A internet e o divórcio – Jornal do Comércio

O Brasil registrou um aumento no número de divórcios em primeira instância ou por escrituras extrajudiciais após três anos em queda, segundo o levantamento realizado pelo Colégio Notarial do Brasil – Seção São Paulo. As pesquisas revelaram, no último ano, que, de acordo com os tabelionatos de todo o País, foram registrados mais de 69 mil divórcios extrajudiciais. Mas o que leva um casal a se divorciar? A traição pela internet, por meio das redes sociais, já é hoje o maior motivo de divórcios no Brasil, superando até mesmo o fator financeiro.

Sabemos que hoje o Brasil, está entre os países com mais usuários de internet do mundo. E a internet, além de causar ciúmes entre os casais e facilitar as traições, faz com que os infiéis deixem pistas mais aparentes, o que contribuiu para o aumento do número de divórcios.

Não existem dados compilados, mas pela experiência na atuação profissional e por conversas com outros colegas militantes na área do Direito de Família, é comum a percepção de que as redes sociais interferem nas relações de namoro, casamento e, principalmente, no divórcio. A razão principal é o aumento do interesse pela vida do outro, aliado à exposição nas redes socais. Tudo junto, encontra-se a facilidade para quem tem o desejo de trair o (a) companheiro (a), o que acaba na interferência das redes nos relacionamentos conjugais.

Os quatro principais motivos do divórcio, que atrapalham o relacionamento, e são potencializados pelas redes sociais e aplicativos de relacionamentos são: 1º traição / relacionamento extraconjugal; 2º convivência diária, a vida a dois; 3º falta de comunicação entre o casal; e 4º a situação financeira do casal. O processo de divórcio exige muito entendimento, e algumas decisões precisam ser tomadas, como: com quem os filhos irão morar, como será a convivência do outro cônjuge, quem ficará com os bens construídos ao longo do casamento, como será a manutenção financeira desses dois lares, qual o valor da pensão alimentícia dos filhos, quem arcará com os custos da escola, plano de saúde e odontológico, e com o aluguel?

Quando não se chega a um acordo em relação a esses assuntos, o melhor caminho seria a mediação. O mediador poderá ajudar na solução desses conflitos, já que, seu papel é viabilizar a comunicação e promover o entendimento entre o casal evitando ainda mais o desgaste da relação.

Em se tratando de divórcio extrajudicial, ou seja, aquele realizado diretamente no cartório e não através da justiça, é preciso o preenchimento de alguns requisitos: ser de comum acordo (amigável) e que o casal não tenha filhos menores de idade ou incapazes. Se o casal tiver filhos, eles precisam ser maiores de idade.

Em cada caso é preciso avaliar todas as medidas a serem tomadas, mantendo ao máximo o diálogo entre as partes, principalmente quando os filhos estão envolvidos no processo.

Coordenadora do curso de Direito da Faculdade Pitágoras de Guarapari (ES)


Fonte Oficial: https://www.jornaldocomercio.com/_conteudo/cadernos/jornal_da_lei/2019/06/688175-a-internet-e-o-divorcio.html.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Moro agiu para evitar apreensão de celulares de Cunha, diz reportagem – Congresso em Foco

Em 2016, às vésperas da prisão do ex-presidente da Câmara e deputado federal pelo MDB-RJ, …