Curitiba tem primeiro prédio corporativo do mundo com autossuficiência em água – Prefeitura de Curitiba/PR

 

Curitiba tem o primeiro prédio corporativo do mundo com autossuficiência em água. O edifício Eurobusiness, no bairro Campo Comprido, ganhou em agosto deste ano a certificação LEED Zero Water, da instituição internacional U.S. Green Building Council, que tem sede em Washington (Estados Unidos). 

Nesta terça-feira (10/9), o prefeito Rafael Greca foi até o empreendimento empresarial para descerrar a placa LEED Zero Water no hall do prédio e conhecer de perto as tecnologias e soluções sustentáveis adotadas na construção. 

O prédio tem “telhado verde”. Dois jardins de 170 metros quadrados estão em cima de uma grande cisterna que filtra a água das chuvas para aproveitamento de serviços no prédio, como limpeza e uso nos banheiros. 

“O edifício Eurobusiness dá a certeza de que Curitiba é a cidade das ideias”, disse o prefeito Rafael Greca.

O prefeito também conheceu o sistema de tratamento de efluentes (ETE), que trata todo o resíduo sanitário organicamente (sem adição de produtos químicos). Os jardins no telhado têm plantas macrófitas, cujas raízes trabalham no tratamento da água que é reutilizada nos vasos sanitários das salas comerciais.

As soluções ambientais adotadas pelo edifício, que teve a obra iniciada em 2012 e concluída em 2016, renderam a certificação LEED Platinum para o Eurobusiness.

Foi o segundo prédio do Brasil e o primeiro da região Sul a conseguir o selo, que também é dado pela U.S. Green Building Council.

“É o futuro que está aqui completamente explícito para ser aproveitado como lição para os que ainda vão construir. Estamos começando a entrar definitivamente, com um empreendimento como esse, no século 21″, definiu o prefeito ao conhecer a tecnologia que foi usada na construção. 

Harmonia com a natureza

O prédio tem 14 andares e 15.500 metros quadrados de área. São 62 unidades comerciais, de 110 a 350 metros gradados úteis. Além do aproveitamento da água, o edifício tem 38 painéis fotovoltaicos. Toda energia usada no empreendimento é limpa.

A tecnologia adotada na construção gera uma economia de R$ 650 mil por ano ao edifício corporativo.

Marcos Bodanese, investidor e um dos gestores da obra, explica que a sustentabilidade sempre foi buscada durante a construção.

“O desafio era integrar tecnologia e natureza de forma harmônica. Evoluímos, mas respeitamos os recursos naturais”, disse Bodanese.

Acompanharam o prefeito a presidente da Agência Curitiba, Cris Alessi; a secretária municipal da Comunicação, Mônica Santanna; Maria Lenita Zagonel Ciruelos, mãe do engenheiro que fez o prédio, Euclides Ciruelos; Sandra Pinheiro Petinelli, sócia-fundadora do Petinelli, escritório de consultoria em construções sustentáveis; João Vitor Gaio, engenheiro e sócio da Petinelli; Celia Bim, diretora de Projetos do Ippuc (Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba); Gilberto Hyczy, engenheiro e investidor do Eurobusiness; e Rudimar e Ruimar Barbosa dos Reis, diretores do Instituto Negócios Públicos do Brasil.

Fonte Oficial: https://www.curitiba.pr.gov.br/noticias/curitiba-tem-primeiro-predio-corporativo-do-mundo-com-autossuficiencia-em-agua/52529.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Os Palhaços de Tchékhov terá duas apresentações no Teatro do Sesc

O espetáculo Os Palhaços de Tchékhov faz parte da programação do Prêmio Braskem em Cena 2019 …