autoridades que prestigiaram o lançamento do painel estava o corregedor nacional de Justiça, ministro Humberto Martins.

Participantes

Do meio jurídico, os seguintes órgãos e entidades aderiram à iniciativa: CNJ, STF, STJ, Conselho da Justiça Federal (CJF), Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Tribunal Superior do Trabalho (TST), Superior Tribunal Militar (STM), Defensoria Pública da União (DPU), Advocacia-Geral da União (AGU), Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB), Associação dos Juízes Federais do Brasil (Ajufe) e a Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho (Anamatra).

Entre os veículos de comunicação e entidades do setor, estão no painel: Associação Brasileira de Rádio e Televisão (Abratel), Associação Nacional de Jornais (ANJ), Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão (Abert), Associação Brasileira de Imprensa (ABI), Fundação Getúlio Vargas (FGV), Observatório da Liberdade de Expressão da OAB e os sites Boatos.org, Aos Fatos, Jota, Jusbrasil, Jus Navigandi, Migalhas, ConJur e Universo Online (UOL).

Fonte Oficial: http://feedproxy.google.com/~r/STJNoticias/~3/w8lfji4y4wM/STJ-participa-do-lan%C3%A7amento-de-painel-de-combate-%C3%A0s-not%C3%ADcias-falsas.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Revelia em ação de guarda de filho não implica renúncia tácita ao direito da guarda compartilhada – STJ

A revelia em uma ação que envolve guarda de filho, por si só, não implica …