Governo admite que privilegia altas patentes na Previdência dos militares – Congresso em Foco

A Comissão Especial criada para debater a reforma da Previdência dos militares teve sessão tumultuada nesta quarta-feira (2). Após tentativas de obstrução por parte da oposição e leitura projeto de lei (PL) 1645/19, foram apresentados pedidos de vista. Dentre os pontos mais polêmicos  do PL está a progressão salarial dos militares, que varia de 3,82% até 59,49%. A oposição afirma que essa progressão privilegia as altas patentes em detrimento das baixas. O governo assume que existe o privilégio e justifica com base na meritocracia.

> Reforma da Previdência aumenta tensão entre Guedes e senadores

“Houve uma preocupação do governo federal de fazer algo que fosse voltado para o privilégio do mérito, da meritocracia, da permanência dos militares nas forças e para privilegiar aqueles militares que  têm um desempenho melhor na carreira”, justificou o líder do governo na Câmara, Major Vitor Hugo (PSL-GO). “Então aqueles militares que fazem cursos ao longo da carreira, tanto de formação, aperfeiçoamento, altos estudos  1 e 2, vão ter proporcionalmente um aumento maior”, explicou.

Vitor Hugo disse ainda que um dos objetivos é influenciar os militares a permanecerem mais tempo e se dedicarem mais a carreira.

O deputado Glauber Braga (Psol-RJ) é contrário ao PL apresentado. “Um tenente brigadeiro está tendo uma variação de 59,49% dos seus rendimentos. Um segundo tenente está tendo uma variação de 3,89%”, diz Braga.

Para ele a proposta relega direitos para os militares de baixa patente e privilegia os oficiais. “Essa proposta é estruturalmente injusta. Garantiu direito e poder para quem está no topo da pirâmide e relegou por completo a possibilidade de garantir direitos para quem está  na base”, afirmou.

Quando questionado sobre este ponto, o relator da proposta, deputado Vinicius Carvalho (REPUBLICANOS-SP), afirmou que o projeto pretende reestruturar as carreiras. “O trabalho da reestruturação ele se entende de duas maneiras diferentes. É a questão de valorizar o mérito, a meritocracia e também de você usar uma forma para que seja um atrativo para aqueles que não estão nas forças armadas queiram estar, e os que estão não queiram sair”, respondeu.

“O texto já veio com a aquiescência do ministério da Economia no que diz respeito do impacto orçamentário”, revelou o relator.

Segundo ele, quando se trata dos militares das forças armadas a economia será de R$ 10,4 bilhões em 10 anos e R$ 33 bilhões em 20 anos. Com relação a inclusão dos policiais e bombeiros militares estaduais, a economia será de R$ 29 bilhões em 10 anos e R$ 91 bilhões em 20 anos.

Bombeiros e policiais militares

Outro ponto que tem levantado polêmica  no texto é a inclusão dos policiais militares e bombeiros nas mesmas regras que regerão as mudanças nas forças armadas.

O relator explica que o texto foi feito para as forças armadas, mas como o artigo 144 da Constituição Federal “fala que os policiais militares são auxiliares das forças armadas”, foi optado por incluir todos  na mesma proposta.

O Subtenente Gonzaga (PDT-MG), é contrário a se aplicar as mesmas regras para os dois casos. “As forças armadas recruta o seu soldado com 18 anos. Ele recruta o sargento e o oficial com até 22 anos. Então quando ele projeta 35 anos, ele está falando de alguém com seus quarenta e poucos anos, até cinquenta anos. Como é que a polícia militar recruta? Até aos 30 anos e hoje com a exigência do terceiro grau” explica o deputado.

“Então quando você projeta 35 anos para frente, você vai levar esse camarada a 60 anos”, disse.  Ele justifica que um policial com 60 anos, já não tem mais força física para trabalhar nas ruas.

> Lançamos nosso primeiro crowdfunding. Contribua para o jornalismo independente!

Continuar lendo em Congresso em Foco.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Atendimento ao público suspenso em varas de execução penal da comarca de Goiânia – AASP

O presidente do Tribunal de Justiça do Estado de Goiás (TJGO), desembargador Walter Carlos Lemes, …

Governo admite que privilegia altas patentes na Previdência dos militares – Congresso em Foco

A Comissão Especial criada para debater a reforma da Previdência dos militares teve sessão tumultuada nesta quarta-feira (2). Após tentativas de obstrução por parte da oposição e leitura projeto de lei (PL) 1645/19, foram apresentados pedidos de vista. Dentre os pontos mais polêmicos  do PL está a progressão salarial dos militares, que varia de 3,82% até 59,49%. A oposição afirma que essa progressão privilegia as altas patentes em detrimento das baixas. O governo assume que existe o privilégio e justifica com base na meritocracia.

> Reforma da Previdência aumenta tensão entre Guedes e senadores

“Houve uma preocupação do governo federal de fazer algo que fosse voltado para o privilégio do mérito, da meritocracia, da permanência dos militares nas forças e para privilegiar aqueles militares que  têm um desempenho melhor na carreira”, justificou o líder do governo na Câmara, Major Vitor Hugo (PSL-GO). “Então aqueles militares que fazem cursos ao longo da carreira, tanto de formação, aperfeiçoamento, altos estudos  1 e 2, vão ter proporcionalmente um aumento maior”, explicou.

Vitor Hugo disse ainda que um dos objetivos é influenciar os militares a permanecerem mais tempo e se dedicarem mais a carreira.

O deputado Glauber Braga (Psol-RJ) é contrário ao PL apresentado. “Um tenente brigadeiro está tendo uma variação de 59,49% dos seus rendimentos. Um segundo tenente está tendo uma variação de 3,89%”, diz Braga.

Para ele a proposta relega direitos para os militares de baixa patente e privilegia os oficiais. “Essa proposta é estruturalmente injusta. Garantiu direito e poder para quem está no topo da pirâmide e relegou por completo a possibilidade de garantir direitos para quem está  na base”, afirmou.

Quando questionado sobre este ponto, o relator da proposta, deputado Vinicius Carvalho (REPUBLICANOS-SP), afirmou que o projeto pretende reestruturar as carreiras. “O trabalho da reestruturação ele se entende de duas maneiras diferentes. É a questão de valorizar o mérito, a meritocracia e também de você usar uma forma para que seja um atrativo para aqueles que não estão nas forças armadas queiram estar, e os que estão não queiram sair”, respondeu.

“O texto já veio com a aquiescência do ministério da Economia no que diz respeito do impacto orçamentário”, revelou o relator.

Segundo ele, quando se trata dos militares das forças armadas a economia será de R$ 10,4 bilhões em 10 anos e R$ 33 bilhões em 20 anos. Com relação a inclusão dos policiais e bombeiros militares estaduais, a economia será de R$ 29 bilhões em 10 anos e R$ 91 bilhões em 20 anos.

Bombeiros e policiais militares

Outro ponto que tem levantado polêmica  no texto é a inclusão dos policiais militares e bombeiros nas mesmas regras que regerão as mudanças nas forças armadas.

O relator explica que o texto foi feito para as forças armadas, mas como o artigo 144 da Constituição Federal “fala que os policiais militares são auxiliares das forças armadas”, foi optado por incluir todos  na mesma proposta.

O Subtenente Gonzaga (PDT-MG), é contrário a se aplicar as mesmas regras para os dois casos. “As forças armadas recruta o seu soldado com 18 anos. Ele recruta o sargento e o oficial com até 22 anos. Então quando ele projeta 35 anos, ele está falando de alguém com seus quarenta e poucos anos, até cinquenta anos. Como é que a polícia militar recruta? Até aos 30 anos e hoje com a exigência do terceiro grau” explica o deputado.

“Então quando você projeta 35 anos para frente, você vai levar esse camarada a 60 anos”, disse.  Ele justifica que um policial com 60 anos, já não tem mais força física para trabalhar nas ruas.

> Lançamos nosso primeiro crowdfunding. Contribua para o jornalismo independente!

Continuar lendo em Congresso em Foco.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Atendimento ao público suspenso em varas de execução penal da comarca de Goiânia – AASP

O presidente do Tribunal de Justiça do Estado de Goiás (TJGO), desembargador Walter Carlos Lemes, …