Adoção é o instituto mais nobre do direito, diz ministro Noronha no lançamento do SNA – STJ

​"A adoção toca na alma; na alma do adotado, na alma do adotante. A adoção é talvez o instituto mais nobre que nós podemos ter no direito. É cuidar do seu semelhante. E quão difícil estava isso no Brasil!" – declarou o presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ministro João Otávio de Noronha, nesta quinta-feira (15), ao participar do lançamento do Sistema Nacional de Adoção e Acolhimento (SNA).

O sistema tem como objetivo unificar em uma só base de dados as informações do Cadastro Nacional de Adoção (CNA) e do Cadastramento Nacional das Crianças Acolhidas (CNCA) – que deixarão de existir. Além disso, o SNA, que ficará sob a gestão do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), vai informar aos juízes que atuam na área, por meio de um sistema automático, todos os procedimentos que devem ser realizados para evitar o prolongamento desnecessário da permanência de uma criança em abrigo.

"Quando tomei posse como corregedor nacional de Justiça, todo dia eu recebia um telefonema – de amigos, de juízes – dizendo que precisava regularizar o cadastro, que o cadastro não funcionava. Eu fiquei perplexo. Havia um cadastro, e fomos verificar: era um cadastro que existia em alguns estados, mas na maioria dos estados era um cadastro pro forma, em que os dados não eram confiáveis, em que a criança parecia ser tratada como produto em uma prateleira de supermercado, onde o adotante a escolheria" – disse o ministro.

Noronha elogiou o presidente do CNJ, ministro Dias Toffoli, pelo empenho em viabilizar a criação do sistema: "Eu gostaria de parabenizar o ministro Toffoli por ter adotado a ideia, por ter transferido o cadastro para onde ele sempre deveria ter ficado, onde ele deveria ter nascido. Por ter, com coragem e determinação, pensado em milhares de almas".

Grupo de tra​​​balho

O presidente do STJ lembrou que o SNA é fruto do esforço do Grupo de Trabalho da Infância e Adolescência, instituído por ele quando ocupava o cargo de corregedor nacional de Justiça no CNJ.

"No dia 5 de outubro de 2016, eu baixei a Portaria 36 da corregedoria, criando a comissão para elaborar um novo cadastro. E quero dizer com orgulho: não era atualização do anterior; era um ponto de corte que teríamos que fazer. Nós tínhamos que criar um novo cadastro, que realmente funcionasse, que instruísse os processos de adoção e que facilitasse a integração daquelas almas, daquelas crianças necessitadas – necessitadas não apenas de um auxílio material, mas sobretudo de um acolhimento espiritual."

Noronha destacou também que a multiplicidade de cadastros de adoção no país inviabilizava a adoção por pessoas residentes em local diferente do da criança.

"Nessa comissão, verificamos que, na realidade, o Brasil tinha centenas de cadastros. Cada estado tinha o seu, cada comarca tinha o seu, e esses cadastros não conversavam entre si. O propósito, que era permitir que um cidadão que quisesse adotar em São Paulo encontrasse alguém – se não em São Paulo – em Minas, no Rio Grande do Sul ou no Nordeste, essa missão do cadastro não era atingida", contou Noronha.

Fonte Oficial: http://feedproxy.google.com/~r/STJNoticias/~3/vSgPsgVmtA8/Adocao-e-o-instituto-mais-nobre-do-direito–diz-ministro-Noronha-no-lancamento-do-SNA.aspx.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Crédito de prêmio de seguro não repassado pelo representante deve se submeter à recuperação – STJ

​Para a Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ), o crédito titularizado pela seguradora, …