Previdência terá apoio da maioria do Senado, garante o líder do governo – Congresso em Foco

O líder do governo no Senado, Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), espera que a Casa aprove a reforma da Previdência com uma margem similar à da Câmara dos Deputados, que registrou 74% de aprovação ao texto-base da matéria. Isso porque ele acredita que cerca de 60 dos 81 senadores devem apoiar o governo nesta votação – maioria que, segundo o senador, também deve aprovar a indicação de Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) à embaixada nos Estados Unidos.

> Senado teve o melhor semestre desde 1994, diz Alcolumbre

“Nossa expectativa é que a gente possa concluir a votação no Senado Federal até aproximadamente o dia 20 de setembro. Eu acredito que o governo deverá ter aqui entre 54 e 60 votos. […] Aqui tem voto”, garantiu Fernando Bezerra Coelho, argumentando que a reforma vai além da base do governo. “Tem o apoio de muitos outros partidos, que inclusive fazem oposição ao governo”, afirmou o senador.

Em entrevista concedida nesta terça-feira (16), ele disse ainda que o governo trabalha com um prazo de 45 dias a partir da chegada da reforma ao Senado, após o segundo turno da Câmara, marcado para começar em 6 de agosto. A presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Casa, Simone Tebet (MDB-MS), por sua vez, disse nessa terça-feira (15) que a tramitação da matéria deve levar mais tempo e pode chegar até outubro. E o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), afirmou estar alinhado com os prazos estipulados por ela.

“Aqui são 81 senadores. É mais fácil. A gente já votou PEC aqui em 24 h. Então, se o debate se esgota na CCJ em três o quatro semanas, temos a possibilidade de em 15 dias resolver isso no Senado”, rebateu Fernando Bezerra Coelho, lembrando que, ao contrário do que aconteceu na Câmara, a reforma não precisará passar por uma comissão especial no Senado.

Outra razão para a estimativa do líder do governo é que ele defende que os estados e municípios entrem na reforma através de uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) paralela e não na PEC já aprovada pelos deputados, que, se for modificada pelos senadores, terá que ser reavaliada na Câmara. Ele frisou, por sua vez, que apoia o pleito dos governadores e prefeitos.

“Creio que é adequado viabilizarmos essa reforma previdenciária, que ela possa valer para a União, mas também para os estados e para os municípios brasileiros. São mais de dois mil municípios com regime próprio de previdência. Portanto, o Senado como Casa da Federação brasileira, deverá, sim, incluir os estados e os municípios na reforma da Previdência”, afirmou o líder do governo na Casa.

> Reforma ganharia R$ 350 bi com estados e municípios, diz Senado

Embaixada
Fernando Bezerra Coelho também se mostrou otimista ao comentar a intenção do presidente Jair Bolsonaro indicar o próprio filho para a embaixada do Brasil nos Estados Unidos, já que, se for confirmada a nomeação, Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) terá ser sabatinado pelo Senado. “O governo tem maioria no Senado. Essa maioria já foi testada em duas ocasiões, quando o governo obteve 54 votos. Portanto, apesar de toda a polêmica e o debate em torno dessa indicação, se for formalizada pelo presidente da República, o governo tem votos para aprovar tanto na comissão [das Relações Exteriores] quanto no Plenário”, disse o senador.

> Outras seis embaixadas aguardam aprovação de nome pelo Senado

Continuar lendo em Congresso em Foco.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Cid Gomes diz que “no que depender” dele Tabata Amaral fica no PDT – Congresso em Foco

O senador Cid Gomes (PDT-CE) defende a permanência da deputada federal Tabata Amaral (SP) no …