Alesp aprova proposta de extinção da Dersa – Migalhas

A Assembleia Legislativa de São Paulo aprovou, nesta terça-feira, 10, por 64 votos a 15 e duas abstenções, o PL 727/19, que visa a extinção da empresa Dersa – Desenvolvimento Rodoviário S/A. O projeto é de autoria do governador João Dória.

A empresa é responsável por desenvolver projetos de rodovias e outras infraestruturas ligadas ao transporte. De acordo com o texto aprovado pelos deputados estaduais, o governo de São Paulo será autorizado a realizar a dissolução, extinção e liquidação da empresa. 

Na justificativa do projeto, o governo do Estado argumenta que a Dersa perdeu parte de suas atribuições: “a companhia não mais realiza operações diretas de rodovias, que têm sido concedidas à iniciativa privada de acordo com os métodos de gestão pública mais modernos”. 

De acordo com o texto, as atividades de orçar, contratar e vistoriar obras que hoje estão a cargo da Dersa, serão assumidas pela administração direta, sem prejuízos à continuidade do serviço público.

Com a aprovação do Legislativo, o texto segue para o gabinete do governador para sanção.

Corrupção

Em março deste ano, o ex-diretor da Dersa, Paulo Vieira de Souza, conhecido como Paulo Preto, foi condenado a 145 anos e oito meses de reclusão, em regime inicial fechado.

O ex-diretor da Dersa foi condenado por comandar e participar de esquema que desviou mais de R$ 7 milhões que seriam destinados a moradores afetados pelas obras próximas ao trecho sul do Rodoanel e pela ampliação das avenidas Jacu Pêssego e da Marginal Tietê, em SP. Ele também foi sentenciado ao pagamento de 4.320 dias-multa no valor de cinco salários mínimos à época dos fatos.

Além de Paulo Preto, José Geraldo Casas Vilela, ex-chefe de assentamento da Dersa, foi condenado a 145 anos e oito meses de prisão. A filha de Paulo Preto, Tatiana Arana de Souza Cremonini, também foi sentenciada a 24 anos e três meses de reclusão.

Tanto Paulo Preto quanto sua filha e Vilela também deverão pagar o valor mínimo de R$ 7,7 milhões para reparação de danos causados pela infração.

Uma ex-funcionária da Dersa também foi condenada no processo a 12 anos e 15 dias de reclusão. A pena, no entanto, foi substituída por medidas restritivas de direito.

Fonte Oficial: https://www.migalhas.com.br/Quentes/17,MI310701,21048-Alesp+aprova+proposta+de+extincao+da+Dersa.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Câmara deve votar projeto que garante benefícios a vítimas de Brumadinho – Congresso em Foco

Venceu no último domingo (8) o prazo de validade da medida provisória (MP) que garantia …