Estado e sociedade civil se unem para reduzir vulnerabilidade das crianças

O Pacto Nacional pela Primeira Infância, firmado na manhã desta terça-feira (25/6), em Brasília, reuniu de forma inédita as principais instituições da República e cerca de 40 entidades da sociedade civil ligadas à infância em torno da missão de reduzir a vulnerabilidade social das crianças brasileiras para lhes garantir seus direitos. O objetivo do pacto firmado entre autoridades os três Poderes é dar efetividade a direitos que, embora previstos em lei, não são assegurados aos brasileiros com menos de 6 anos de idade, de acordo com presidente do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Dias Toffoli, que lidera a coalizão.  

Leia mais: Pacto une o país para proteger crianças e adolescentes vítimas de violência

Participaram da assinatura representantes dos três Poderes da República. Pelo governo federal, assinaram o acordo o ministro da Educação, Abraham Weintraub, a ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves, o ministro da Secretaria Especial do Desenvolvimento Social, Osmar Terra, além dos ministros interinos da Saúde, João Gabbardo, e da Justiça e Segurança Pública, Luiz Pontel de Souza. Representaram o Sistema de Justiça a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, o presidente do Colégio Geral dos Defensores Gerais, o defensor José Fabrício Silva de Lima, e o presidente do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Felipe Santa Cruz, além do presidente do Tribunal de Contas da União (TCU), ministro José Múcio Monteiro. A deputada que preside a Frente Parlamentar da Primeira Infância, Leandre Dal Ponte, representou o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia.  

De acordo com o presidente do STF e do CNJ, ministro Dias Toffoli, ainda há seis milhões de crianças brasileiras em condições de vulnerabilidade socioeconômica e institucional na faixa etária da primeira infância. A precariedade da vida prejudica, segundo Dias Toffoli, a fruição dos direitos previstos na legislação brasileira: à vida, à saúde, à alimentação, à educação, à cultura, ao lazer, à dignidade, ao respeito, à liberdade e à convivência familiar e comunitária. Uma estrutura deficiente para a infância compromete a proteção constitucional contra negligência, discriminação, exploração, violência, crueldade e opressão.  

“Para não termos que investir para combater os traumas dos adultos, as políticas de Estado têm de estar preocupadas com o impacto no futuro da vida do jovem. Até o pior criminoso do brasil tem direito a defesa. O Estado lhe dará a defesa, seja com o defensor público, seja com a advocacia dativa. Nossas crianças, quando negligenciadas ou vítimas de abuso, às vezes dentro de casa, ainda sofrem sem o direito a defesa. É necessário que as políticas públicas ofereçam essa defesa”, afirmou o ministro.

Foto: Luiz Silveira/Agência CNJ

Segundo a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, “falta ainda investimento para equipamentos públicos adequados para atendimento à primeira infância. É necessário fortalecer a infraestrutura destinada à primeira infância e financiar corretamente a área para realizar a promessa constitucional e legal para essa população, a começar pela capacitação dos cuidadores. Investir é garantir o melhor futuro para o país”, disse. Segundo Dodge, os avanços do Estado brasileiro na redução da mortalidade infantil ainda precisam ser estendidos a minorias, como a população indígena.

Segundo o ministro da Educação, Abraham Weintraub, o investimento na primeira infância gera desenvolvimento econômico. A economia já provou os impactos positivos do investimento na primeira infância na vida em sociedade. Ganhador do Prêmio Nobel de Economia em 2000, o estadunidense James Heckman foi premiado por demonstrar como o país que investe na educação na primeira etapa da vida de pessoas carentes gera muito mais retorno social do que investimentos em fases posteriores. Segundo o ministro, o plano do governo federal para a educação priorizará a primeira infância e atenderá a um clamor da sociedade. “Apesar dos avanços na educação obtidos nos últimos anos, foi menor que os dos países vizinhos. Não universalizamos a creche ou a pré-escola – só temos 30% das crianças na creche, o que é muito baixo. O pacto simboliza esse desejo da sociedade”, afirmou.

Segundo o presidente do Conselho Federal da OAB, Felipe Santa Cruz, não se pode perder tempo com disputas ideológicas, dada à situação preocupante da infância brasileira. “Mais de 2 milhões de crianças a partir dos 5 anos trabalham em condições insalubres, ajudando na sobrevivência das suas famílias. Diariamente, em média, 396 crianças sofrem maus-tratos. Isso significa que 16 crianças sofreram maus-tratos na primeira hora deste evento”, afirmou.

O corregedor nacional de Justiça, ministro Humberto Martins, também se comprometeu, no âmbito da Corregedoria Nacional de Justiça, com a implementação de ações voltadas à proteção de crianças na primeira infância. “Orientarei os corregedores locais a instruírem os magistrados brasileiros a participarem ativamente das ações decorrentes deste Pacto Nacional pela Primeira Infância, a fim de que as crianças brasileiras e as suas famílias possam ter acesso aos cuidados básicos de saúde, acesso a creches e escolas, que recebam a proteção do estado contra a violência, a exploração, a crueldade e a opressão, e possam crescer em um ambiente sadio e equilibrado, base da sociedade e essencial para que a sociedade brasileira possa sempre progredir cada vez mais”, disse Martins.

O presidente do Tribunal de Contas da União (TCU), ministro José Múcio Monteiro, afirmou que o desenvolvimento do ser humano, mais dinâmico nos primeiros anos de vida, é “fundamental para lançar bases de cidadãos mais consciente de seus direitos e deveres, de uma sociedade mais produtiva”, disse o ministro do TCU, que sediou o evento na escola corporativa do órgão, o Instituto Serzedello Corrêa.

Manuel Carlos Montenegro 

Agência CNJ de Notícias

Fonte Oficial: http://feedproxy.google.com/~r/noticiascnj/mZae/~3/1Uhd899dbfA/89147-estado-e-sociedade-civil-se-unem-para-reduzir-vulnerabilidade-das-criancas.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Seminário vai debater Política Nacional de Justiça Restaurativa

O 1° Seminário sobre a Política Nacional de Justiça Restaurativa, que será realizado pelo Conselho …