Ministro Dias Toffoli visita tribunais mato-grossenses e recebe homenagem do governador – STF

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) e do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), Dias Toffoli, esteve no Estado de Mato Grosso nesta quinta-feira (18) para dar continuidade à programação de visitas aos tribunais estaduais. A ideia dos encontros é estreitar laços com magistrados e operadores de Direito locais e ampliar a integração do Poder Judiciário.

O ministro Dias Toffoli já esteve em Alagoas, Bahia, Espírito Santo, Amapá, Minas Gerais, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul e São Paulo. “Eu tenho procurado visitar todos os tribunais do país, nas capitais. Os tribunais de Justiça, do Trabalho, Eleitorais e os tribunais Federais ou as seções judiciárias. Estamos fazendo isso pela importância que vemos, junto com a nossa equipe do CNJ e do STF, em ouvir as especificidades de cada local e ver no que podemos ajudar e o que podemos aperfeiçoar no relacionamento interpessoal, na atividade jurisdicional, no trâmite dos recursos. Essa interlocução é importante para atender o cidadão que busca a Justiça”, disse o presidente do STF e do CNJ.

Comenda

O ministro Dias Toffoli esteve no Tribunal Regional do Trabalho da 23ª Região (TRT-23) e no Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJ-MT), em reunião com desembargadores e o governador Mauro Mendes. “No momento de retomada da confiança do povo nas instituições, é muito importante a harmonia entre os Poderes e a harmonia aqui impera”, enfatizou. O presidente do STF e do CNJ recebeu ainda a Medalha do Mérito Judiciário Desembargador José de Mesquita.
“Resolvemos conferir a honraria porque reconhecemos sua trajetória de trabalhos desempenhados na Justiça brasileira. Todos nós presentes sabemos o momento importante e delicado que todo o país atravessa e é nesse momento que nós precisamos da grandiosidade das pessoas e das instituições”, explicou o governador.

O presidente do TJ-MT, desembargador Carlos Alberto Alves da Rocha, ressaltou a contribuição do ministro Dias Toffoli em diversas frentes de atuação em prol do aprimoramento do sistema de Justiça brasileiro. “Pelo CNJ, o ministro trabalha intensamente para solucionar vários problemas que afligem o Poder Judiciário e a sociedade. Empreendeu uma nova e moderna sistemática de trabalho, construindo pontes entre os tribunais, estimulando o diálogo e incentivando a troca de experiências exitosas”, afirmou.

“Receber o ministro Toffoli marca uma importante iniciativa de aproximar o Supremo dos tribunais brasileiros. O Brasil é um país grande e cada região possui suas peculiaridades. É muito importante que o presidente do STF e do CNJ conheça essas realidades”, destacou a presidente do TRT-23, desembargadora Eliney Veloso.

Defesa do cidadão

O presidente do STF concedeu entrevista aos jornalistas ao final do encontro e reafirmou que o compartilhamento de informações financeiras detalhadas de um cidadão requer o aval do Judiciário. Ele respondeu a questionamentos sobre sua decisão de suspender, até decisão final do Plenário do STF, os processos e as investigações criminais que envolvam esse tipo de compartilhamento de informações sem ordem judicial.

Segundo Toffoli, quando o Ministério Público for comunicado pelo Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) sobre alguma incompatibilidade nas movimentações financeiras de uma pessoa, ele deve solicitar a quebra de sigilo ao Judiciário. “Isso tem um controle do poder Judiciário. Se não é feito dessa forma, se o detalhamento é feito sem a participação do Judiciário, qualquer cidadão brasileiro está sujeito a um vasculhamento na sua intimidade”.

O presidente do STF acrescentou que a decisão não impede as investigações. “Essa decisão ela autoriza, como foi o julgamento do Supremo no Plenário, as investigações que tiveram origem no compartilhamento global e depois o detalhamento com autorização judicial. É uma defesa do cidadão”, observou Toffoli.

*Com informações do CNJ

Fonte Oficial: http://www.stf.jus.br/portal/cms/verNoticiaDetalhe.asp?idConteudo=416922.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Governador do RJ questiona obrigação legal de destinar recursos dos royalties petróleo à saúde e à educação – STF

O governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, ajuizou a Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) …