Senado celebra Independência do Brasil e dá início à Comissão do Bicentenário — Senado Notícias

Em sessão especial nesta quinta-feira (5), senadores e convidados comemoraram os 197 anos da Independência do Brasil, celebrada em 7 de setembro. A sessão também serviu para a leitura do ato de constituição da Comissão Curadora do Bicentenário da Independência em 2022 e inauguração dos trabalhos. A sessão foi conduzida pelo senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), que presidirá a comissão.

Também farão parte da Comissão Curadora os senadores Jean Paul Prates (PT-RN), Rodrigo Cunha (PSDB-AL) e Rodrigo Pacheco (DEM-MG), assim como a historiadora Heloisa Starling, o jornalista Eduardo Bueno, a diretora-geral do Senado, Ilana Trombka, e a vice-presidente do Conselho Editorial do Senado, Esther Bemerguy de Albuquerque.

Iniciada com a execução do Hino Nacional e encerrada com o Hino da Independência, pela banda do Batalhão de Polícia do Exército de Brasília, a sessão contou com a fala de todos os membros da comissão do Senado e também pronunciamentos de deputados da comissão curadora da Câmara. Todos louvaram a iniciativa de celebrar a história para pensar não apenas no passado, mas no futuro do Brasil.

O deputado Enrico Misasi (PV-SP), que preside a Comissão Curadora do Bicentenário da Independência na Câmara dos Deputados, afirmou que é importante conhecer a história do Brasil, pois o desconhecimento tem consequências sociais, políticas e culturais. Ele ressaltou que a Câmara já fez publicações desde o ano passado com essa finalidade.

— Essa comissão, que existe desde a legislatura passada e tem sido incentivada pelo deputado Rodrigo Maia, já fez algumas publicações de bastante sucesso. A gente publicou em 2017 sobre a imperatriz Leopoldina; em 2018, sobre D. João VI, e em 2019 publicamos um livro escrito pelo professor José Theodoro [José Theodoro Mascarenhas Menck]  sobre os 200 anos do retorno de José Bonifácio, e estamos fazendo comemorações que vão culminar em 2022 com a comemoração do Bicentenário da Independência — contou.

O senador Rodrigo Pacheco afirmou que o grito de D. Pedro I às margens do Ipiranga continua representando o desejo de muitos brasileiros:

— O grito “Independência ou morte”, às margens do Rio Ipiranga, no dia 7 de setembro de 1822, continua representando o sentimento de muitos brasileiros, que almejam e lutam por um país melhor, por um país mais justo. Uma nação em que todos tenham os direitos e garantias constitucionais assegurados.

Segundo o senador Rodrigo Cunha, a renovação do Senado em 2019 mostra que a sociedade quer revisar o papel da cada instituição. Para ele, hoje a classe média está mais presente na Casa revisora.

— Se, num primeiro momento histórico, o Senado fora formado por uma elite, não só política, como também do clero e da magistratura, hoje sentimos muito mais a presença da grande massa da classe média, que Darcy Ribeiro também analisou. Espero que possamos, nesta comissão, recordar os importantes marcos históricos com que o Senado contribuiu para a sociedade brasileira em seus 200 anos de história — afirmou.

História pouco conhecida

Para a historiadora Heloisa Starling, celebrar os 200 anos da Independência é uma oportunidade para pensar a história do país, que é muito bonita e muito pouco conhecida. Ela afirmou que as comemorações podem ajudar a pensar no que o Brasil pode fazer hoje e no futuro.

— Vejam que temos uma história muito bonita. É uma história de liberdade. É uma história que nos ensina sobre a soberania do Brasil e sobre o nosso desejo de liberdade. Essa história não vai se repetir. Mas nós podemos conhecê-la melhor para pensar sobre o que nós estamos fazendo hoje. E pode nos ajudar também a pensar sobre um Brasil que, indubitavelmente, precisa ser melhor do que o Brasil que nós temos hoje — disse.

O jornalista Eduardo Bueno alertou para o fato de que hoje os brasileiros leem pouco ou nada. Ele afirmou que a Comissão Curadora tem o dever de fazer algo maior do que o que foi feito no centenário da Independência, em 1922, e defendeu a publicação de livros.

— Então chegamos agora aos 200 anos com uma obrigação muito grande de fazermos algo ainda superior. E esta comissão, que possamos fazê-la também em torno de livros. Não só de livros, mas livros são fundamentais.

Olhar para o futuro

Resgatar os 200 anos da Independência não é olhar para trás, mas para o futuro, afirmou a diretora-geral do Senado.

— É olhar para a frente, porque quem não sabe de onde veio, não sabe para onde vai, e quem não aprendeu com as experiências cometerá os mesmos erros e enganos — refletiu Ilana, dizendo sentir-se muito honrada em participar da comissão.

A secretária da Comissão Curadora, Esther Bemerguy, afirmou que espera contar com a colaboração da comissão da Câmara para juntas fazerem um trabalho maior na celebração do Bicentenário da Independência.

Também discursou na sessão o deputado Lafayette Andrada, descendente do patriarca da Independência, José Bonifácio de Andrada e Silva. Ele fez um breve relato desse momento histórico do país, lembrando que a independência se deu, principalmente, porque os portugueses, com o retorno da família real a Lisboa, queriam que o Brasil se tornasse novamente colônia.

— Eles quiseram retornar o Brasil à posição de colônia, que era anterior à chegada da família real. Isso aí foi o nó górdio, isso foi o ponto decisivo em que se instalou o processo de independência, porque a ideia inicial dos brasileiros (e falo aqui do José Bonifácio, patriarca da Independência) era manter em pé de igualdade, era manter o reino unido, Brasil e Portugal — contou.

Para Randolfe, a Independência do Brasil vem de um sentimento de liberdade presente em todos os seres humanos. Ele disse que a ideia é que a Comissão Curadora do Bicentenário possa ser viva e contar uma história viva do Brasil.

— A história que temos que contar tem que ser viva, como é o povo brasileiro, trazendo historiadores para cá, contando a história de pessoas e de revoluções que nos forjaram, contando a história mais do que datas, fatos, personagens, heróis, mas contando a história desse povo contente que atropela indiferente todos aqueles que negam a história belíssima desta nação apaixonada de que tanto nos orgulhamos — afirmou.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

Fonte Oficial: https://www12.senado.leg.br/noticias/materias/2019/09/05/senado-celebra-independencia-do-brasil-e-da-inicio-a-comissao-do-bicentenario.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Senado homenageará Rotary International em sessão especial — Senado Notícias

O Senado fará na segunda-feira (9) uma sessão especial para homenagear o Rotary International, uma …