Presidente do CSJT participa de seminário sobre casos de grandes contaminações

document.write(‘‘); !function(d,s,id){var js,fjs=d.getElementsByTagName(s)[0];if(!d.getElementById(id)){js=d.createElement(s);js.id=id;js.src=”http://platform.twitter.com/widgets.js”;fjs.parentNode.insertBefore(js,fjs);}}(document,”script”,”twitter-wjs”);



O caso paradigma envolve a fábrica da Shell em Paulínia (SP).

O presidente do Tribunal Superior do Trabalho (TST) e Conselho Superior da Justiça do Trabalho (CSJT), ministro Brito Pereira, participou nesta sexta-feira (2) do seminário “As grandes contaminações e suas repercussões: as lições extraídas do caso de Paulínia”, promovido pela Justiça do Trabalho e pelo Ministério Público do Trabalho (MPT) na sede do TribunaI Regional do Trabalho da 15ª Região (Campinas/SP).

Paulínia

O caso paradigma que serve de tema ao seminário foi uma ação civil pública ajuizada em 2007 pelo Ministério Público do Trabalho (MPT) contra a Raizen Comsbutíveis S/A (Shell) e a Basf S/A em razão da contaminação do solo e dos lençóis freáticos da região da fábrica da Shell em Paulínia a partir da década de 70, que teria atingido toda a comunidade local. Em 2000, a fábrica foi vendida para a BASF e, em 2002, encerrou suas atividades e foi interditada pelo Ministério do Trabalho.

Em 2013, um acordo homologado pelo TST fixou a indenização por danos morais coletivos no valor de R$ 200 milhões, destinados a instituições dedicadas a pesquisa, prevenção e tratamento de trabalhadores vítimas de intoxicação decorrente de desastres ambientais. Também ficou garantido o pagamento de indenização por danos morais individuais de 70% sobre o valor determinado pela sentença, totalizando R$ 83,5 milhões.

Acordo

Na abertura do encontro, o ministro Brito Pereira ressaltou o papel de todos os que participaram da celebração do acordo, um dos maiores homologados pela Justiça do Trabalho. “O evento tem um motivo nobre, e espero que essa celebração sirva para que jamais nos esqueçamos do que aconteceu e da boa solução encontrada. Não podemos nos omitir, para evitar novos danos”, afirmou.

Marco

A ministra Delaíde Arantes, relatora do processo no TST e coordenadora do Comitê Gestor Nacional do Programa de Prevenção de Acidentes de Trabalho (Trabalho Seguro), relembrou que a solução do caso Shell/Basf foi um marco representativo na proteção do meio ambiente do trabalho. “Quero ressaltar o importante papel da Justiça do Trabalho, do Ministério Público do Trabalho e da advocacia para a realização desse e de inúmeros acordos”, destacou.

Homenagens

Os ministros aposentados João Oreste Dalazen e Carlos Alberto Reis de Paula, que atuaram na condução do processo na Presidência do TST, também foram homenageados, juntamente com a desembargadora Maria Inês Targa e a procuradora do trabalho Clarissa Ribeiro Schibestsck.

Assista:

Leia mais:

8/4/2013 – TST homologa acordo entre empresas e vítimas de contaminação química em Paulínia (SP)

(NV/CF)

<!– –> var endereco; endereco = window.location.href; document.write(‘‘) <!—-> Inscrição no Canal Youtube do TST

Fonte Oficial: TST.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Banco obtém redução de indenização devida a bancária aposentada por doença profissional

document.write(‘Seguir‘); !function(d,s,id){var js,fjs=d.getElementsByTagName(s)[0];if(!d.getElementById(id)){js=d.createElement(s);js.id=id;js.src=”http://platform.twitter.com/widgets.js”;fjs.parentNode.insertBefore(js,fjs);}}(document,”script”,”twitter-wjs”); O valor de R$ 300 mil foi considerado excessivo e reduzido para …