Faixas sem construção à margem de rodovias e ferrovias poderão ser reduzidas — Senado Notícias

O Plenário do Senado aprovou nesta quarta-feira (10) o projeto de lei que autoriza permissão municipal para construção de edificações a menos de 15 metros de rodovias e ferrovias. O PL 693/2019 havia sido aprovado pela manhã na Comissão de Meio Ambiente (CMA) e agora segue para a Câmara dos Deputados.

A proposta, do senador Jorginho Mello (PL-SC), modifica a Lei 6.766, de 1979, que regula o parcelamento do solo urbano. Atualmente, a distância mínima para as construções é de 15 metros. De acordo com o texto aprovado, os municípios poderão aprovar em seus planos diretores a redução desse limite até cinco metros.

A nova regra não afetará edificações construídas até julho de 2018 às margens de rodovias e ferrovias que atravessem perímetros urbanos. Essas áreas serão dispensadas da exigência de reserva da faixa não edificável. Além disso, o projeto inclui na lei a reserva de faixa não edificável de pelo menos 15 metros às margens de rios, lagos, lagoas e açudes.

O projeto foi aprovado na forma de substitutivo do relator, senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP). De acordo com ele, existem milhares de residências e estabelecimentos comerciais construídos em área não edificável, especialmente em zonas urbanas, o que dificulta a gestão do uso do solo pela administração pública e a regularização fundiária. No texto original, a redução da faixa não edificável de rodovias e ferrovias não estava condicionada aos planos diretores municipais.

— Sugerimos uma alternativa que reconheça a existência do problema, regularizando a situação das construções já existentes e abrindo o caminho para que os municípios, no âmbito da discussão dos respectivos planos diretores, possam avaliar o tamanho ideal da faixa não edificável — explicou Randolfe.

O texto foi analisado em conjunto com o Projeto de Lei da Câmara (PLC) 26/2018, que tratava do mesmo tema e foi considerado prejudicado pelo relator.

Alterações

No Plenário, a proposta sofreu outras mudanças. Uma delas, acatada no substitutivo pelo relator, alterou a redação para incluir o Distrito Federal na parte que trata dos planos diretores municipais.

A outra modificação, votada em separado e aprovada pelo Plenário, foi proposta pelo MDB. A intenção era retirar do texto o trecho “salvo exigências mais rígidas previstas em legislação específica”, na parte que trata do limite de 15 metros de faixa não edificável ao longo das águas correntes e dormentes. Essas exigências estão previstas no Código Florestal, que traz limites de até 500 metros, dependendo da largura do curso de água.

Segundo o senador Eduardo Braga (MDB-AM), não há bom senso nessa vedação, especialmente no caso de estados em que muitas cidades são ribeirinhas, como no Amazonas.

— Gerou-se um obstáculo que inibiu a construção civil e a geração de emprego e renda em inúmeras cidades brasileiras e em muitos estados brasileiros — disse.

A mudança foi apoiada pelo senador Omar Aziz (PSD-AM). Ele argumentou que em muitas cidades da Amazônia não há outra forma de construir cidades a não ser à beira de rios e igarapés. Para ele, aprovar o destaque foi uma forma de resolver o problema de muitas famílias que vivem à beira dos rios e sobrevivem deles.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

Fonte Oficial: https://www12.senado.leg.br/noticias/materias/2019/07/10/faixas-sem-construcao-a-margem-de-rodovias-e-ferrovias-poderao-ser-reduzidas.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Davi Alcolumbre celebra aprovação da reforma da Previdência pela Câmara — Senado Notícias

O presidente do Senado, Davi Alcolumbre, celebrou em Plenário, nesta quarta-feira (10), a aprovação da …