Horta e abelhas nativas encantam estudantes de escola municipal – Prefeitura de Curitiba/PR

Um por todos, todos por um, e todos por um mundo melhor. Com esse grito de guerra, crianças da Escola Municipal Dom Manuel da Silveira D’elboux, no Hugo Lange, começam as tarefas na horta escolar e no jardim de mel da escola. A prática acontece todas as segundas e sextas-feiras, em turnos alternados das aulas.

O projeto pedagógico de sustentabilidade, iniciado há quatro anos pela professora Silmara de Souza Prestes, ganhou a presença de abelhas nativas sem ferrão e a empolgação dos alunos, que viraram pesquisadores das conexões naturais entre horta, jardim e abelhas.

Para dar asas ao sonho dos estudantes de ter uma horta na escola, a professora, apoiada pela direção, literalmente carregou pedra e cavou espaço. 

“Ela tem essa característica, acredita no projeto e persegue os objetivos. Nós apoiamos dentro das possibilidades, porque é para os estudantes”, diz a diretora Silvana Valério da Silva.

Segundo Silvana, o resultado pedagógico é positivo. No terreno dos fundos da escola, a professora, com a participação dos alunos, tirou pedras, entulhos e abriu caminho para a horta. Paralelamente, fez um trabalho de compostagem para adubar a terra e formar os pequenos canteiros.

Na “horta-laboratório” os alunos participam plenamente de cada etapa: preparo da terra, plantio, regas e colheita. As mudas são feitas com as sementes coletadas das alfaces, cenouras, salsinhas, cebolinhas geradas ali mesmo. São as plantas mães.

“A horta ensina muito mais que plantio, colheita e alimentação saudável. Ela ajuda a alfabetizar, na produção de texto, pesquisas e ali acontece verdadeiramente a inclusão entre os alunos”, destaca Silmara.

 



Abelhas nativas sem ferrão são “voluntárias” da escola

Depois da horta formada, a professora descobriu um ninho das miúdas abelhas jataí, espécie nativa brasileira sem ferrão. Elas se instalaram “voluntariamente” num tronco de árvore dentro da escola.

“O mais interessante é que na semana seguinte da descoberta, os integrantes da escola participaram de um curso sobre abelhas nativas no Museu de História Natural, e Silmara voltou muito animada”, disse a vice-diretora Maria Angela Kinelski Feder.

As abelhas foram imediatamente “adotadas” pela escola e pelo projeto. Silmara trabalhou o conteúdo com os alunos, estimulou eles a pesquisarem tudo sobre abelhas sem ferrão.

As crianças fizeram iscas para atrair outros ninhos e acabaram conseguindo uma “muda” de jataí, que se desenvolveu bem, mas sofreram ataque das abelhas limão. Até das invasoras a professora tirou partido pedagógico. Mais pesquisas entre os alunos, que descobriram que para evitar outros ataques devem diminuir a entrada do ninho das jataís.

Neste mês de agosto e também em setembro cada turma da escola vai espalhar iscas dentro e no entorno para tentar obter novos enxames de abelhas sem ferrão. “Eles estão pesquisando iscas para outras espécies de abelhas nativa sem ferrão, pois queremos diversificar”, diz a professora.

Para alimentar as abelhas, algumas flores foram plantadas, formando um pequeno jardim de mel. Tudo envolvendo pesquisas. “Queremos que nossos alunos saiam daqui pesquisadores”, afirma Silmara.

 


PANCs e apoio da Secretaria Municipal de Segurança Alimentar

Neste semestre, a horta escolar e o jardim de mel terão um grande reforço. A ação conta com o suporte da Secretaria Municipal de Segurança Alimentar e Nutricional, que entrará com apoio técnico e de insumos para a horta.

Com a ajuda, os planos são expandir a horta também com as PANCs (Plantas Alimentícias Não Convencionais). São plantas que podem ser usadas em receitas, mas não são tão aproveitadas em relação a outras mais conhecidas.

A proposta das PANCs é trabalhar com o resgate de alimentos usados por antepassados.

O projeto de horta da escola ganhou também o coração e a participação de pais. No fim de semana passado, uma mãe de aluno organizou a primeira Feira de Troca de Plantas, numa praça da Rua Itupava e a escola participou.

Alunos acompanhados de suas famílias vieram de bairros mais distantes como do Boqueirão para participar da feira.

“Ver uma criança explicar para um adulto sobre plantas e abelhas nativas como eu vi acontecer na feira, vale todo o esforço”, disse a professora.

A Escola Municipal Dom Manuel D’elboux atende 420 crianças de vários bairros de Curitiba, desde Jardim Social até Sítio Cercado, além de municípios da Região Metropolitana.   

   

Fonte Oficial: https://www.curitiba.pr.gov.br/noticias/horta-e-abelhas-nativas-encantam-estudantes-de-escola-municipal/51822.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Após aplicar 144 notificações, Prefeitura rescinde contratos com Terpasul – Prefeitura de Curitiba/PR

Após 144 notificações aplicadas pela Secretaria Municipal de Obras Públicas, a Prefeitura decidiu rescindir contratos …