Aliado propõe que Eduardo Bolsonaro assuma embaixada sem renunciar ao mandato – Congresso em Foco

No mesmo dia em que o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) foi apontado pelo pai, o presidente Jair Bolsonaro, como possível embaixador do Brasil nos Estados Unidos; uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) de 2015 que propõe que os parlamentares possam assumir embaixadas sem renunciarem a seus mandatos voltou a circular no Congresso Nacional. Autor da PEC, o Capitão Augusto (PL-SP) admitiu que aproveitou o momento para tirar o projeto da gaveta. Ele ainda contou que já falou com Eduardo Bolsonaro sobre o assunto e agora, que terá o apoio do PSL, espera aprovar a proposta ainda neste ano.

> Eduardo Bolsonaro diz que aceita ser embaixador nos EUA

“Agora, vamos acelerar a proposta para tentar preservar o mandato dele, para que ele não precise renunciar” afirmou o deputado Capitão Augusto, contando que Eduardo Bolsonaro achou ótima a ideia da PEC. “Conversamos informalmente no plenário, mas agora vou recolher as assinaturas que faltam. Com o PSL apoiando, devo conseguir”, disse o capitão, que já tem 140 das 170 assinaturas que precisa para protocolar a PEC. A expectativa é, então, que as 30 assinaturas restantes sejam recolhidas nos próximos dias e que a Proposta de Emenda à Constituição seja protocolada ainda neste semestre, antes do recesso parlamentar que começa na próxima quinta-feira (18).

Capitão Augusto já era aliado da família Bolsonaro por ser o presidente da bancada da bala na Câmara dos Deputados. Porém, fez questão de lembrar que a PEC foi escrita quatro anos atrás. “Propus em 2015, depois que visitei alguns países e vi que alguns embaixadores eram muito fracos de discurso. Percebi que esse cargo deveria ser político. Se o parlamentar pode ser ministro ou secretário e voltar ao mandato, por que não pode ser embaixador?”, questionou, dizendo que a PEC só não andou antes por conta dos conflitos políticos vividos pelo Brasil. “O mandato foi muito tumultuado”, justificou o deputado, dizendo que agora o clima é diferente, sobretudo com a sinalização de apoio do PSL ao projeto.

Críticas
Outros deputados, porém, criticaram a indicação de Eduardo Bolsonaro à embaixada do Brasil nos Estados Unidos. Marcelo Carrero (Cidadania-RJ), que é diplomata de carreira, foi um deles. Ele argumentou que, ao escolher o próprio filho para o cargo, o presidente Jair Bolsonaro quebra “a tradição de nomear apenas técnicos para a chefia das Embaixadas, ou seja, diplomatas de carreira”. “Trata-se de algo contraditório em relação ao seu próprio discurso, que fala em acabar com a mamata, com o compadrio, com o nepotismo. Me recorda Crivella nomeando o filho secretário, sob o pretexto de que ele ‘era o melhor que podia oferecer ao Rio'”, escreveu Carrero no Twitter.

Marcelo Carrero também criticou a iniciativa do Capitão Augusto e provocou: “Quer ser diplomata? Faça como eu fiz: preste o concurso e vá estudar no Instituto Rio Branco”. “O Brasil, mais uma vez, será motivo de chacota. Vergonha”, encerrou o diplomata.

> Comissão do Senado aprova mudança de regra para estabilidade de servidores

Continuar lendo em Congresso em Foco.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Feriado em 25 comarcas nesta quinta-feira (15) – AASP

Não haverá expediente forense em 25 comarcas nesta quinta-feira (15), data em homenagem à Nossa …