Ministério da Defesa instala centro de operações para coordenar combate ao fogo na Amazônia – Congresso em Foco

O Ministério da Defesa instalou, neste sábado (24), um Centro de Operações Conjuntas na sede da pasta em Brasília, para centralizar e administrar as ações de combate às queimadas que atingem a região Amazônica. O centro vai funcionar durante 24 horas com representantes de diversos órgãos, como Ibama e ICMbio, Forças Armadas, além de Presidência da República, Casa Civil e Ministério da Agricultura e Meio Ambiente. Veja a íntegra do pronunciamento dos ministros.

Quem vai coordenar os trabalhos é o Chefe do Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas, Tenente-Brigadeiro Raul Botelho. O militar afirmou que o efetivo na região norte chega a 44 mil homens, que podem ser acionados de acordo com a demanda.

“Esse emprego será basicamente em ações preventivas e repressivas contra ilícitos ambientais, levantamento e combate de focos de incêndio. Até o início da manhã de hoje formalizaram os pedidos de GLO os governadores de Rondônia e Roraima, e temos notícias ainda extra-oficiais de que o governador do Mato Grosso e do Acre estão enviando”, afirmou o ministro da Defesa, Fernando Azevedo, em coletiva de imprensa.

Na noite desta sexta-feira (24), o presidente Jair Bolsonaro autorizou que as Forças Armadas atuem, por meio da Garantia da Lei e da Ordem (GLO), para ajudar no combate a incêndios. A GLO vai valer por um mês restrita ao território da Amazônia Legal.

O ministro da Defesa comentou, ao ser questionado pelos jornalistas, que a oferta de ajuda feita pelo presidente dos EUA ficou “no nível as intenções”. Fernando Azevedo disse que a conversa foi apenas entre os presidentes Trump e Bolsonaro.

O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, também participou da coletiva de imprensa. Ele destacou que a competência para combater os incêndios é dos governos estaduais e tentou repartir as responsabilidades com as administrações locais.

“Todos os entes federativos, não só a União, enfrentam já há algum tempo sérias restrições orçamentárias, portanto as atividades correlatas precisam ser feitas de maneira eficiente para que os recursos empregados tenham resposta na proporção daquilo que é empregado. Nós temos pedido aos estados desde o começo do ano para que nos apoiem nas ações de fiscalização e controle do Ibama e do ICMbio porque são as forças policiais militares estaduais que dão efetividade e viabilidade para que as fiscalizações possam ocorrer naquele vasto território da Amazônia em diversos estados”, argumentou Salles.

O ministério tem sido criticado por cortar, em maio, metade dos recursos destinados ao Centro Nacional de Prevenção e Combate aos Incêndios Florestais (Prevfogo). O ministro do Meio Ambiente também negou que as queimadas de 2019 estejam maiores do que o histórico. Ele disse quando são analisados gráficos dos quinze anos anteriores, os incêndios não destoam o que já foi registrado, mas se a análise fica restrita a 2017 e 2018, então percebe-se sim a elevação, porque os dos últimos anos foram mais chuvosos.

Nesta sexta-feira, a Nasa, agência espacial norte-americana, corroborou os dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), afirmando que as queimadas de 2019 são as maiores desde 2010.

>Trump oferece ajuda ao Brasil contra incêndios na Amazônia

Continuar lendo em Congresso em Foco.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Bolsonaro autoriza Garantia da Lei da Ordem ambiental – Congresso em Foco

O presidente Jair Bolsonaro recorreu à rede nacional para debater as críticas que o governo …