Acordo para aplicativo inédito voltado a egressos é assinado em cerimônia – AASP

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e o Governo do Distrito Federal assinaram na terça-feira (16/7) acordo de cooperação técnica para o desenvolvimento de tecnologia inédita de apoio aos egressos do sistema prisional. Trata-se da versão digital do Escritório Social, modelo de ressocialização fomentado pelo CNJ desde 2016 para atender àqueles que já cumpriram suas penas e irão retomar o convívio com a sociedade. As ações de melhoria e expansão do Escritório Social integram o programa Justiça Presente, parceria lançada em janeiro deste ano entre CNJ, agências das Nações Unidas e o Ministério da Justiça e Segurança Pública (MJSP) para enfrentar a crise penal no país.

“Temos que superar o pensamento de que aquele que cometeu um delito tenha que ser um pária para a sociedade, porque esse pensamento é incompatível com a Constituição”, afirmou o ministro Dias Toffoli durante solenidade de assinatura na sala de audiências do gabinete da Presidência do Supremo Tribunal Federal (STF). “Em nome não apenas dos egressos e de seus familiares, mas em prol de toda a sociedade, é que medidas precisam ser garantidas a fim de que essas pessoas possam reconstruir suas trajetórias de vida e contribuir, de forma ativa, para edificar uma nova nação, com menos criminalidade e mais cidadania”, completou.

Para o governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha, é preciso superar a ideia de que as prisões são depósitos de pessoas. “Aqueles que cumprem pena vão voltar às ruas melhores ou piores do que entraram, dependendo do governo e da sociedade. Eu acredito que temos que ter o compromisso com essas pessoas e na ressocialização como única forma de reinserção”, disse.

Aplicativo

A ideia é que, após ser testado em formato piloto no Distrito Federal, o Escritório Social Virtual seja replicado em todo o país e chegue a um público alvo de quase 200 mil pessoas por ano. A Fundação de Apoio à Pesquisa do Distrito Federal (FAP-DF) ficará responsável pelo fomento de soluções tecnológicas para o desenvolvimento do aplicativo, com apoio técnico do CNJ. As secretarias do DF auxiliarão no mapeamento dos egressos e na implementação do programa.

Dias Toffoli explicou que o aplicativo virá na esteira de outras iniciativas do CNJ voltadas para a ressocialização, como a expansão do Escritório Virtual físico, que deve chegar a 10 novas unidades da federação até o final do ano – atualmente, o modelo fomentado pelo CNJ está no Espírito Santo e no Paraná. O aplicativo permitirá, ainda, a reconfiguração e a maior potencialização do projeto Começar de Novo, primeiro esforço do Poder Judiciário em escala nacional para uma política de atenção a egressos.

“Este encontro virtual possibilitará, de maneira inovadora, que essas pessoas possam ser vistas nas singularidades que as diferenciam do restante da população brasileira e tenham, de fato, dentro de uma perspectiva emancipadora, a oportunidade de seguir sua própria rota, passando a integrar um círculo virtuoso de recuperação e ressocialização”, disse Toffoli. “Acreditar nas pessoas é, antes de tudo, sair do estado de conformismo e ir atrás da dignidade da pessoa humana, com a transformação social e a conquista da paz social, que é o destino e a função da Justiça”.

Para o presidente da FAP-DF, Alexandre Santos, o aplicativo será uma oportunidade para demonstrar como ciência e tecnologia podem estar a serviço da inclusão social. “A tecnologia será um agente transformador de garantias de direitos a uma parcela importante da sociedade”, disse. De acordo com ele, o projeto já está pronto e, agora, os órgãos envolvidos vão desenvolver uma metodologia que pode passar por startups e pesquisas associadas a universidades para o desenvolvimento do aplicativo.

Coordenador do Departamento de Monitoração e Fiscalização do Sistema Carcerário do CNJ (DMF/CNJ), Luís Lanfredi apontou que a solução de tecnologia permitirá que egressos possam receber informações e ter referências que vão facilitar a volta para a sociedade. “O Escritório Social em espaço físico é uma estrutura que permite criar referência para o egresso, na qual ele pode encontrar apoio em grupos multidisciplinares para a ressocialização. O aplicativo será projeção virtual desse serviço. As pessoas têm que quebrar um ciclo criminoso e se reinserir na sociedade”, afirmou.

Também participaram da solenidade de assinatura o secretário de Justiça e Cidadania do DF, Gustavo Rocha; o secretário de Ciência, Tecnologia e Inovação do DF, Gilvan Máximo; e o secretário de Segurança Pública do DF, Fernando Torres.

Funcionalidades

O aplicativo oferecerá serviços de suporte às pessoas egressas e seus familiares, com funcionalidades que permitirão o acesso individual a informações, serviços, orientações e oportunidades de emprego, renda e qualificação. Além disso, permitirá o envio de mensagens da rede parceira para os usuários e integração com sites especializados em empregos e cursos de qualificação profissional. Também está prevista integração com o Sistema Eletrônico de Execução Unificado (SEEU), ferramenta desenvolvida pelo CNJ que centraliza e organiza os dados sobre a execução penal no país. O SEEU irá contribuir com informações para o acompanhamento do Escritório Social.

O Escritório Social é uma política fomentada pelo CNJ desde 2016 para que Executivo e Judiciário trabalhem de forma conjunta para oferecer atendimento qualificado a egressos. Lançado de forma piloto no Espírito Santo, o espaço físico passou a reunir diversas instituições e profissionais, promovendo o fortalecimento da rede de assistência social e de serviços correlatos. Agora, além da expansão do modelo presencial para outros 10 estados até o final do ano, o CNJ conta com a parceria do Distrito Federal para desenvolver o modelo virtual que será levado a todo o país.

Iuri Tôrres
Agência CNJ de Notícias

Fonte: CNJ

Fonte Oficial: AASP.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Câmara termina de votar MP da Liberdade Econômica – Congresso em Foco

Medida Provisória de autoria do Ministério da Economia foi aprovada pela Câmara. Fabio Pozzebom / …