A ausência de defensor, devidamente intimado, à sessão de julgamento não implica, por si só, nulidade processual – Dizer o Direito

Imagine a seguinte situação hipotética:
João é uma autoridade que possui
foro por prerrogativa de função no Tribunal de Justiça.
João foi denunciado e estava
respondendo ação penal no TJ.
Como ele é advogado, estava
fazendo a sua própria defesa.
Ao final da instrução, o acusado,
mesmo intimado por Diário Oficial e depois pessoalmente, deixou de apresentar
alegações finais.
Diante disso, o Desembargador
encaminhou os autos à Defensoria Pública e um dos membros da Instituição
apresentou alegações finais num documento de 34 páginas.
O julgamento das ações penais
originárias nos Tribunais é feito de forma colegiada, ou seja, é marcada uma
sessão de julgamento no qual o colegiado (Câmara, Turma, Pleno etc.) irá ouvir
o voto do Relator e os demais julgadores irão dizer se concordam ou não.
Essa sessão de julgamento foi
marcada para o dia 20/09.
O Defensor Público foi
pessoalmente intimado, mas não compareceu no dia da sessão de julgamento.
O réu foi condenado pelo TJ.
Após isso, ele
constituiu advogado que impetrou habeas corpus afirmando que o julgamento foi
nulo porque não houve a presença da defesa técnica que poderia ter feito a
sustentação oral prevista no art. 12, I, da Lei nº 8.038/90:
Art. 12. Finda a instrução, o Tribunal
procederá ao julgamento, na forma determinada pelo regimento interno,
observando-se o seguinte:
I – a acusação e a defesa terão,
sucessivamente, nessa ordem, prazo de uma hora para sustentação oral,
assegurado ao assistente um quarto do tempo da acusação;
II – encerrados os debates, o Tribunal
passará a proferir o julgamento, podendo o Presidente limitar a presença no
recinto às partes e seus advogados, ou somente a estes, se o interesse público
exigir.
A tese da defesa foi acolhida
pelo STF? Houve nulidade?
A sustentação oral, possível no
julgamento colegiado de ação penal originária, não é ato essencial à defesa,
mas mera faculdade da parte.
Conforme já
explicado, o defensor foi intimado para a sessão de julgamento, não sendo
possível à parte alegar nulidade que, se existente, teria sido por ela mesmo
provocada (art. 565 do CPP):
Art. 565. Nenhuma das partes poderá arguir
nulidade a que haja dado causa, ou para que tenha concorrido, ou referente a
formalidade cuja observância só à parte contrária interesse.
O STF e o STJ possuem diversos julgados
nesse mesmo sentido:
Intimada a defesa para a sessão de julgamento da ação penal
originária, a ausência da sustentação oral prevista no art. 12 da Lei nº
8.038/90 não invalida a condenação.
STF. 1ª Turma. RHC 119194, Rel. Min. Roberto Barroso, julgado em
02/09/2014.
Para afastar a alegação de nulidade pela falta da sustentação
oral prevista no art. 12, I, da Lei nº 8.038/90, basta que tenha havido a
regular intimação do advogado do réu para a sessão de julgamento, pois é
faculdade da parte o comparecimento e a produção da sustentação oral a que
alude o referido dispositivo.
STJ. 6ª Turma. HC 281.263/SP, Rel. Min. Sebastião Reis Júnior,
julgado em 23/08/2016.
A
ausência de defensor, devidamente intimado, à sessão de julgamento não implica,
por si só, nulidade processual.
STF. 1ª Turma. HC 165534/RJ, rel.
orig. Min. Marco Aurélio, red. p/ o ac. Min. Roberto Barroso, julgado em
3/9/2019 (Info 950).
Vale ressaltar, por fim, que a
intimação é indispensável. O que não causa nulidade é a ausência do defensor se
ele foi devidamente intimado.

Fonte Oficial: https://www.dizerodireito.com.br/2019/09/a-ausencia-de-defensor-devidamente.html.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Maria do Rosário fala em impeachment de Jair Bolsonaro, PT nega – Congresso em Foco

A deputada Maria do Rosário (PT-RS) levantou na última quarta-feira (25), durante reunião da Comissão …