Plenário presta homenagem a Raquel Dodge em sua última sessão como chefe do MPU – STF

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Dias Toffoli, cumprimentou, em nome da Corte, a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, que participa nesta quinta-feira (12) da última sessão plenária antes do fim de seu mandato, que se encerra no dia 17. O presidente ressaltou o papel chave do Ministério Público no fortalecimento do Estado Democrático de Direito e afirmou que, nesses dois anos, Dodge exerceu o cargo com “maestria e firmeza, honrando uma instituição de grandeza e relevância singulares na República Federativa do Brasil”.

Valores democráticos

Dias Toffoli destacou que o Ministério Público é tutor da ordem jurídica e constitucional e grande defensor das liberdades e dos direitos das pessoas, especialmente os direitos sociais e individuais indisponíveis, e que Dodge, primeira mulher a exercer o cargo, chefiou a instituição defendendo com firmeza esses valores. “Sem um Ministério Público forte e independente na defesa dos direitos e das liberdades das pessoas e no combate à corrupção, os valores democráticos e republicanos propugnados na Constituição de 1988 estariam permanentemente ameaçados”, afirmou o presidente.

Independência

Para o ministro Celso de Mello, a chefe do Ministério Público exerceu a função com dignidade, talento e competência e, com sua atuação, Dodge mostrou a importância da prática responsável e independente das funções da instituição para a vida do país e para a preservação da integridade do regime democrático. O ministro salientou que um Ministério Público independente e consciente de seu papel, em uma sociedade aberta e democrática, constitui a certeza e a garantia da intangibilidade dos direitos dos cidadãos, da ampliação do espaço das liberdades fundamentais e do prevalecimento do interesse social.

O decano do STF observou que, durante os dois anos em que exerceu o cargo, a procuradora-geral permaneceu fiel aos altos objetivos do Ministério Público, e ressaltou que a instituição “não serve a governos, não serve a pessoas, não serve a grupos ideológicos, não se subordina a partidos políticos, não se curva à onipotência do poder ou aos desejos daqueles que o exercem, não importando a elevadíssima posição que tais autoridades possam ostentar na hierarquia da República”.

Minorias

Raquel Dodge afirmou que exerceu o mandato com dedicação, tendo como objetivos fortalecer a democracia no país, defender os direitos de minorias, como indígenas e quilombolas, e combater a corrupção. A procuradora-geral da República disse que, nesse período, recebeu do STF o tratamento “mais altivo que poderia desejar”.

Confira a íntegra do discurso do ministro Dias Toffoli.

Confira a íntegra do discurso do ministro Celso de Mello.

PR/EH

 

Fonte Oficial: http://www.stf.jus.br/portal/cms/verNoticiaDetalhe.asp?idConteudo=423416.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Mantida execução da pena imposta ao ex-deputado federal Nelson Meurer – STF

O ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), negou pedido em que a defesa …