PT rebate ex-ministro Palocci sobre propina de R$ 270,5 milhões – Congresso em Foco

O Partido dos Trabalhadores rebateu o ex-ministro Antonio Palocci, que revelou que o partido recebeu para suas campanhas eleitorais R$ 270,5 milhões, entre 2002 e 2014. Em colaboração premiada feita à Justiça, Palocci conta que foram doações, parte declarada e outra não, de grandes grupos e empresas em troca de favores recebidos.

“Sua delação à Polícia Federal foi desmoralizada até pela força-tarefa (da Lava Jato) de Curitiba, que já havia rejeitado cinco versões diferentes das mentiras de Palocci”, afirma a deputada Gleisi Hoffmann (PT-PR), presidente nacional do PT.

> Intercept: Dallagnol tentou lucrar com a Lava-Jato

Gleisi se refere às mensagens reveladas pelo site The Intercept Brasil, segundo as quais o procurador Antônio Carlos Welter dispara, em referência ao acordo firmado por Palocci: “Fala até daquilo que ele acha que pode ser que talvez seja”.

“Nada que Antonio Palocci diga sobre o PT e seus dirigentes tem qualquer resquício de credibilidade desde que ele negociou com a Polícia Federal, no âmbito da Lava Jato, um pacote de mentiras para escapar da cadeia e usufruir de dezenas de milhões em valores que haviam sido bloqueados”, acrescenta Gleisi.

Palocci associa cada doação a um benefício específico que, segundo ele, teria sido alcançado por determinada empresa. Parte das negociações era realizada pelo ex-ministro em sintonia com o ex-tesoureiro do PT João Vaccari.

A delação do ex-ministro foi fechada com a Polícia Federal e homologada pelo ministro Edson Fachin, responsável pelos processos da Lava-Jato no Supremo Tribunal Federal.

 

Íntegra da nota:

Sobre afirmações mentirosas atribuídas a Antonio Palocci pelo site da revista Veja nesta quarta-feira (14), o Partido dos Trabalhadores esclarece:

1) Nada que Antonio Palocci diga sobre o PT e seus dirigentes tem qualquer resquício de credibilidade desde que ele negociou com a Polícia Federal, no âmbito da Lava Jato, um pacote de mentiras para escapar da cadeia e usufruir de dezenas de milhões em valores que haviam sido bloqueados;

2) Sua delação à PF foi desmoralizada até pela Força Tarefa de Curitiba, que já havia rejeitado cinco versões diferentes das mentiras de Palocci: “Fala até daquilo que ele acha que pode ser que talvez seja”, diz o procurador Antônio Carlos Welter nas mensagens reveladas pelo The Intercept Brasil;

3) As mesmas mensagens mostram que o então juiz Sergio Moro também desqualificava alegações de Palocci “difíceis de provar”, o que não o impediu de fazer uso político dessas mentiras, divulgando-as para prejudicar o PT na última semana do primeiro turno das eleições de 2018;

4) O mais recente frenesi de vazamentos ilegais de papéis sob sigilo de Justiça mostra o desespero de Sergio Moro e seus cúmplices com a revelação dos crimes que cometeram para condenar Lula numa farsa judicial; desespero compartilhado pela mídia antipetista.

Gleisi Hoffmann, presidente nacional do Partido dos Trabalhadores

Brasília, 14 de agosto de 2019

 

> Lava Jato só deu crédito a empreiteiro da OAS após ele incriminar Lula

>  PT usará mensagens sobre delação de Palocci em pedido de liberdade de Lula

Continuar lendo em Congresso em Foco.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Câmara termina de votar MP da Liberdade Econômica – Congresso em Foco

Medida Provisória de autoria do Ministério da Economia foi aprovada pela Câmara. Fabio Pozzebom / …