Os 11 deputados que mais faltaram em 2019 – Congresso em Foco

Levantamento realizado pelo Congresso em Foco em parceria com a Operação Política Supervisionada (OPS) revela que 11 deputados federais faltaram a mais de 33% das 86 sessões plenárias realizadas na Câmara no primeiro semestre deste ano. São parlamentares veteranos de seis partidos diferentes que respondem por quase 10% de todas as faltas registradas pelos 513 deputados neste início de mandato. Veja quem são abaixo.

> José Priante, campeão de faltas na Câmara: “Só vocês estão preocupados”

O excesso de falta pode levar à cassação do mandato, caso essas ausências não sejam justificadas. A Constituição prevê que perderá o mandato o parlamentar que “deixar de comparecer, em cada sessão legislativa, à terça parte das sessões ordinárias da Casa a que pertencer, salvo licença ou missão por esta autorizada”.

A abertura do processo que pode levar à cassação é determinada pela Mesa Diretora, por meio de ofício ou mediante provocação de qualquer um de seus integrantes ou de partido político representado no Congresso, com direito à ampla defesa. Até hoje, apenas dois deputados foram cassados por excesso de faltas: o paulista Felipe Cheidde e o mineiro Mário Bouchardet, em 1989.

Confira a lista dos mais ausentes, em ordem decrescente de faltas:

 

1) Paulo Freire Costa (PL-SP)

Em seu segundo mandato como deputado federal, Paulo Freire Costa é pastor e ministro do Evangelho ligado a Assembleia de Deus, além de filho do pastor José Wellington Bezerra da Costa. É um dos integrantes da bancada BBB (bala, bíblia e boi). Juntas, as três alas somam 300 deputados. Procurada, sua assessoria não retornou até a publicação da reportagem. 

Total de faltas: 47.

Faltas justificadas: 45.

Percentual: 54,65% de ausência.

 

2) Vinícius Gurgel (PL-AP)

Empresário e contabilista, Vinícius Gurgel está em seu terceiro mandato consecutivo como deputado federal. É investigado no Supremo Tribunal Federal por crimes contra a ordem tributária. Aliado do ex-deputado Eduardo Cunha, Gurgel tentou barrar o processo de cassação do emedebista no Conselho de Ética na Câmara dos Deputados apresentando assinatura falsa. Procurada, sua assessoria não retornou até a publicação da reportagem.

Total de faltas: 40.

Faltas justificadas: 33.

Percentual: 46,51% de ausência.

 

3) Assis Carvalho (PT-PI)

Leonardo Prado/Ag.Câmara

Assis Carvalho é ex-secretário de Saúde do Piauí e ex-deputado estadual. Está em seu terceiro mandato como deputado federal. Foi condenado duas vezes por improbidade administrativa. Em 2018, a Justiça Federal apontou desviou de recursos do Sistema Único de Saúde (SUS). Em 2016, foi condenado à suspensão dos direitos políticos por cinco anos e a pagamento de multa de R$ 250 mil, por realizar licitações por falsa emergência e favorecer empresas. Procurada, sua assessoria não retornou até a publicação da reportagem.

Total de faltas: 36.

Faltas justificadas: 36.

Percentual: 41,68% de ausência.

 

4) Giacobo (PL-PR)

Empresário, Giacobo está em seu quinto mandato consecutivo como deputado federal. Foi denunciado em três ações penais no Supremo Tribunal Federal, mas todas prescreveram. Em 2017, o ex-primeiro-secretário da Câmara devia R$ 21 milhões à União. Dívidas são relacionadas a empresas do parlamentar. Segundo a assessoria do deputado, ele faltou muito no semestre para “tratar da saúde”.

Total de faltas: 35.

Faltas justificadas: 35.

Percentual: 40,70% de ausência.

 

5) José Priante (MDB-PA)

Primo do senador Jader Barbalho (MDB-PA), José Priante é alvo de inquérito no Supremo Tribunal Federal que investiga irregularidades no Departamento Nacional de Produção Mineral do Estado do Pará. Em 2014, recebeu doações de R$ 462.650,00 das mineradoras. Em seu sexto mandato como deputado federal, Priante é o campeão em faltas não justificadas em 2019. Ele diz não estar preocupado com a quantidade de faltas.

Total de faltas: 33.

Faltas justificadas: 3.

Percentual: 38,37% de ausência.

 

6) Sebastião Oliveira (PL-PE)

Primo do ex-deputado Inocêncio Oliveira (PL-PE), Sebastião Oliveira é médico e está em seu segundo mandato como deputado federal. Foi secretário de Transporte e Pernambuco. Em 2017, Sebastião foi exonerado da Secretaria de Transporte para retornar à Câmara e ajudar a barrar a denúncia de corrupção passiva contra o ex-presidente Michel Temer. Ele alega que o número de faltas ocorreu por problema de saúde. “Porém, (estou) recuperado para um segundo semestre com presença e produção parlamentar”, afirma.

Total de faltas: 31.

Faltas justificadas: 16.

Percentual: 36,05% de ausência.

 

7) João Campos (PRB-GO)

Ex-delegado de polícia, João Campos está em seu quinto mandato consecutivo na Câmara. Foi responsável por apresentar um projeto de decreto legislativo que permitiria que psicólogos “tratassem” a homossexualidade, conhecido como a “cura gay”. Ele é voz atuante da bancada da bala, que luta pela flexibilização do porte de armas. “Passei por uma cirurgia cardíaca. Válvula mitral completamente dilacerada”, justifica.

Total de faltas: 31.

Faltas justificadas: 26.

Percentual: 36,05%% de ausência.

 

8) Misael Varella (PSD-MG)

Misael Varella está em seu segundo mandato como deputado federal. Integrante da bancada da bala, Misael contribui para o regime especial de aposentadoria da Câmara. Ele é filho do ex-deputado Lael Varella, que já respondeu a processo no Supremo Tribunal Federal. Procurada, sua assessoria não retornou até a publicação da reportagem. 

Total de faltas: 31.

Faltas justificadas: 31.

Percentual: 36,05% de ausência.

 

9) José Airton Félix Cirilo (PT-CE)

José Airton Cirilo é engenheiro civil e advogado. Foi vereador de Aracati e de Fortaleza (CE) e prefeito de Icapuí. Está no quarto mandato como deputado federal. José Airton usou dinheiro da Cota para o Exercício da Atividade Parlamentar (Ceap) com o pagamento de pacotes especiais de televisão fechada com serviços de campeonatos de futebol por meio do sistema pay-per-view (pague para ver, na tradução literal). Justifica que as faltas se deram por causa de missões oficiais e por “ter ficado adoentado”.

Total de faltas: 30.

Faltas justificadas: 23.

Percentual: 34,88% de ausência.

 

10) Guilherme Mussi (PP-SP)

Formado em administração de empresas, Guilherme Mussi está em seu terceiro mandato como deputado federal. Não é a primeira vez que o parlamentar aparece na lista dos mais faltosos. Mussi foi casado com Rebeca Abravel, filha de Silvio Santos, e com Luciana Tranchesi, filha de Eliana Tranchesi, dona da marca de luxos Daslu. Procurado, o ex-genro de Silvio Santos não atendeu às ligações do Congresso em Foco.

Total de faltas: 29.

Faltas justificadas: 5.

Percentual: 33,72% de ausência.

 

11) Arthur Lira (PP-AL)

Fotógrafo: Luis Macedo / Agência Câmara.

Empresário, advogado e pecuarista, Arthur Lira está no terceiro mandato de deputado federal. Antes, foi vereador de Maceió e deputado estadual por Alagoas. Filho do ex-senador Benedito de Lira (PP-AL), foi denunciado no Supremo Tribunal Federal (STF) por organização criminosa em processo da Operação Lava Jato, acusado de desvio de dinheiro da Petrobras.

Total de faltas: 29.

Faltas justificadas: 29.

Percentual: 33,72% de ausência.

 

> Os deputados com mais faltas sem justificativa

> 11 deputados faltaram a mais de metade das sessões no primeiro semestre

Continuar lendo em Congresso em Foco.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Gilmar Mendes suspende ação penal na JF/RJ com dados do Coaf – Migalhas

O ministro Gilmar Mendes, do STF, suspendeu processo penal na JF/RJ com dados do Coaf …