Regulamentada a digitalização de novos processos que ingressem no TRF1 – AASP

Desde o segundo semestre de 2018, o TRF 1ª Região tem trabalhado para transformar os processos físicos em digitais, seguindo diretrizes da Lei nº 11.419 e da Resolução 185 do Conselho Nacional de Justiça (CNJ).

A partir de estudos realizados por uma comissão deliberativa e um grupo de trabalho, designados por meio da Portaria Presi 6730504, o Tribunal criou o projeto-piloto e implantou a digitalização em processos que tramitem em segunda instância na 1ª Região.

Considerando esse contexto, o TRF1 determinou que novos processos físicos de competência cível que forem distribuídos aos desembargadores federais que já tenham seus acervos digitalizados e incluídos no Processo Judicial Eletrônico (PJe) ou em fase de digitalização devem ser transformados em digitais.

De acordo com a Portaria Presi 8290335, em que a medida foi publicada, os autos físicos serão cadastrados, autuados e distribuídos no sistema Juris, digitalizados, inseridos e distribuídos no PJe pela Central de Digitalização Judicial (Cedig) e, após concluído esse procedimento, serão enviados, mediante guia, aos gabinetes.

Para as partes e seus procuradores que desejarem manter pessoalmente a guarda de documentos originais, a Secretaria Judiciária (Secju) publicará, oportunamente, editais de intimação ou intimação pessoal.

Assessoria de Comunicação Social
Tribunal Regional Federal da 1ª Região

Fonte: TRF-1ª

Fonte Oficial: AASP.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

TV Brasil censura clipe de Arnaldo Antunes que cita milicianos – Congresso em Foco

Um clipe do cantor e compositor Arnaldo Antunes foi alvo de censura na TV Brasil, …