Bolsonaro abre crise com a PF após interferência no Rio – Congresso em Foco

A interferência do presidente Jair Bolsonaro na nomeação do novo superintendente da Polícia Federal no Rio de Janeiro abriu uma crise entre o presidente e a cúpula da instituição, comandada pelo ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro. O diretor-geral da PF, Maurício Valeixo, e delegados ameaçaram entregar seus cargos em forma de protesto ao anúncio feito pelo presidente de que substituiria o superintendente do órgão no Rio de Janeiro, Ricardo Saadi, por Alexandre Silva Saraiva, que hoje comanda a superintendência no Amazonas.

Valeixo se incomodou com duas declarações dadas pelo presidente entre quinta e sexta-feira. Bolsonaro atribuiu a saída de Saadi a problemas de “gestão” e “produtividade” – o que a instituição nega enfaticamente em nota – e ignorou a decisão do diretor-geral de nomear o atual superintendente em Pernambuco, Carlos Henrique Oliveira Sousa, para o cargo no Rio de Janeiro. Essa foi a primeira vez que um presidente da República anunciou a troca de um superintendente da Polícia Federal.

Pela manhã, Bolsonaro disse a jornalistas que dá liberdade aos seus ministros, mas que quem manda é ele. Segundo o presidente, Saadi seria substituído por Saraiva e não por Carlos Henrique, conforme anunciado anteriormente.

“O que eu fiquei sabendo, se ele [Valeixo] resolveu mudar, vai ter que falar comigo. Quem manda sou eu. Deixar bem claro. Eu dou liberdade para os ministros todos, mas quem manda sou eu. Pelo que está pré-acertado, seria o lá de Manaus [Saraiva]”, afirmou. “Pergunta para o Moro. Já estava há três, quatro meses para sair o cara de lá. Está há três, quatro meses. O que acontece, quando vão nomear alguém, falam comigo. Ué? Eu tenho poder de veto. Ou vou ser um presidente banana agora?”, emendou.

De acordo com a Polícia Federal, Saadi pediu para deixar o cargo por questões particulares e não por “problemas de gestão” e “produtividade”, como alardeado pelo presidente. A tensão provocado por Bolsonaro aumentou a pressão da cúpula da instituição sobre o ministro Sergio Moro, também desautorizado pelo chefe do Executivo.

Após a reação dos policiais, Bolsonaro amenizou o tom das declarações na tarde dessa sexta. “Tanto faz para mim. Eu sugeri o de Manaus, e se vier o de Pernambuco não tem problema, não”, afirmou. Saraiva, o preferido do presidente, é amigo de sua família e chegou a ser cogitado para comandar o Ministério do Meio Ambiente.

Flávio

Bolsonaro anda contrariado com a atuação da PF no Rio. Entre as investigações mais importantes em curso no estado estão a que apura a relação de milícias com políticos estaduais e a que envolve a chamada “rachadinha”, prática que consiste na devolução de parte de salário de parlamentares a assessores.

O caso do senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), filho do presidente e ex-deputado estadual, não está com a PF, mas com o Ministério Público Estadual. O presidente entende que Saadi pouco fez para evitar o que chama de excessos nas investigações.

Nos últimos dois meses Bolsonaro interferiu em outros dois órgãos que também municiaram investigações contra Flávio Bolsonaro. Ele determinou a substituição do superintendente da Receita Federal, o que também provocou uma ameaça de rebelião, e a transferência do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf), do Ministério da Justiça para o Banco Central. O presidente alega que seu filho primogênito teve as contas devassadas de maneira ilegal com o objetivo de tentar atingir a sua imagem.

> Procuradores pedem revisão da decisão de Toffoli sobre Flávio Bolsonaro

Continuar lendo em Congresso em Foco.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Juíza fixa honorários sucumbenciais em 59 centavos – Migalhas

Em Quirinópolis/GO, um advogado deverá receber R$ 0,59 de honorários sucumbenciais. Decisão é da juíza …