OAB e entidades vão a ONU contra retrocessos nas políticas para lidar com desaparecimentos – OAB

A OAB Nacional encaminhou nesta
terça-feira (10) ao Grupo de Trabalho sobre Desaparecimentos Forçados ou
Involuntários da Organização das Nações Unidas (ONU) ofício pedindo o
monitoramento de políticas atuais do governo federal sobre desaparecidos
durante a ditadura militar, que vigorou no país de 1964 a 1985. O documento é
subscrito pelo Instituto Vladimir Herzog, Associação Brasileira de Imprensa
(ABI), Comissão Arns e o pelo Instituto Ethos. O ofício chama a atenção da
entidade para os “visíveis retrocessos nas políticas públicas do Estado
brasileiro para o enfrentamento das questões envolvendo os desaparecimentos”.

O documento assinado pela OAB (confira aqui a íntegra) aponta que o parlamento brasileiro ratificou em 2010 a participação do país na
Convenção Internacional para a Proteção de Todas as Pessoas contra o
Desaparecimento Forçado adotada pela ONU em 2006. A adesão foi promulgada pelo
decreto presidencial de nº 8.767, de 11 de maio de 2016. Junto ao ofício, foi
anexado o relatório final da presidência da Comissão Especial Sobre Mortos e
Desaparecidos Políticos exercida entre os anos de 2014 e 2019.

“Enfrentar os desaparecimentos
forçados, ocorridos em momentos pretéritos ou presentes, constitui obrigação de
qualquer país que se queira democrático. No Brasil, durante o regime
ditatorial, o desaparecimento forçado praticado por agentes do Estado
inseria-se em uma política de terror e morte, que deixou marcas profundas nos
familiares das vítimas de tais práticas e na sociedade. A não punição dos
autores desses crimes fez com que a prática não fosse interrompida após a
transição para a democracia, sendo frequentes os casos de sequestro, tortura,
assassinato e ocultação de cadáveres perpetrados por agentes do Estado ainda
hoje”, diz o ofício.

O documento chama a atenção para
a exoneração sumaria da procuradora regional da República Eugênia Gonzaga, de
seu cargo de presidente da Comissão Especial sobre Mortos e Desaparecidos Políticos
(CEMDP) e a substituição de outros três conselheiros do colegiado por militares
e integrantes do partido político do presidente, “evidenciando clara ingerência
do governo em um órgão de Estado cuja constituição deve incluir representantes
de distintos setores do poder democrático e da sociedade civil”. “A indicação
de militares com histórico de declarações favoráveis à ditadura militar
explicita a grave inadequação da escolha”, aponta o ofício.

A Ordem e as entidades que
subscrevem a petição chamam a atenção ainda para o estado de instabilidade
jurídica em que foram colocados o Grupo de Trabalho Perus e Grupo de Trabalho
Araguaia, entre outros conselhos e órgãos colegiados.

Fonte Oficial: http://www.oab.org.br/noticia/57541/oab-e-entidades-vao-a-onu-contra-retrocessos-nas-politicas-para-lidar-com-desaparecimentos.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

OAB participa da posse de novos conselheiros do CNJ – OAB

O presidente do Fundo de Integração e Desenvolvimento Assistencial dos Advogados (FIDA), Felipe Sarmento, representou …