Debates da CDR no primeiro semestre subsidiarão novo Plano Nacional de Desenvolvimento Regional, afirma Izalci — Senado Notícias

O presidente da Comissão de Desenvolvimento Regional e Turismo (CDR), senador Izalci Lucas (PSDB-DF), em entrevista à TV Senado, avalia que o colegiado cumpriu seu papel de fiscalizar e aprovar projetos dentro de sua área de atuação. Ele fez um balanço das atividades da comissão desde que tomou posse, em fevereiro passado. Na sua avaliação, as audiências públicas foram a atividade que marcou o primeiro semestre de trabalhos, já que oferecem bases para a apresentação de um projeto maior de desenvolvimento regional.

— Estamos preparando um Plano Nacional de Desenvolvimento Regional, utilizando os fundos setoriais. Vimos que o Banco do Brasil, gestor do FCO, se preocupa muito com as garantias. Estamos trabalhando um meio-termo. Queremos alavancar o desenvolvimento.

Izalci apontou a realização de 11 audiências públicas no primeiro semestre, com participação de diversos ministros convidados.

— Nossa primeira audiência pública foi inclusive com o ministro de Desenvolvimento Regional, Gustavo Canuto. Foi a primeira apresentação dos programas e projetos do ministério para os próximos dois anos.

Em seguida, ocorreram as audiências com os gestores dos fundos setoriais e dos órgãos de desenvolvimento regional. No debate sobre o desenvolvimento do Centro-Oeste, participaram os representantes do Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste (FCO), da Superintendência de Desenvolvimento do Centro-Oeste (Sudeco) e do Banco do Brasil, que é o agente financeiro dos programas.

Foi realizada ainda audiência com os representantes da Superintendência de Desenvolvimento da Amazônia (Sudam), do Banco da Amazônia (Basa), e da Superintendência de Desenvolvimento da Zona Franca de Manaus (Suframa). Completando o ciclo, houve a audiência com representantes da Superintendência de Desenvolvimento do Nordeste (Sudene), da Companhia de Desenvolvimento do Vale do São Francisco (Codevasf), do Departamento Nacional de Obras Contra a Seca (Dnocs) e do Banco do Nordeste

Centros de Desenvolvimento Regionais

Segundo Izalci Lucas, outro grande projeto acompanhado pela comissão foi a estruturação dos Centros de Desenvolvimentos Regionais (CDRs). Para o senador, é a grade oportunidade de levar aos municípios as universidades e institutos de pesquisas.

— Elegemos algumas cidades para a aplicação desse projeto-piloto, como Campina Grande (PB), Campanha (RS), Itapeva (SP) e Brasília (DF). A gente levanta a vocação de cada município e faz um trabalho em conjunto com o [Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico] CNPq,a  [Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Ensino Superior] Capes, o [Ministério da Educação] MEC, o Ministério da Ciência e da Tecnologia, o Ministério do Turismo, o Gabinete de Segurança Institucional e o Ministério da Cidadania.

Esse projeto dos CDRs nasceu em ação conjunta do MEC com a Câmara dos Deputados. E agora, também tem a participação do Senado, explica Izalci. Em cada local é feito um levantamento do que se pode apoiar para dar vazão às possibilidades de desenvolvimento conjunto.

— Chegamos a ir ao Ministérios da Educação explicar o programa duas vezes, porque mudaram os ministros. E vamos acrescentar os projetos das CDRs ao Plano Plurianual (PPP) e à Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) — anunciu Izalci.

TAG

A venda da Transportadora Associada de Gás da Petrobrás, a TAG, foi o foco de duas audiências públicas da CDR, requeridas pelo senador Jaques Wagner (PT-BA). Izalci Lucas ainda destacou a necessidade de ser ouvido o ministro das Minas e Energia, Bento Albuquerque, que já foi convidado.

— Queremos ouvir do ministro o quanto se tem de construir dutos para transportar o petróleo do Pré-Sal. A TAG construiu toda a infraestrutura que atualmente atende à Petrobrás. Em cinco anos o lucro da TAG amortizaria o empréstimo. Foi uma privatização de mãe pra filho essa venda da TAG — avaliou.

Para completar, a Comissão de Infraestrutura (CI) e a CDR vão realizar uma audiência conjunta com o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Freitas, para conhecer os detalhes da privatização e de outros projetos.

— Como o Supremo Tribunal Federal decidiu favoravelmente às vendas de subsidiárias de empresas estatais, permitindo que essas empresas criadas sem autorização do Congresso possam ser vendidas sem a autorização do Congresso, sabemos que outras empresas serão vendidas. E queremos ouvir os ministros sobre como agirão — explicou Izalci.

Investimentos em Pesquisa

Na entrevista à TV Senado, Izalci defendeu ainda a correção dos valores das bolsas de estudo e de apoio à pesquisa do CNPq e da Capes:

— Os valores das bolsas estão muito defasados. Temos de garantir que os recursos não sejam contingenciados. Não adianta botar muito recursos e interromper o seu fluxo. A pesquisa tem de ter planejamentos de médio e longo prazo.

Ele sugeriu que alunos que foram beneficiados com recursos dos programas de Financiamento Estudantil (Fies) e Universidade para Todos (Prouni), que estejam inadimplentes, atuem nos Centros de Desenvolvimento Regionais, no reforço escolar e na educação física.

— Os jovens se formam e por não terem trabalho, não podem pagar os empréstimos — ponderou

Projetos em destaque

Na reunião do dia 10 de julho, a CDR aprovou dez projetos, entre eles o PL 1.753/2019, que isenta do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) a produção da indústria da área de livre comércio de importação e exportação da Amazônia Legal que utilize preponderadamente matéria-prima da região. O projeto, de autoria do senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), seguirá para a análise da Comissão de Assuntos Econômicos (CAE), onde vai tramitar em caráter terminativo.

Também foi aprovado o (PLC 137/2017), que incentiva o Sistema Nacional de Economia Solidária. O projeto, que trata do marco legal para o setor foi defendido pelo relator da proposta, senador Jaques Wagner (PT-BA) e igualmente será avaliado pela Comissão de Assuntos Econômicos (CAE).













Atividades realizadas nas 25 reuniões da CDR no primeiro semestre de 2019*

Instalação e eleição da mesa da comissão: 2
Administrativas: 2
Audiências Públicas: 14
Deliberativas: 13
* Algumas reuniões foram divididas em partes para cada atividade.

Deliberações

Projetos de lei aprovados em decisão terminativa: 5
Pareceres sobre projetos de lei: 8
Parecer sobre projeto de resolução: 1
Outros (requerimentos, ofícios e emendas ao PLDO 2020): 52
TOTAL: 66

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

Fonte Oficial: https://www12.senado.leg.br/noticias/materias/2019/07/18/debates-da-cdr-no-primeiro-semestre-subsidiarao-novo-plano-nacional-de-desenvolvimento-regional-afirma-izalci.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Comitê sugere manutenção do bloqueio de cinco obras federais no Orçamento de 2020 — Senado Notícias

O Comitê de Avaliação das Informações sobre Obras e Serviços com Indícios de Irregularidades Graves, …