Doria, Paes e Bebianno conversam sobre eleição no Rio de Janeiro – Congresso em Foco

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), o ex-prefeito do Rio de Janeiro Eduardo Paes (DEM) e o ex-ministro Gustavo Bebianno debateram sobre a Prefeitura do Rio de Janeiro.

Os três estiveram no sábado (28) no lançamento da pré-candidatura à Prefeitura da ex-secretária de Cultura da cidade do Rio de Janeiro Mariana Ribas (PSDB).

“Conversamos todos sim. O importante é que o Rio tenha uma boa gestão. Esse é o caminho para a nossa cidade. União de bons gestores”, disse ao Congresso em Foco. Além de Ribas, podem ser candidatos à capital fluminense Paes e Bebianno.

>Bebianno critica Bolsonaro por declarações agressivas

O ex-ministro da Secretaria de Geral do presidente Jair Bolsonaro se desfiliou do PSL em junho deste ano e ainda não decidiu uma nova sigla. No momento ele conversa com o PSDB, DEM e partidos menores.

Bebianno é próximo de Paulo Marinho, presidente do PSDB-RJ. Ambos são dois insatisfeitos com o PSL de Jair Bolsonaro, Marinho é suplente do senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), mas rompeu com o partido e o governo para se aliar a João Doria.

Bebianno disse em entrevista ao Congresso em Foco em agosto que a centro-direita deve se unir em torno de um candidato no Rio de Janeiro, mas não cita qual deve ser o candidato.

“Tem de haver uma união dos pré-candidatos em torno de quem se mostrar mais forte dos candidatos de perfil de centro-direita. No meu caso pessoal, eu apoiei o Jair Bolsonaro por conta de muitas ideias dele que o concordo e acho que o Brasil tem que dar um corte no baralho, tinha que ter uma alternância de poder e visão”.

E completou:

“Hoje tenho algumas criticas em relação ao governo, mas em linhas gerais continuo acreditando que o Rio de Janeiro tem que ir em uma posição de centro-direita. Tenho conversado com o comando do DEM, do PSDB e de alguns partidos pequenos, pode ser que eu vá para algum partido pequeno. Tem muito tempo ainda para definir”.

Para ser candidato é preciso estar filiado a alguma legenda a pelo menos seis meses da eleição, ou seja, na eleição municipal de 2020, é preciso estar em um partido em até abril do ano que vem.

O ex-partido de Bebianno, PSL, deve lançar como candidato ao Rio de Janeiro o deputado estadual Rodrigo Amorim. Ele foi candidato a vice-prefeito na chapa de Flávio Bolsonaro em 2012 e em 2018 foi uma das pessoas que rasgou uma placa alusiva à Marielle Franco ao lado do governador e então candidato Wilson Witzel (PSC).

> Bolsonaro se confunde e chama presidente do BNDES de Gustavo Bebianno

Continuar lendo em Congresso em Foco.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Viúva de Marielle diz que especulações só desgastam investigação – Congresso em Foco

Viúva de Marielle Franco, a arquiteta Mônica Benício evitou comentar a notícia de que um …