Maioria dos brasileiros apoia distribuição pelo SUS de remédios feitos de cannabis — Senado Notícias

A maioria dos brasileiros (79%) acham que medicamentos feitos a partir da planta da maconha devem ser distribuídos gratuitamente pelo Sistema Único de Saúde (SUS). É o que aponta pesquisa divulgada esta semana pelo DataSenado. Ainda de acordo com o levantamento, 75% das pessoas entrevistadas são a favor de que que indústrias farmacêuticas sejam autorizadas a produzir remédios à base da erva.

A pesquisa foi feita pelo DataSenado entre 14 e 27 de junho para ouvir os brasileiros sobre a legalização do uso medicinal da cannabis, gênero de plantas que inclui a maconha. Foram entrevistadas 2.400 pessoas de todas as unidades da Federação, por telefone. A margem de erro é de dois pontos percentuais com nível de confiança de 95%.

Apesar do alto índice de brasileiros a favor da produção e da distribuição de remédios à base de cannabis, a maioria (64%) é contra o cultivo da planta na casa dos pacientes em tratamento médico com substâncias derivadas da maconha. O número é mais que o dobro dos que concordam com o plantio (31%). Para 90% dos entrevistados, esse cultivo deve ser fiscalizado pelas autoridades.

A pesquisa também mostrou que a grande maioria dos entrevistados (87%) declara saber que substâncias retiradas da planta da maconha podem ser usadas para tratar doenças. Entre essas pessoas, 41% conseguem mencionar doenças que poderiam ser tratadas pela cannabis, como epilepsia e câncer, as duas mais lembradas. Apenas 9% declararam conhecer alguém que tenha feito uso medicinal dessas substâncias.

Ao divulgar a pesquisa do DataSenado pelo Twitter, a senadora Mara Gabrilli (PSDB-SP) afirmou que o governo precisa ouvir a sociedade, já que três em cada quatro brasileiros apoiam a cannabis medicinal. “Falamos de saúde pública. Até quando vamos negligenciar as tantas vidas que dependem de um remédio?”, questionou.

Recorte

O conhecimento sobre a possibilidade de uso da cannabis em tratamentos de saúde é menor entre os mais velhos, acima de 60 anos (83%), entre os evangélicos (81%), entre as pessoas com renda de até dois salários mínimos (83%) e entre pessoas com escolaridade mais baixa, até o ensino fundamental (81%).

No recorte religioso, os evangélicos têm o menor índice de aprovação à autorização para que indústrias farmacêuticas possam produzir medicamentos à base da planta da maconha. A aprovação nesse grupo é de 67%, contra 75% entre católicos, 80% entre fiéis de outras religiões e 91% entre pessoas sem religião. A aprovação também é mais baixa quanto menor é a escolaridade dos entrevistados.

Projeto

A Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa (CDH) aprovou nesta quinta-feira (26) uma sugestão legislativa (SUG 6/2016) que estabelece regras para fiscalização e tributação da maconha medicinal. Com a decisão, a matéria sugerida pela Rede Brasileira de Redução de Danos e Direitos Humanos (Reduc) passa a tramitar como projeto de lei. A Mesa do Senado vai definir o número do projeto e por quais comissões será analisado.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

Fonte Oficial: https://www12.senado.leg.br/noticias/materias/2019/09/26/maioria-dos-brasileiros-apoia-distribuicao-pelo-sus-de-remedios-feitos-de-cannabis.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Relator da reforma do regimento defende votações remotas para o pós-pandemia — Senado Notícias

O Senado pode manter as votações remotas após o fim de pandemia. É o que …