Coleção Escritoras do Brasil tem novo lançamento na Bienal do Livro do Rio — Senado Notícias

O Senado lança nesta sexta-feira (6), durante a 19ª Bienal do Livro do Rio de Janeiro, mais um volume da Coleção Escritoras do Brasil.  Ânsia Eterna,  de Júlia Lopes de Almeida (1862-1934), uma das “mães” da Academia Brasileira de Letras, será relançado depois de 122 anos da publicação original, com a presença do neto da escritora, o arquiteto Cláudio Lopes. O lançamento está marcado para 19h, no Auditório Lapa do Pavilhão Verde da Bienal, no Riocentro.

Quem juntou as peças e fez desta reedição o segundo volume da coleção foi o Senado. A série de publicações é uma homenagem a mulheres marcantes na literatura nacional, mas que não tiveram, à sua época, o reconhecimento merecido. É o caso de Júlia Lopes, romancista, contista, teatróloga, que, por ser mulher,  não conseguiu entrar para a ABL. Em seu lugar, assumiu a cadeira n° 3 seu marido, o jornalista Filinto de Almeida, que ficou conhecido como acadêmico consorte, ele próprio um reconhecedor de que o assento era em homenagem à esposa.

Júlia Lopes de Almeida integrava o grupo de escritores e intelectuais que planejou a criação da ABL. Seu nome constava da primeira lista dos 40 imortais que fundariam a entidade. Na primeira reunião, porém, seu nome foi excluído. Os fundadores optaram por manter a Academia exclusivamente masculina, seguindo o modelo da Academia Francesa. Apenas em 1977 a ABL elegeu a primeira mulher imortal, Rachel de Queiroz.

Com 195 páginas e 30 contos reunidos, Ânsia Eterna conduz o leitor por salões, paços e praças em descrições detalhadas e desfechos surpreendentes.

Braile

A única gráfica pública a imprimir em braile no Brasil é a do Senado. E nesta sexta, também durante a Bienal do Rio, serão doados 18 livros para organizações que atendem a pessoas cegas: a União dos Cegos do Brasil e o Sodalício da Sacra Família, ambas do Rio de Janeiro.

Entre as obras selecionadas para a doação estão cópias do Estatuto do Idoso e da Pessoa com Deficiência, além da Lei Maria da Penha. A presidente da União dos Cegos, Rosa Cordovil, explica que a doação carrega a importância simbólica de incluir o cego em um evento tão importante quanto a Bienal.

— Ele se percebe como pertencente do espaço cultural, consegue sentir a sensação de ir a uma livraria e adquirir um título — afirma.

Com 95 anos de existência, a instituição dirigida por Rosa trabalha para inserir a pessoa cega no mercado de trabalho. Já são 200 cegos empregados como auxiliar em radiologia, conta a presidente.

Também participam do evento o diretor do Instituto Benjamin Constant, João Ricardo Melo Figueiredo; a assessora da Direção-Geral, Maria da Glória de Souza Almeida; o diretor do Departamento de Educação, Luigi Amato Bragança Amorim; e o diretor do Departamento Técnico Especializado, Jefferson Gomes de Moura.

Da Assessoria de Imprensa da Diretoria-Geral do Senado

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

Fonte Oficial: https://www12.senado.leg.br/noticias/materias/2019/09/05/colecao-escritoras-do-brasil-tem-novo-lancamento-na-bienal-do-livro-do-rio.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Para convidados da CDH, nova Previdência significará trabalhar mais e receber menos — Senado Notícias

Com as mudanças previstas na nova Previdência, milhões de brasileiros trabalhadores do campo e da …