Senadores cobram governo sobre conflito no Amapá — Senado Notícias

O presidente do Senado, Davi Alcolumbre, pediu esforços para garantir a segurança dos índios Waiãpi, no oeste do Amapá, após o conflito entre indígenas e garimpeiros, ocorrido no sábado (27). O cacique Emyra Waiãpi foi encontrado morto, e as lideranças locais afirmam ter se tratado de um assassinato. O Exército, a Polícia Federal e a Fundação Nacional do Índio (Funai) estão na região investigando o caso, em parceria com a Polícia Militar do estado e o Ministério Público.

Por meio de rede social, Davi afirmou que as terras dos Waiãpi são alvo frequente de conflitos por serem ricas em minério. O fato de a região ser afastada e de difícil acesso contribui para a ocorrência de conflitos. Ele considera de extrema importância a intervenção das forças de segurança diante da gravidade da situação.

“Os esforços devem ser concentrados em garantir a segurança e o direito dos povos indígenas, que sempre viveram nessa região, direito garantido constitucionalmente”, disse o presidente.

O líder da oposição, senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), acompanha a situação e chegou a gravar um vídeo, no dia da denúncia, criticando a demora por parte da Funai e da Polícia Federal em reagirem à situação. Segundo ele, havia a possibilidade de uma tragédia.

Randolfe disse, ainda, que a Organização das Nações Unidas (ONU) e a Organização dos Estados Americanos (OEA) preparam uma notificação dirigida ao governo brasileiro a respeito do caso. Os ministérios da Justiça e do Meio Ambiente serão interpelados pelos órgãos internacionais, informou o senador.

“O documento irá questionar a necessidade de intervenção de forças internacionais para o episódio ocorrido no último final de semana e seus desdobramentos, uma vez que ambas as organizações não aprovam o tipo de administração que está sendo adotada pelo governo”.

O senador Fabiano Contarato (Rede-AP), presidente da Comissão de Meio Ambiente (CMA) do Senado, manifestou solidariedade aos Waiãpi e aproveitou para criticar a proposta do governo federal de liberar as atividades de mineração em terras indígenas.

“A pretexto de fomentar o desenvolvimento econômico, o projeto coloca em risco as populações locais e significa o desmonte de conquistas ambientais. Impor aos povos indígenas que aceitem garimpos nas terras em que vivem subverte a estrutura social dessas comunidades por meio da exploração de suas riquezas mineiras. Isso é mais que inaceitável, é um crime contra a humanidade”, denunciou.

Outros senadores da oposição também chamaram atenção para o acontecimento em suas redes sociais:

Eliziane Gama (Cidadania-MA)
“É inaceitável o que ocorre no território do povo Waiãpi no Amapá, relatos absurdos de invasão das terras por garimpeiros e assassinato de líderes Waiãpi. É necessária uma ação rápida do poder público. Não podemos aceitar agressões, não podemos aceitar a barbárie”.

Humberto Costa (PT-PE)
“O povo Waiãpi não era vítima de violência há mais de 20 anos. Se hoje assassinos se sentem autorizados a matar indígenas, é porque têm o respaldo e o estímulo do presidente da República”.

Paulo Paim (PT-RS)
“O assassinato do líder indígena Emyra Waiãpi, por garimpeiros, no Amapá, é uma tragédia anunciada. É preciso identificar os culpados e puni-los, conforme a lei. O aumento da violência contra os indígenas é uma constante: nos últimos 3 anos, mais de 200 foram mortos”.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

Fonte Oficial: https://www12.senado.leg.br/noticias/materias/2019/07/29/senadores-cobram-governo-sobre-invasao-de-terras-indigenas-no-amapa.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

TSE aponta crescimento na violência contra candidatos nas eleições de 2020 — Senado Notícias

Levantamento divulgado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) aponta crescimento nos índices de violência contra candidatos …