Situação dos comerciantes da Feirinha da Madrugada será debatida na Comissão de Finanças

DANIEL MONTEIRO
DA REDAÇÃO

Em reunião nesta quarta-feira (2/10), a Comissão de Finanças e Orçamento aprovou requerimento, de autoria da vereadora Soninha Francine (CIDADANIA), para discutir a situação dos comerciantes que atuavam na Feirinha da Madrugada do Brás, no centro de São Paulo. Após licitação para concessão do local e retirada dos antigos comerciantes, a prefeitura iniciou, em julho deste ano, a construção do Centro Popular de Compras, em substituição à feira.

Além dos comerciantes da Feirinha da Madrugada, foram convidados representantes das secretarias municipais do Trabalho e Empreendedorismo e das Subprefeituras. E também do Consórcio Circuito de Compras São Paulo S/A, ganhador do edital de concessão do espaço e gestor do Centro Popular de Compras.

Segundo os comerciantes que atuavam na Feirinha da Madrugada, seus bens foram bloqueados judicialmente a pedido do Consórcio Circuito de Compras São Paulo, que cobra de cada um deles uma dívida de mais de R$ 28 mil reais. O débito seria fruto de acordo firmado com a prefeitura, pelo qual os comerciantes pagariam pela construção de um novo espaço para a feira.

Após firmar o acordo, eles argumentam que a prefeitura licitou o espaço sem as devidas contrapartidas. Assim, eles deixaram de pagar o valor acordado, que agora é cobrado pelo consórcio. “Fomos expulsos da feira, e agora eles cobram por um espaço que era nosso! Além disso, esse bloqueio dos nossos bens impossibilita que possamos trabalhar, porque não temos mais como comprar mercadorias”, disse o empresário Alex Omar Cabral, representante dos comerciantes.

Eles pedem que a cobrança da dívida seja suspensa. Ou que haja uma renegociação do débito, com o desbloqueio das contas. Também pleiteiam a garantia de se estabelecer no Centro Popular de Compras. “Viemos pedir aos vereadores que nos ajudem a resolver essa situação e que garantam o nosso direito na construção do Centro Popular, porque, hoje, nós não temos nenhum direito lá”, afirmou Cabral.

Segundo a vereadora Soninha Francine, o objetivo do requerimento é mediar o conflito. “O que temos aqui são comerciantes desesperados. Eles têm uma dívida com o consórcio, não conseguem trabalhar para honrar essa dívida, por conta do bloqueio, nem reconhecem essa dívida totalmente”, disse Soninha. “Ainda assim, eles estão dispostos a quitar esse débito, desde que seus bens sejam desbloqueados e tenham garantias de trabalho e parcelamento”, disse a vereadora.

Também participaram da reunião o presidente da Comissão de Finanças e Orçamento, vereador Alessandro Guedes (PT), e os vereadores Atílio Francisco (REPUBLICANOS), Camilo Cristófaro (PSB), Fernando Holiday (DEM), Isac Félix (PL), Paulo Frange (PTB) e Rodrigo Goulart (PSD).

Audiência Pública

Também nesta quarta-feira foi realizada a 18ª Audiência Pública deste ano da Comissão de Finanças e Orçamento. Na pauta, foram debatidos 10 PLs (Projetos de Lei) de autoria dos vereadores.

Um dos projetos debatidos foi o PL 99/2019, do vereador Xexéu Tripoli (PV), que sugere a proibição do fornecimento de produtos de plástico de uso único, como copos, pratos e talheres, em hotéis, restaurantes, bares, padarias e outros estabelecimentos comerciais, culturais ou esportivos. A proibição passaria a vigorar no momento da promulgação da lei.

Alguns pontos do projeto, contudo, foram criticados pelos presentes à audiência, a começar pela indústria fabricante. Para a coordenadora de projetos da ABIPLAST (Associação Brasileira da Indústria do Plástico), Paula Paris, a proibição do consumo de itens plásticos de uso único traria impactos negativos à economia. “A indústria de fabricação e transformação de plástico gera, somente na cidade de São Paulo, 23 mil empregos diretos. No Brasil, esse número chega a 322 mil empregos. A proibição impactaria diretamente toda essa indústria”, destacou Paula.

Para a coordenadora da ABIPLAST, a solução para a diminuição do uso de plásticos é multifatorial. “Antes de proibir, é necessário discutir a regulação do consumo e do descarte, bem como conscientizar a sociedade sobre o uso correto”, completou Paula.

Segundo a assessora técnica da PLASTIVIDA (Instituto Sócio Ambiental Plásticos), Sílvia Rolim, a aprovação também afetaria os pequenos empresários e produtores. “Outro ponto importante é que essa proibição impacta também as lanchonetes, food trucks, pequenos comerciantes de alimentos e outros microempreendedores, que, diferente das grandes cadeias de comércio, teriam mais dificuldade em se adaptar às novas regras”, completou Sílvia.

Na audiência, os vereadores Alessandro Guedes e Soninha Francine sugeriram discutir a forma de implementação do PL. “Vamos propor, a princípio, que seja estabelecido um prazo para que a proibição entre em vigor, de forma que as indústrias e comércios que seguem a legislação não sejam, de uma hora para outra, prejudicadas e possam se adequar. Também pretendemos incorporar as sugestões apresentadas hoje”, frisou Guedes.

Fonte Oficial: http://www.saopaulo.sp.leg.br/blog/situacao-dos-comerciantes-da-feirinha-da-madrugada-sera-debatida-na-comissao-de-financas/.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Sessão Solene entrega títulos de Cidadão Paulistano e Medalha Anchieta

Atualizado em (01/10/2019 – 20h00) | Cidade, Geral, Notícias FELIPE …