Sistemas do CNJ não trazem custos aos tribunais

Em razão das informações que estão sendo divulgadas na mídia, a respeito da implantação do Processo Judicial Eletrônico (PJe) e do Sistema Eletrônico de Execução Penal Unificado (SEEU) pelo Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJSC), o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) esclarece que ambos os sistemas não representam custos extra para as Cortes.

Regido pela Resolução CNJ nº 185/2013, o PJe é uma plataforma de tecnologia open source, isto é, livre, sem cobrança de licença de utilização, cujo código-fonte é guardado pelo CNJ.

O Conselho distribui o sistema e ainda oferece, gratuitamente, treinamento, acompanhamento e apoio aos tribunais que o implantam. Atualmente, o PJe já é utilizado pelos 27 tribunais regionais eleitorais, além do Tribunal Superior Eleitoral (TSE); por 24 tribunais regionais do Trabalho e pelo Tribunal Superior do Trabalho (TST); três tribunais regionais federais (TRF 1ª, 3ª e 5ª Regiões); pelo Tribunal de Justiça Militar de São Paulo; e 13 tribunais de Justiça estaduais, além de outras seis Cortes que estão em fase de implantação.

A evolução e o desenvolvimento do PJe é realizado de forma colaborativa, contando com a participação de servidores de diversos tribunais, que passam a fazer parte do projeto, dando um senso de pertencimento de todo o Judiciário. Em sua versão 2.1, o PJe já está sendo preparado para trabalhar com Inteligência Artificial em larga escala, com módulos em nuvem (cloud) e abarca outros sistemas, como o Sistema Nacional de Adoção e Acolhimento (SNA) em seu escopo, facilitando o trâmite do processo, a análise dos magistrados e o acesso da sociedade.

O Sistema Eletrônico de Execução Penal Unificado (SEEU), por sua vez, foi estabelecido pela Resolução CNJ nº 280/ 2019, para servir de plataforma eletrônica para processamento de informações e dos atos processuais relativos à execução penal em âmbito nacional. Sua implantação pelos tribunais foi definida, pela atual gestão do ministro Dias Toffoli, como “decisão de Estado” e questão estratégica para unificar os procedimentos e rotinas judiciais.

Conforme descrito no Ofício nº 228 do Departamento de Monitoramento e Fiscalização do Sistema Carcerário e Execução de Medidas Socioeducativas (DMF/CNJ), enviado ao Tribunal de Santa Catarina, em maio deste ano, a implantação do SEEU faz frente aos graves desarranjos do sistema prisional, a que o Supremo Tribunal Federal considerou como em “estado inconstitucional de coisas”. O sistema tem por objetivo “facilitar o trabalho de servidores e magistrados que atuam na execução penal, municiando-os com ferramentas modernas, compatíveis com uma prestação jurisdicional eficiente e capaz de garantir direitos”, permitindo um “controle mais estrito, célere e em tempo real de todas as execuções penais do país, viabilizando, a um só tempo, uma individualização da pena e do apenado, até o momento inéditas no Brasil”, conforme afirma o texto.

Além da concretização de direitos, a informatização integral da execução penal, sob uma única plataforma, que é administrada pelo CNJ, deve resultar em um trabalho mais organizado e qualificado da prestação jurisdicional. “O tempo otimizado pela adoção do SEEU poderá ser investido no reforço das iniciativas de reintegração social de presos e egressos, medida consentânea com a promoção da segurança pública e a garantia da pacificação social”, informa o documento. O sistema já conta com mais de 960.000 processos de execução penal ativos de 24 tribunais já integrados a essa plataforma

O SEEU é completamente compatível com o PJe e também é implantado de forma gratuita, com apoio e treinamento da equipe técnica do CNJ.

 

Lenir Camimura Herculano
Agência CNJ de Notícias

Fonte Oficial: https://www.cnj.jus.br/sistemas-do-cnj-nao-trazem-custos-aos-tribunais/?utm_source=rss&utm_medium=rss&utm_campaign=sistemas-do-cnj-nao-trazem-custos-aos-tribunais.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

CNJ lança Plataforma de Comunicação Integrada

No fechamento do III Encontro Nacional de Comunicação do Poder Judiciário, realizado em Brasília, na …