Prefeitura e governo avaliam preservação de área de cervejaria desativada – Prefeitura de Curitiba/PR

 

O prefeito Rafael Greca apresentou ao governador Carlos Massa Ratinho Junior, em reunião na tarde desta quarta-feira (2/10), no Palácio Iguaçu, a proposta do município para a preservação de parte da paisagem fabril do imóvel de uma antiga cervejaria, na Avenida Getúlio Vargas, 262, onde o governo deverá implantar a Cidade da Polícia.

Pelo estudo apresentado pela Prefeitura, a área edificada a ser preservada tem 4.122 metros quadrados, que correspondem a 12% da área construída existente, entre as quais o edifício da diretoria, os silos de mantimentos, as áreas das antigas unidades de fabricação e laboratórios e os espaços da caldeira, geradores e a chaminé.

A proposta do município tem base na legislação do patrimônio na qual se enquadra a Unidade de Interesse de Preservação (UIP).

“Dá para manter o patrimônio e fazer uma praça evocando o primeiro plano urbanístico de Curitiba e ao mesmo tempo fazer a Cidade da Polícia”, disse o prefeito Rafael Greca.

A ideia é que no conjunto da estrutura preservada sirva de espaço de convivência e manutenção da história com uma praça em homenagem ao arquiteto e urbanista Alfred Agache, o criador do Plano de Urbanização de Curitiba no qual foi estabelecido o primeiro Distrito Industrial da cidade, entre outras linhas mestras de desenvolvimento.

“O mais importante é saber o que a gente pode fazer na área e o que nos atende dentro das necessidades da Cidade da Polícia”, destacou o governador Ratinho Junior.

Na reunião ficou definido que será dado sequência ao processo por meio dos órgãos técnicos do município e Estado, seguindo os trâmites legais, para que seja possível o governo avançar na elaboração dos projetos.

Cidade da Polícia

A área destinada às futuras edificações da Cidade da Polícia é de 41.550 m², correspondente a 88% do total. Nesse espaço, conforme o estudo de massa apresentado pela Prefeitura, estarão contemplados um edifício administrativo, com três pavimentos e 31.050 metros quadrados, mais o edifício central, com sete pavimentos e heliponto, em uma área de 10.500 metros quadrados.

O complexo industrial cervejeiro (Cervejaria Gloria e Atlântica), localizado na Avenida Getúlio Vargas, 262, é Unidade de Interesse de Preservação (UIP) de paisagem fabril cadastrada em 6 de maio de 2016, sob o amparo da Lei Nº 14.794, de 22 de março de 2016, que dispõe sobre a proteção do patrimônio cultural do município de Curitiba.

A estrutura fabril foi construída e inaugurada em 1912 como Cervejaria Atlântica, por Carlos Henn e Henrique Jens, que constituíram a empresa Henn & Jens.

Em dezembro de 1941, a Companhia Cervejaria Brahma assumiu o controle da Atlântica e adquiriu as instalações em Curitiba, criando sua filial paranaense, onde ficou até a transferência da fábrica, em 2016, já sob o controle da Ambev, para o município de Ponta Grossa (Campos Gerais).

Também participaram da reunião, o vice-prefeito Eduardo Pimentel, o secretário-chefe da Casa Civil, Guto Silva, o secretário de Estado da Segurança Pública, coronel Rômulo Marinho Soares, o presidente do Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba (Ippuc), Luiz Fernando Jamur, e a secretária da Comunicação Social da Prefeitura, Mônica Santanna e o vereador Pier Petruzziello.

 

Fonte Oficial: https://www.curitiba.pr.gov.br/noticias/prefeitura-e-governo-avaliam-preservacao-de-area-de-cervejaria-desativada/52968.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Curitibinhas discutem educação no trânsito e uso da bicicleta – Prefeitura de Curitiba/PR

Estudantes do 5° ano da Escola Municipal Sady Souza, no Sítio Cercado, vão percorrer as …