Governo estuda medidas para regularizar garimpo clandestino – Congresso em Foco

O Ministério de Minas e Energia formalizou nesta semana um grupo de trabalho interno que vai estudar medidas para simplificar o regime de outorga de lavra garimpeira e assim possibilitar a regularização de garimpos clandestinos pelo país. Os três integrantes do grupo foram nomeados na última quinta-feira (17), sendo dois da Secretaria de Geologia, Mineração e Transformação Mineral do ministério e um representante da Agência Nacional de Mineração, atual responsável pela outorga.

O grupo tem trinta dias para apresentar relatório. As lavras de garimpo se referem à exploração de ouro, diamante, pedras preciosas outros tipo de minerais similares. A última atualização da legislação ocorreu em 2008, com a criação do Estatuto do Garimpeiro.

“O objetivo é tentar aprofundar esse contexto da atividade do garimpo no Brasil principalmente nesse foco de enfrentar a atividade clandestina, nessa preocupação de que embora seja sim problema de polícia, ele não vai se resolver com essa atuação do Estado no que se refere apenas ao controle e responsabilidade, tem de se resolver com política pública do estado muito mais ampla, em que trabalhemos com uma cultura, conhecimento, conscientização  e responsabilidade de quem está lá na ponta e merece dignidade pelo trabalho que exercer”, explicou o secretário de Geologia, Mineração e Transformação Mineral do ministério, Alexandre Vidigal, ao Congresso em Foco.

O secretário admite que a legislação atual é boa, mas argumenta que o país perde anualmente riquezas na ordem de R$ 1 bilhão com a atividade clandestina. Ele aponta que pelos levantamentos divulgados pela imprensa, apenas na região da Amazônia existem cerca de 500 garimpos clandestinos.

“Por estar na atividade clandestina o garimpeiro não consegue se integrar ao mercado formal e ter aquela dignidade que qualquer trabalhador tem por atividade exercida de forma lícita, nosso objetivo é aperfeiçoar essa legislação, nós temos na agência mais de 10 mil pedidos de lavra de garimpo pendentes de solução e essas situações quando demoram, evidentemente que quem precisa vai fazer do modo que está disponível”, comenta o secretário. Ele menciona que o estudo em andamento faz parte da tentativa de desburocratizar a máquina pública.

A lavra de mineração, atualmente, precisa da autorização da União para ser concedida e da licença ambiental do poder estadual para funcionar. Um grupo de trabalho de parlamentares prepara, na Câmara, uma nova proposta de marco legal para o licenciamento ambiental no país que deve englobar também este tema.

O secretário de Geologia e Mineração do Ministério de Minas e Energia destacou que a questão da mineração em terras indígenas não será tratada neste grupo de trabalho, mas afirmou que o assunto é alvo de uma frente de trabalho envolvendo vários ministérios.

>Mineração em terras indígenas volta à pauta da Câmara

“A exploração mineral em áreas indígenas está sendo tratada sim, é discurso desse governo, do presidente na sua campanha, está dentro da política de governo para mineração, mas para isso temos também uma frente específica de trabalho junto com o Palácio do Planalto, a Casa Civil, onde tem um grupo ministerial, com Minas e Energia, Meio Ambiente e GSI”, confirmou Alexandre Vidigal.

Os garimpos clandestinos vão além da atividade artesanal de exploração mineral e envolvem maquinário para extração mecânica, causando grande dano ambiental. A discussão da regularização passa por esta questão. Em abril, a Polícia Federal em parceria com o governo de Minas Gerais desmontou um garimpo clandestino localizado nos municípios de Diamantina e Couto Magalhães, nas margens do Rio Jequitinhonha, que envolvia de forma direta e indireta uma comunidade de quase de mil pessoas, parte delas em condições de trabalho degradantes.

A Divisão de Repressão a Crimes contra o Meio Ambiente e Patrimônio Histórico da Polícia Federal informou na época que o garimpeiros trabalhavam em uma área, com autorização do proprietário, e em troca recebiam uma parte do lucro.

>O desmonte ambiental na Câmara

>Câmara eleva multa de crime ambiental para até R$ 1 bilhão

Continuar lendo em Congresso em Foco.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Cessão onerosa será votada no Senado na próxima terça-feira – Congresso em Foco

A Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que vai permitir que os recursos arrecadados pela …