Governança em TI do Judiciário vai embasar políticas públicas

Os dados consolidados do Índice de Governança de Tecnologia da Informação e Comunicação do Poder Judiciário (iGovTIC-JUD) estão disponíveis para consulta no Portal do Conselho Nacional de Justiça (CNJ). O levantamento registrou crescimento da maturidade dos órgãos nessa área. Os dados recebidos contribuem na formulação de políticas e direcionamentos para aperfeiçoar controles e processos em tecnologia nos órgãos da Justiça.

A medição de 2019 – cujas notas vão de zero a um e traz quatro níveis de maturidade: baixo, satisfatório, aprimorado e excelência – registrou que 58 órgãos do Poder Judiciário se enquadram no nível aprimorado (63,04%), tendo aumentado de 1 para 5 o número de tribunais que alcançaram o nível de excelência: TRE-RN, TRE-SE, TJRO, TRE-AM e TJAM. Outros 29 tribunais foram avaliados como satisfatórios, representando cerca de 30% do total de órgãos. Nenhuma instituição figurou no nível baixo. Os índices de maturidade de governança em TI também compõem a nota dos órgãos para o Prêmio CNJ de Qualidade.

O próprio CNJ registrou um aumento em sua nota nesta última avaliação, passando de 0,71, em 2018, para 0,81 este ano. O crescimento se deu pelo trabalho de desburocratização, com melhoria em seus processos, superando a meta estabelecida para o período.

O iGOVTIC-JUD recebeu dados de 92 tribunais e Conselhos, com exceção do Supremo Tribunal Federal (STF). Dividido em sete dimensões – infraestrutura, sistemas, políticas de planejamento, gestão e governança, detalhamentos, informações gerais e dados abertos -, o levantamento conta com cerca de 250 perguntas.

Para o levantamento, o CNJ trabalhou em conjunto o Tribunal de Contas da União (TCU), que também realiza uma pesquisa junto aos órgãos públicos para criar um glossário comum para facilitar a aplicação do questionário e otimizar os próximos levantamentos.

A íntegra do levantamento e sua série história podem ser acessados no Painel do iGovTIC-JUD do Poder Judiciário.

Políticas públicas

Os dados do iGOVTIC-JUD vão servir como subsídio para a formulação de políticas públicas na área de tecnologia. As informações tratam de questões orçamentárias de TI, capacidade produtiva, contrato de TI segmentado ano a ano, quantidade de servidores de cada área, se o tribunal possui estratégia de trabalhar em nuvem.

A divulgação dos resultados do questionário contribui, ainda, para a formação de um banco de boas práticas que podem ser reproduzidas em outros órgãos. De acordo com o chefe de Gestão Estratégica de Tecnologia da Informação e Comunicação do CNJ, Sidney Martins Pereira Arruda, o processo de trabalho uniforme permite reduzir erros, falhas e riscos, além de manter a continuidade dos projetos, beneficiando não apenas a gestão do Poder Judiciário, mas o atendimento ao público final. “O levantamento permite verificar onde o órgão está no nível de dimensão e maturidade e onde pode aprimorar seus processos, rotina de trabalho e estratégias daquele indicador. Além disso, é possível analisar a capacidade dos recursos humanos e orçamentários dos órgãos, apontando as necessidades estratégicas, para se alcançar um melhor resultado com menos custos”, afirmou Sidney.

O levantamento está previsto na Resolução CNJ n. 211, de 2015, que instituiu a Estratégia Nacional de Tecnologia da Informação e Comunicação do poder Judiciário, válida para o período 2015/2020. O CNJ deve publicar ainda esta semana uma portaria que institucionaliza o iGOVTIC-JUD. Em anexo, a norma incluirá o memorial de cálculo das análises do levantamento.

 

Lenir Camimura Herculano
Agência CNJ de Notícias

Fonte Oficial: https://www.cnj.jus.br/governanca-em-ti-do-judiciario-vai-embasar-politicas-publicas/?utm_source=rss&utm_medium=rss&utm_campaign=governanca-em-ti-do-judiciario-vai-embasar-politicas-publicas.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Amazonas forma facilitadores para Justiça Restaurativa

O Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM) deve realizar, em dezembro, o 2º Curso de …