Comemoração do centenário do Brasil nas Olimpíadas é defendida em audiência — Senado Notícias

O centenário do envio da primeira delegação brasileira aos Jogos Olímpicos será no ano que vem, razão pela qual o Brasil pode declarar 2020 como o Ano da Participação Olímpica Brasileira. É o que prevê o Projeto de Lei 5.183/2019, que foi debatido nesta quinta-feira (24) pela Comissão de Educação, Cultura e Esporte (CE).

Autora da proposta, a senadora Leila Barros (PSB-DF) presidiu a audiência pública, na qual todos os convidados defenderam a comemoração do centenário. Ela contou que estão previstos para o ano que vem palestras e eventos sobre a participação do Brasil nas Olimpíadas e a emissão de moedas, selos e medalhas com o tema.

Desde as Olimpíadas de 1920, na Bélgica, o Brasil participou de todas as edições dos jogos, com exceção do ano de 1928, quando não houve recursos para enviar a delegação a Amsterdã. Os brasileiros conquistaram até o momento um total de 128 medalhas.

Uma das atletas que representou o país em duas edições dos Jogos Olímpicos é Luisa Parente (Seul, em 1988, e Barcelona, em 1992). Hoje secretária da Autoridade Brasileira de Controle Antidopagem, ela comentou na audiência a importância de inserir a comemoração do centenário na vida nacional.

— Tudo que fomenta a cultura esportiva tem um valor que vai muito além da prática do esporte, que por si só já traz muitos benefícios. A cultura esportiva e a torcida unem o país e revelam atletas que enriquecem nossa história olímpica, verdadeiros heróis do esporte.

Legado

O secretário-adjunto do Esporte do Ministério da Cidadania, Marco Aurélio Souto de Araújo, defendeu o investimento feito para receber as Olimpíadas do Rio de Janeiro, em 2016, e a Copa do Mundo de 2014. Ele citou que críticas semelhantes foram feitas à época da construção do Estádio Mário Filho, o Maracanã — hoje um grande cartão-postal do país. Para Araújo, receber os dois eventos nos últimos anos elevou o país de participante para o status de protagonista no esporte mundial.

— Os estádios, muitas vezes chamados de elefantes-brancos, são um legado do qual o poder público precisa cuidar, em conjunto com a sociedade.

Ele citou arenas que, em sua opinião, estão sendo bem administradas, como as de Cuiabá e Salvador (Fonte Nova). E disse que o alto desempenho no esporte não é o único foco.

— Precisamos investir no esporte educacional, de participação, de lazer, de inclusão. O esporte como ferramenta social também é muito importante. Por isso nós estamos atentos a todos esses tipos. O Brasil tem uma população alegre, com vocação para o esporte.

Ex-medalhista de vôlei de praia, Emanuel Fernando Scheffer Rêgo, hoje secretário nacional de Esporte de Alto Rendimento, lembrou que o Brasil tem 30 medalhas olímpicas de ouro, 36 de prata e 62 de bronze.

Na opinião dele, o Brasil tem melhorado no preparo dos atletas, razão pela qual o índice de medalhas aumenta a cada Olimpíada — sendo a de 2016, no Rio, a de melhor rendimento já registrado (foram 19 medalhas, sendo 7 de ouro, 5 de prata e 6 de bronze).

— Desses 19 medalhistas, 18 tinham a bolsa-atleta — explicou, ao defender a continuidade do investimento, que hoje apoia anualmente 6,2 mil atletas e deve chegar a 7,4 mil no ano que vem.

Além de mais medalhas, o Brasil vem aumentando o número de modalidades disputadas. Em 2012, eram 9 modalidades; em 2016, foram 12, segundo o Comitê Olímpico do Brasil (COB), representado na audiência pelo presidente da entidade, Paulo Teixeira, e pelo seu diretor-geral, o ex-judoca e medalhista olímpico Rogerio Sampaio.

— O esporte no Brasil tem a capacidade de reduzir a desigualdade social. Pessoas que enfrentam a pobreza encontram no esporte uma bolsa de estudo ou o reconhecimento profissional — destacou Sampaio.

Investimento reduzido

Na segunda-feira (22), Leila e outros senadores alteraram com uma emenda a previsão do Projeto de Lei Orçamentária Anual (PLOA 2020) para o esporte de alta performance. A preparação de atletas e a capacitação de recursos humanos para o esporte de alto rendimento deve receber R$ 150 milhões até as Olimpíadas de Tóquio (em julho de 2020), por sugestão de Leila apoiada pelos senadores Dário Berger (MDB-SC), Kátia Abreu (PDT-TO) e Irajá (PSD-TO).

Na reunião da CE, Leila disse que o orçamento para o Ministério dos Esportes (que em 2019 foi incorporado pelo Ministério da Cidadania) foi o que mais perdeu nos últimos anos. Na área de esporte e lazer, disse Leila, ele foi de R$ 1,5 bilhão em 2016 para R$ 220 milhões em 2020.

— O orçamento está 85,4% menor e os atletas já estão no último momento de preparação para as Olimpíadas. O financiamento vem pelo COB, pelo governo e por bolsas. Certamente o ministério terá de fazer um planejamento pensando em medalhas, mas o fato é que terão de ser priorizados alguns atletas e não vamos atingir a totalidade da delegação — lamentou.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

Fonte Oficial: https://www12.senado.leg.br/noticias/materias/2019/10/24/comemoracao-do-centenario-do-brasil-nas-olimpiadas-e-defendida-em-audiencia.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Aprovado pelo Senado, projeto que amplia combate ao tabagismo vai à Câmara — Senado Notícias

O Senado Federal aprovou nesta terça-feira (12), em votação simbólica, o projeto de lei (PLS …