Com discussões sobre sociedade digital e rumos do direito, XIV Seminário Ítalo-Ibero-Brasileiro é aberto no STJ – STJ

​​Os desafios de uma sociedade cada mais digital e os caminhos do direito contemporâneo são o tema central da 14ª edição do Seminário Internacional Ítalo-Ibero-Brasileiro de Estudos Jurídicos, que teve início na manhã desta quinta-feira (15) no Superior Tribunal de Justiça (STJ). Nesta edição, o seminário homenageia o ministro aposentado do STJ Ruy Rosado de Aguiar. 

O evento, que segue até sexta-feira (16), tem transmissão ao vivo pelo canal do STJ no YouTube.

Participaram da mesa de abertura o presidente do tribunal, ministro João Otávio de Noronha; o corregedor nacional de Justiça, ministro Humberto Martins; os embaixadores da Itália, Antonio Bernardini, de Portugal, Jorge Tito Vasconcelos Cabral, e da Espanha, Fernando Garcia Casas; o monsenhor Massimo Catterin, da Nunciatura Apostólica no Brasil; o desembargador Fábio Dutra, presidente do Instituto dos Magistrados do Brasil (IMB), e o professor Carlos Mathias de Souza, presidente do Instituto Ítalo-Ibero-Brasileiro de Estudos Jurídicos (IIB) e coordenador científico do seminário.

Ao abrir o evento, o ministro João Otávio de Noronha destacou o entrelaçamento histórico entre Itália, Portugal, Espanha e Brasil e a união dos países em prol da cultura jurídica. Segundo o ministro, é fundamental que a relação entre as nações não seja apenas "formal, diplomática", mas que os povos possam sempre confraternizar e trocar experiências.  

O embaixador da Itália, Antonio Bernardini, citou a mudança de posição do Brasil no caso da extradição do italiano Cesare Battisti como um exemplo de evolução de entendimento entre os países com o objetivo de combater o crime. O embaixador também ressaltou que as mudanças tecnológicas trouxeram transformações nos direitos individuais e novas questões éticas – temas que serão debatidos no seminário.

Segundo o embaixador de Portugal, Jorge Tito Vasconcelos Cabral, é chegado o momento de discutir os desafios no campo tecnológico e suas implicações no universo do direito. O representante português também lembrou a intensa cooperação entre Brasil e Portugal na área da educação – atualmente, o país lusitano acolhe cerca de 15 mil estudantes brasileiros.

Questões s​​​ensíveis

O embaixador da Espanha, Fernando Garcia Casas, ressaltou as ligações jurídicas e históricas entre os países participantes do seminário, que também compartilham problemas e dilemas. Entre as questões sensíveis às nações, Casas citou a evolução demográfica, as revoluções tecnológicas, a imigração e os temas ambientais.

Ao lembrar que, em 2011, a Organização das Nações Unidas reconheceu o acesso à internet como direito de todo cidadão, o representante da Nunciatura Apostólica no Brasil, Massimo Catterin, apontou que a ética e os direitos individuais devem regular a sociedade digital. Para o religioso, temas como a invasão de privacidade e a disseminação de notícias falsas são extremamente sensíveis e devem estar presentes nos debates sobre o homem digital.

"Algumas vezes, percebemos que a sociedade digital faz o homem esquecer uma pequena, mas importante palavra: consciência", afirmou.

Já o presidente do IMB, desembargador Fábio Dutra, enfatizou que as novas tecnologias fazem mais fácil a vida moderna, todavia os profissionais de direito precisam estar aparelhados para enfrentar novos fenômenos, como os cibercrimes.

O coordenador científico do evento e presidente do IIB, Carlos Mathias de Souza, destacou que os ciclos de debate internacional chegam, na verdade, à sua 35ª edição consecutiva, já que as primeiras edições reuniram apenas representantes da Itália e do Brasil. Posteriormente, o seminário passou a contar com especialistas de Portugal e Espanha.

O evento de abertura do seminário foi finalizado com a outorga da Medalha do Mérito Cultural da Magistratura ao ministro aposentado Ruy Rosado. A honraria foi entregue pelo IMB à filha do ministro, a juíza Ana Lúcia Andrade de Aguiar.

Proteção d​​​e dados

A palestra inaugural do seminário coube ao ministro do STJ Moura Ribeiro, que falou sobre o direito de personalidade e a Lei Geral de Proteção de Dados. A mesa foi presidida pelo ministro Sebastião Reis Júnior.

Em sua exposição, Moura Ribeiro traçou uma linha histórica dos direitos de personalidade, lembrando marcos como a Revolução Protestante (1517) e a Revolução Gloriosa (1688). Ele também lembrou que a Igreja Católica, em suas Encíclicas, já destacava os direitos morais e de personalidade.

Segundo Moura Ribeiro, os direitos de personalidade são personalíssimos e, por isso, inalienáveis, irrenunciáveis e imprescritíveis.

Na sequência, o ministro apresentou pontos centrais da recém-publicada Lei Geral de Proteção de Dados (Lei 13.709/2018), que, segundo o palestrante, busca defender os dados pessoais daqueles que se identifiquem como pessoas naturais ou que, ao menos, permitam sua identificação.

O ministro lembrou que a nova lei prevê a criação da Autoridade Nacional de Proteção de Dados, órgão da administração pública federal responsável por zelar pela proteção dos dados, pela fiscalização e pela aplicação de sanções em caso do tratamento ilegal de dados, entre outras funções.

"O tema da proteção de dados é muito sensível e há que se esperar da Autoridade Nacional de Proteção de Dados um exercício eficiente da competência que a Lei Geral de Proteção de Dados lhe conferiu", afirmou.

Confira a programação completa do seminário.

Fonte Oficial: http://feedproxy.google.com/~r/STJNoticias/~3/1WqTP3-BJgA/Com-discussoes-sobre-sociedade-digital-e-rumos-do-direito–XIV-Seminario-Italo-Ibero-Brasileiro-e-aberto-no-STJ.aspx.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Regras do CDC não podem ser usadas para afastar cláusula compromissória que prevê arbitragem – STJ

​​Não é possível afastar a cláusula compromissória que prevê arbitragem com base em regras do …