Parceria entre STJ e Fazenda Nacional tira mil processos de tramitação – STJ

​​​​​​Mais de mil processos envolvendo a Fazenda Nacional deixaram de tramitar no Superior Tribunal de Justiça (STJ) em pouco mais de dois meses da parceria firmada entre as duas instituições para reduzir o número de recursos em execução fiscal.

O presidente do STJ, ministro João Otávio de Noronha, elogiou o resultado e disse que iniciativas como essa contribuem para que o tribunal possa se concentrar no julgamento de processos complexos e de grande repercussão econômica para os contribuintes e para a própria União.

"Uma atitude como essa era inimaginável há uma década. É muito bom verificar a mudança na cultura organizacional, aliada aos avanços tecnológicos, permitindo a otimização do tempo de todos", afirmou.

Após a definição de certos parâmetros jurídicos, o STJ faz o mapeamento dos processos nos quais a Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN) é a parte recorrente no tribunal, procurando identificar demandas repetidas e questões jurídicas com jurisprudência pacífica, entre outros critérios.

O resultado é encaminhado para a análise da PGFN, que peticiona pela desistência nos processos que discutem créditos considerados de baixa recuperabilidade – valores de dívida ativa com rating C ou D, ou seja, com pouca chance de serem efetivamente recebidos.

Mudança de​​ atitude

A parceria busca atingir objetivos de ambas as instituições: a redução do acervo de processos é uma prioridade da atual gestão do STJ, e a otimização dos processos de execução fiscal é um dos caminhos da PGFN para dar mais eficiência à gestão pública.

O presidente do STJ lembrou que a tramitação em massa de processos sem a adoção de critérios racionais, além de congestionar o Judiciário, traz perdas para a administração pública e para a sociedade.

Para o ministro, a iniciativa em curso representa a superação da cultura de recorrer sempre em todos os processos, mesmo naqueles com pouco proveito econômico ou sem perspectiva de resultado efetivo.

Próximos passos

O procurador da Fazenda José Péricles Pereira de Sousa, coordenador de atuação judicial perante o STJ, comentou que há casos em que a Fazenda levaria até 15 anos para recuperar o crédito, e outros em que o credor já faliu há muito tempo, o que pode justificar a desistência. Nessas hipóteses, a estratégia da PGFN é buscar a satisfação dos créditos por outros meios.

Segundo o procurador, a parceria com o STJ é apenas o primeiro passo no esforço de otimização do trabalho da PGFN nos tribunais superiores.

A expectativa é que, nos próximos meses, esse trabalho conjunto do STJ e da PGFN renda mais frutos, com o mapeamento de outros casos passíveis de desistência. O tribunal está desenvolvendo novas metodologias de identificação e agrupamento de processos com o mesmo tema jurídico e deve submeter esse trabalho à equipe de procuradores da Fazenda Nacional. A meta é dobrar os números já alcançados.

O ministro João Otávio de Noronha informou que o tribunal pretende discutir esse tipo de iniciativa com outros órgãos e entidades, além de aprofundar a parceria com a PGFN. Na última semana de julho, técnicos do STJ e da Advocacia-Geral da União (AGU) se reuniram para discutir a expansão da parceria para outros dois braços da advocacia pública – a Procuradoria-Geral da União (PGU) e a Procuradoria-Geral Federal (PGF).

Os primeiros resultados dessa nova frente de trabalho poderão ser vistos em breve e devem ter repercussão nos processos da União e do INSS – respectivamente, segundo e terceiro maiores demandantes no tribunal.

demandantes.jpg

Fonte Oficial: http://feedproxy.google.com/~r/STJNoticias/~3/17U7h-8XfVA/Parceria-entre-STJ-e-Fazenda-Nacional-tira-mil-processos-de-tramitacao.aspx.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Filha que não mora com requerente de BPC não pode ser considerada no cálculo da renda familiar – STJ

A Primeira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) reconheceu o direito de uma mulher …