III Encontro da Advocacia do Sertão debate direito de família e exercício da profissão na caatinga – OAB

Cajazeiras (PB) – As atividades do segundo dia do III Encontro Nacional da Advocacia do Sertão, nesta sexta-feira (11), tiveram início com o painel 3, que promoveu o debate sobre as atualidades no direito de família e sucessões.

O conselheiro federal Rodrigo Azevedo Toscano de Brito falou sobre as abordagens atualizadas do direito de família, como o reconhecimento civil de união estável homoafetiva, e também sobre a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que equipara, para fins sucessórios, união estável e casamento civil. “A união estável no Brasil é fruto de uma experiência social cujas consequências as pessoas não imaginam. Há uma cultura de teste em nosso país, a grosso modo, em que as pessoas se juntam para ver se vai dar certo, para então formalizar um casamento”, apontou. 

O diretor-geral da Escola Superior de Advocacia da OAB-PB, Diego Cabral, falou sobre o divórcio impositivo ou unilateral. Ele fez uma construção histórica da legislação brasileira, tratou da questão da violência contra as mulheres e defendeu o divórcio como um resgate da felicidade de pessoas que juntas estão insatisfeitas. Cabral criticou a estrutura do Judiciário. “Temos um Estado que veta a autotutela, que promete ser inafastável a qualquer lesão ou ameaça de lesão de direitos, mas que fecha comarcas. A OAB tem uma atuação bastante combativa em relação a isso. A situação, para além de prejudicar os advogados, prejudica a sociedade em nome do qual a advocacia trabalha”, disse ele.

O painel 4 foi sobre a atuação da advocacia sertaneja no único bioma exclusivamente brasileiro, a caatinga. O conselheiro federal Rafael Canterji falou da responsabilidade penal por crimes contra a flora da caatinga. Ele defendeu mais diálogo entre atores do direito penal e do direito ambiental como método de otimização das sanções e da própria legislação concernente ao tema. 

O coordenador da procuradoria jurídica da Superintendência de Administração do Meio Ambiente da Paraíba (Sudema), Victor Alencar Mayer Feitosa Ventura, tratou dos limites de responsabilidade nos crimes contra a fauna da caatinga e do trabalho da advocacia pública ambiental. Ele propôs diálogo entre a OAB e o Poder Público para a implementação do processo administrativo eletrônico no âmbito da Sudema, para evitar que os profissionais precisem se deslocar até João Pessoa para peticionar.

A presidente da Comissão Nacional de Direito Ambiental da OAB, Marina Gadelha, falou sobre as oportunidades para a advocacia sertaneja ante um novo olhar do direito ambiental. “É necessário fazer uma advocacia preventiva. É ideal estarmos um passo adiante do nosso cliente para que ele assim esteja em relação à administração ambiental e ao promotor. A atuação é amplamente inovadora”, disse. Gadelha falou sobre alterações legislativas, ações de indenização, revisão de contratos, licenciamento ambiental entre outros tópicos.

Ato contra o feminicídio

Finalizando os trabalhos na parte da manhã do encontro, a Rede Sororidade realizou ato público contra o femincídio. A coordenadora do grupo, Francisca Leite, lembrou que 500 mulheres são agredidas no Brasil a cada minuto e 4,8 morrem por dia vítimas de feminicídio. “O machismo mata e continua matando. É preciso intervir na sociedade para que mais mulheres não sejam mortas e que os homens entendam que a mulher não é propriedade de ninguém, é um ser livre como qualquer outro”, afirmou.

 “Basta de uma vez por todas na cultura de ódio, misógina, que silencia toda forma de diferença”, disse o presidente da OAB-PB, Paulo Maia. Ele destacou que o ato faz parte da campanha permanente que Ordem paraibana realiza junto com diversas instituições que atuam no combate à violência contra a mulher e o feminicídio.

Fonte Oficial: http://www.oab.org.br/noticia/57643/iii-encontro-da-advocacia-do-sertao-debate-direito-de-familia-e-exercicio-da-profissao-na-caatinga.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

OAB-SC recebe primeiro debate nacional sobre novas regras de publicidade na advocacia – OAB

A seccional da OAB em Santa Catarina recebe, nesta sexta-feira (11), a partir das 11h, …