Rejeitado pedido contra tramitação na Câmara de acordo com EUA sobre base de Alcântara (MA) – STF

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), negou seguimento (julgou inviável) ao Mandado de Segurança (MS) 36662, em que cinco deputados federais do Partido Socialismo e Liberdade (PSOL) questionavam a tramitação na Câmara dos Deputados do texto de acordo entre Brasil e Estados Unidos sobre salvaguardas tecnológicas relacionadas a lançamentos de foguetes e satélites no Centro de Lançamento de Alcântara (MA).

O acordo foi assinado por autoridades brasileiras e norte-americanas em março deste ano, em Washington (EUA), e precisa ser ratificado pelo Congresso Nacional para ter validade. O presidente da República encaminhou o texto à Câmara dos Deputados por meio da Mensagem 208/2019 e, após aprovação pela Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional, o Plenário da Casa aprovou regime de urgência para o projeto.

No mandado de segurança, os deputados federais apontavam ilegalidade do ato do presidente da Câmara, Rodrigo Maia, que, ao permitir o trâmite do texto, teria desrespeitado princípios e disposições regimentais. Entre outros pontos, alegavam que o acordo não poderia ser apreciado pelo Legislativo sem prévia consulta às comunidades quilombolas impactadas pela medida e que seu conteúdo já fora rejeitado pela Câmara ao apreciar mensagem presidencial de 2001.

Normas regimentais

Segundo o ministro Alexandre de Moraes, os autores do MS pretendiam impedir o trâmite da mensagem presidencial, mas não comprovaram a ocorrência de desrespeito ao devido processo legislativo constitucional. Ele explicou que a discussão no caso está restrita à interpretação de dispositivos do Regimento Interno da Câmara e, em tais hipóteses, é vedado ao Poder Judiciário interferir em questões de natureza interna das Casas Legislativas.

O relator lembrou que a jurisprudência pacífica da Corte é de que o princípio da independência e da harmonia entre os Poderes Legislativo, Executivo e Judiciário (artigo 2º da Constituição Federal) afasta a possibilidade de ingerência do Judiciário nas questões de conflitos e interpretação, aplicação e alcance de normas regimentais.

EC/AD//CF

Fonte Oficial: http://www.stf.jus.br/portal/cms/verNoticiaDetalhe.asp?idConteudo=425291.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Audiência de conciliação convocada pelo ministro Luiz Fux debate horário de tribunais – STF

O ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal (STF), anunciou nesta quarta-feira (2), depois de …