Ministro Dias Toffoli assina protocolo em prol da primeira infância com entidade ibero-americana – STF

O presidente do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Dias Toffoli, e o secretário-geral da Organização dos Estados Ibero-americanos para a Educação, a Ciência e a Cultura (OEI), Mariano Jabonero Blanco, assinaram, nesta quinta-feira (3/10), um protocolo de intenções para promover e desenvolver programas de intercâmbio cultural e educacional no campo da primeira infância. A parceria deve contribuir para aprimorar as políticas públicas para essa faixa etária da população, que engloba os primeiros seis anos de vida.

Segundo o ministro, os primeiros anos da vida de uma pessoa representam uma oportunidade de prepará-la para exercer o convívio em sociedade. “É neste período, marcado por características e necessidades próprias do ser humano, que se formam as raízes de sua identidade, personalidade e estrutura psíquica, com forte influência sobre o comportamento, as funções cognitivas e sua relação consigo mesmo e com o mundo, preparando-o para o pleno desenvolvimento de competências relacionadas ao exercício da cidadania”, disse o ministro na solenidade de assinatura da parceria, na sede do STF, em Brasília.

O documento assinado nesta quinta-feira é fruto de entendimentos entre o CNJ e a OEI no sentido de realizar atividades conjuntas que promovam a melhoria da gestão pública e do desenvolvimento institucional do Brasil. Para isso, o protocolo contempla a realização de cursos, conferências, encontros, palestras, seminários, intercâmbios de profissionais, serviços de consultoria e outros eventos que congreguem especialistas das diversas áreas do conhecimento no tema da primeira infância. O protocolo terá prazo de validade de cinco anos a contar da assinatura do documento, ou seja, valerá até 2024.

Dias Toffoli lembrou ainda que o conjunto dos direitos da infância estão assegurados pela Constituição Federal desde 1988, como direito fundamental. “No ordenamento jurídico pátrio, a proteção à infância ostenta envergadura constitucional e está incluída no rol dos direitos fundamentais, na categoria dos direitos sociais (Art. 6º da CF), o que corresponde ao dever estatal de desenvolver políticas e ações que assegurem às crianças, com absoluta prioridade, o direito à vida, à saúde, à alimentação, à educação, ao lazer, à profissionalização, à cultura, à dignidade, ao respeito, à liberdade e à convivência familiar e comunitária, além de colocá-los a salvo de toda forma de negligência, discriminação, exploração, violência, crueldade e opressão, conforme determina o art. 227 da nossa Carta Política”, disse o ministro.

Primeira infância

As ações poderão contribuir para o trabalho que o CNJ tem desenvolvido para garantir os direitos das crianças com idade entre zero e seis anos por meio do projeto “Justiça começa na Infância: Fortalecendo a atuação do Sistema de Justiça na promoção de direitos para o desenvolvimento humano integral”. Ele integra um conjunto de ações que será concretizado por meio do Pacto Nacional pela Primeira Infância, firmado em junho de 2019 entre o CNJ e diversos atores que integram a rede de proteção à infância no Brasil.

De acordo com o secretário-geral da OEI, Mariano Jabonero Blanco, é necessário reforçar a qualidade das políticas públicas executadas em favor da primeira infância. A contribuição da OEI, segundo Blanco, será respaldar os projetos apoiados pelo CNJ com a expertise na área do órgão internacional, além de recursos. Como o intercâmbio cultural está previsto no documento, levar boas práticas do Brasil para outros países que integram a organização internacional é uma das metas da parceria. “O que seja positivo no Brasil compartilharemos e daremos dimensão transnacional a essa boa iniciativa”, afirmou Jabonero Blanco.

Histórico

Fundada em 1949, a OEI é uma instituição formada por 22 Estados-membros que promove ações nas áreas de educação, ciência, tecnologia e cultura por meio da cooperação internacional. O objetivo é contribuir para o desenvolvimento, a democracia e a integração regional. Além do Brasil, os outros nove países da América do Sul que têm o espanhol como língua oficial integram a organização, que também tem integrantes entre os países do Caribe (Cuba, República Dominicana), América Central (Costa Ria, El Salvador, Guatemala, Honduras, Nicarágua e Panamá), América do Norte (México), África (Guiné Equatorial), Portugal e Espanha.

Fonte: CNJ

Fonte Oficial: http://www.stf.jus.br/portal/cms/verNoticiaDetalhe.asp?idConteudo=425469.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Cinco partidos acionam STF para que presidente da República seja obrigado a adquirir vacina contra Covid-19 – STF

Mais cinco partidos políticos acionaram o Supremo Tribunal Federal (STF) em busca de providências para …