Só três MPs de Bolsonaro viraram lei – Congresso em Foco

O presidente Jair Bolsonaro já editou 23 medidas provisórias desde que tomou posse. Apenas três delas, contudo, viraram lei. Isso porque seis MPs já caducaram e outras 14 ainda aguardam a apreciação do Congresso Nacional – entre elas, MPs que têm dividido o Congresso e que estão prestes a caducar e, por isso, podem aumentar o número de medidas provisórias que o governo não consegue transformar em lei. Veja que MPs são essas.

A MP da Liberdade Econômica, cujo texto-base foi aprovado nessa terça-feira (13) na Câmara e agora precisa ser aprovada pelo Senado até o próximo dia 27, é um exemplo das medidas provisórias que ainda estão no Congresso.

> Congresso tem 14 medidas provisórias para votar

Quais MPs caducaram?
Ao todo, seis medidas provisórias editadas pelo presidente Jair Bolsonaro já perderam a validade neste ano. Algumas devido à falta de consenso entre os parlamentares e outras por conta do prazo apertado que o Senado costuma ter para analisar as MPs – prazo que também fez com que a Câmara votasse, depois de um acordo com o Senado, uma proposta de emenda à Constituição que estabelece novos prazos para a tramitação das medidas provisórias para garantir que os senadores tenham ao menos 30 dias para avaliar os textos aprovados pelos deputados. A PEC ainda proíbe os parlamentares de incluírem nas MPs emendas que não têm relação com o texto original, os chamados jabutis, e agora aguarda a avaliação do Senado para virar lei. Por isso, ainda não está valendo e permitiu que seis medidas provisórias caducassem neste ano. Veja quais são:

– MP 873: Impedia o desconto em folha salarial da contribuição sindical, que passaria a ser paga através de boleto bancário encaminhado à residência dos trabalhadores que expressassem a vontade de efetuar a contribuição. O texto recebeu 513 emendas e dividiu os parlamentares porque foi visto como um ataque aos sindicatos. Por isso, caducou sem que a comissão que foi instalada para apreciar a questão tivesse feito sequer uma reunião.

– MP 874: Liberou R$ 1,4 milhão para o auxílio emergencial das vítimas do rompimento da barragem de Brumadinho. A perda de validade, portanto, não foi prejudicial, pois os recursos já haviam sido distribuídos.

– MP 875: Liberou um auxílio emergencial para as famílias residentes em Brumadinho que são beneficiárias do Programa Bolsa Família, do Benefício de Prestação Continuada da Assistência Social e da Renda Mensal Vitalícia. Também perdeu a validade sem prejuízos, pois já tinha liberado os recursos.

– MP 876: Facilitava a abertura e o fechamento de pequenas empresas, mas venceu por conta dos esforços da Câmara de votar a reforma da Previdência. Porém, acabou sendo acolhida pelo relator da MP da Liberdade Econômica, que vai a plenário nesta terça-feira (13).

– MP 877: Mudava a cobrança de impostos, reduzindo o custo das passagens aéreas que são compradas por órgãos públicos federais diretamente às companhias aéreas. A MP caducou durante o recesso, pois, como os parlamentares saíram de férias sem votar a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), em um recesso branco, os prazos de validade das medidas provisórias não deixaram de ser contados.

– MP 878: Prorrogava contratos temporários de pessoal no Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). Como aconteceu com a MP 877, caducou durante o recesso.

 

Quais MPs viraram lei?

Só três das medidas provisórias editadas por Bolsonaro, todas publicadas ainda em janeiro, viraram lei até agora. Veja quais são:

– MP 870, a MP da reforma administrativa: Redistribuiu atribuições e reduziu de 29 para 22 o número de ministérios. Entre as mudanças, estão a criação do Ministério da Economia em substituição ao da Fazenda e a extinção das pastas da Cultura e do Trabalho. No Congresso, a medida sofreu alterações como a transferência do Coaf do Ministério da Justiça para o de Economia e a devolução do Conselho Nacional de Política Indigenista do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos para o Ministério da Justiça. Ao converter a MP na Lei 13.844, o presidente Jair Bolsonaro, contudo, vetou pontos aprovados no Congresso como a criação do Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional.

– MP 871, a MP do pente-fino do INSS: Cria um programa de revisão de benefícios do INSS, com bônus para os peritos que realizarem mais perícias, com o objetivo de coibir fraudes nos benefícios do INSS. A medida pode gerar economia de R$ 10 bilhões ao ano, segundo o governo, e foi transformada na Lei 13.846.

– MP 872: Amplia até dezembro o prazo para o pagamento de gratificações a servidores e empregados cedidos à Advocacia-Geral da União (AGU). A ideia é garantir a continuidade do serviço do órgão, que enfrenta carência de pessoal, e foi promulgada na Lei 13.841.

> MP da Liberdade Econômica muda, mas mantém pontos polêmicos

Continuar lendo em Congresso em Foco.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Flávio diz que coleta de assinaturas do Aliança pelo Brasil começa dia 21 – Congresso em Foco

O senador Flávio Bolsonaro (RJ) disse neste sábado (16) que o processo de coleta de …