Procon-JP recebe denúncias e notifica aplicativo de compra de comida sobre possíveis práticas abusivas

A Secretaria Municipal de Proteção e Defesa do Consumidor (Procon-JP) está notificando o aplicativo iFood para que explique denúncias de possíveis práticas abusivas. Durante reunião com representantes dos donos de bares e restaurantes, os comerciantes do setor informaram que a prática mais problemática da plataforma delivery é a cobrança, entre outras, de taxas abusivas que recaem diretamente na comunidade consumerista como um todo.

O secretário Helton Renê explica que o Procon-JP foi procurado e recebeu a denúncia dos comerciantes com preocupação, já que o consumidor final, aquele que recebe a comida em casa ou no trabalho utilizando o aplicativo, também paga todas as taxas que incidem sobre o serviço. “Estamos averiguando as denúncias dos empresários, principalmente porque ela afeta toda a sociedade consumerista. Se há prática abusiva, nós vamos descobrir”.

O aplicativo iFood é uma alternativa que permite solicitar refeições diretamente do celular sem ter que fazer a ligação para restaurantes e lanchonetes próximos de onde você estiver. “Basta que o consumidor esteja cadastrado no app. O aplicativo vem se tornando muito popular em todo País”, informou o secretário.

É preciso averiguar – “Não somos contra o avanço e modernização da logística de mercado. Muito pelo contrário, acreditamos que a internet está aí para ajudar e tornar a vida mais confortável. Entretanto, se há uma relação de consumo e se existe denúncias de problemas, seja em que nível for, com a possibilidade de o consumidor estar sendo prejudicado, nós precisamos averiguar”, salienta o titular do Procon-JP.

Taxa abusiva – Os comerciantes também relataram que o aplicativo não disponibiliza telefone de contato para que se dirimam dúvidas ou para o caso do surgimento de algum problema. “Segundo os donos de restaurantes e lanchonetes, o app também cobra taxas abusivas, forçando o encarecimento do serviço e isso deságua junto ao consumidor”, disse Helton Renê.

Paga e perde – Ele acrescenta que a questão já está sendo analisada pelo Procon-JP. “Se a taxa estiver fora da realidade e padrão do mercado pessoense, já se configura prática abusiva e, portanto, haverá, intervenção. É preocupante a chegada de uma plataforma que dita as regras sem considerar a logística da realidade do mercado. Quando isso ocorre, certamente é a sociedade consumerista que paga e perde nessa relação desigual”.

Segurança alimentar – Outra denúncia é quanto à segurança alimentar que é desconsiderada pelo aplicativo. “Segundo os comerciantes, qualquer pessoa de posse de um cadastro de Microempreendedor Individual (MEI) pode vender produtos na plataforma sem o devido cuidado com alvarás, a exemplo do documento da Vigilância Sanitária, entre outros, que possam atestar a segurança alimentar. Nesse caso, estamos falando sobre vidas, porque um alimento sem as condições básicas de higiene pode causar sérios problemas à saúde e até levar à morte”, comentou o secretário do Procon-JP.

Artigo 4º – Helton Renê acrescenta que o aplicativo está sendo notificado para que preste esclarecimentos. “Também invocamos o artigo 4º do Código de Defesa do Consumidor (CDC), que prevê a harmonização da relação de consumo entre fornecedores, intermediação do poder público a fim de assegurar a qualidade dos produtos e serviços e, claro, garantir a defesa do consumidor”.

 

Fonte: http://www.joaopessoa.pb.gov.br/procon-jp-recebe-denuncias-e-notifica-aplicativo-de-compra-de-comida-sobre-possiveis-praticas-abusivas/.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Rua da Cidadania do Cajuru retoma o Encontro dos Artistas – Prefeitura de Curitiba/PR

    Recomeça nesta quinta-feira (25/10), às 19h, no auditório da Rua da Cidadania do …