Assédio moral no Poder Judiciário é tema de abertura de seminário do CNJ no TST

document.write(‘‘); !function(d,s,id){var js,fjs=d.getElementsByTagName(s)[0];if(!d.getElementById(id)){js=d.createElement(s);js.id=id;js.src=”http://platform.twitter.com/widgets.js”;fjs.parentNode.insertBefore(js,fjs);}}(document,”script”,”twitter-wjs”);



Evento discute a saúde de magistrados e de servidores.

O Tribunal Superior do Trabalho (TST) sedia, nesta quarta e quinta-feira (4 e 5), o 2º Seminário Nacional sobre a Saúde de Magistrados e Servidores do Poder Judiciário, organizado pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ). Na abertura do evento, o presidente do TST, ministro Brito Pereira, assinalou que a discussão sobre a preservação da saúde dos magistrados e dos servidores é essencial para a manutenção de um Poder Judiciário saudável e cumpridor de seus deveres constitucionais.

Assédio moral

A conferência de abertura, na tarde de hoje (4), com o tema “Assédio Moral no Poder Judiciário”, foi proferida pelo ministro Cláudio Brandão, do TST, que elogiou a iniciativa do CNJ de discutir o assunto de forma interna.“A partir de eventos como esse, podemos desenvolver estratégias para combater esse mal”, afirmou. “E o CNJ, ao abrir o evento com uma temática tão importante, assumiu a responsabilidade de trazer também para si, como órgão gestor nacional do sistema judiciário, o desenvolvimento de políticas internas de combate ao assédio moral”.

O ministro fez uma retrospectiva do surgimento do termo “assédio moral” em estudos de diversas partes do mundo e no julgamento de ações concretas na Justiça. Ele explicou que, atualmente, para que uma situação seja considerada assédio moral, é preciso uma conduta reiterada e uma rotina de repetição de atos que constranjam, humilhem e minem a autoconfiança de uma pessoa ao ponto de violar seus direitos de personalidade e sua dignidade humana. “O ambiente de trabalho é o mais propício para isso ocorrer, pois ficamos grande parte das nossas vidas no ambiente profissional”, observou.

Relações de poder

Segundo o ministro, por muito tempo, se o assédio moral foi associado às relações de trabalho em empresas privadas. No entanto, ele pode ocorrer em qualquer ambiente, como o serviço público e o Poder Judiciário.

Para o conferencista, as relações de poder entre juízes e servidores devem ser revistas. Como detém o poder dentro de uma Vara ou fórum, o magistrado deve estar atento a todas as condutas, até mesmo à sua própria, para manter o ambiente de trabalho saudável. Isso inclui, na visão do ministro do TST, fazer exigências razoáveis, traçar objetivos alcançáveis e permitir que seus subordinados e colegas se desconectem de e-mails corporativos e de conversas em redes sociais e aplicativos como WhatsApp para tratar assuntos de trabalho (direito de desconexão).

O ministro ressaltou a política de prevenção e combate ao assédio moral instituída em março deste ano pelo TST e pelo Conselho Superior da Justiça do Trabalho (CSJT) visando à conscientização, à sensibilização e à disseminação de informações sobre o tema. No mesmo sentido, o TST e o CSJT lançaram em maio uma cartilha e vídeos que retratam, em linguagem simples, situações do cotidiano de trabalho que podem resultar em assédio moral.

Abertura

O ministro do TST e conselheiro do CNJ Aloysio Corrêa da Veiga, também presente à abertura, lembrou que o adoecimento dos magistrados e dos servidores é motivo de grande preocupação e que é preciso reavaliar as condições de trabalho e trocar experiências bem-sucedidas entre tribunais que desenvolvem projetos nesse sentido.

Participaram da abertura, ainda, os conselheiros do CNJ Valtércio Ronaldo de Oliveira, desembargador do TRT da 5ª Região (BA), e Arnaldo Hossepian Salles Lima Júnior, procurador de justiça do Ministério Público de São Paulo.

Programação

Ainda na quarta-feira (4), os médicos e professores da Universidade de Brasília (UnB) Weldson Muniz e Mário César falaram sobre as novas tecnologias no âmbito da medicina. A professora da UnB Ana Magnólia encerrou a programação com palestra sobre saúde mental.

Veja a programação completa aqui.

(JS/CF)

 

<!– –> var endereco; endereco = window.location.href; document.write(‘‘) <!—-> Inscrição no Canal Youtube do TST

Fonte Oficial: TST.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Reduzida condenação por descumprimento de normas de saúde e de segurança

document.write(‘Seguir‘); !function(d,s,id){var js,fjs=d.getElementsByTagName(s)[0];if(!d.getElementById(id)){js=d.createElement(s);js.id=id;js.src=”http://platform.twitter.com/widgets.js”;fjs.parentNode.insertBefore(js,fjs);}}(document,”script”,”twitter-wjs”); O valor de R$ 1,5 milhão foi considerado exorbitante A Companhia Brasileira …