Audiência pública debate controvérsias em torno da gestão do Funcef — Senado Notícias

A audiência pública desta terça-feira (29) na Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa (CDH) sobre irregularidades em fundos de pensão foi marcada por divergências entre o presidente da Fundação dos Economiários Federais (Funcef), Renato Augusto Zagallo Villela, e a representante da Associação Nacional dos Beneficiários Reg/Replan da Caixa (Anberr), Maristela Guerra.

Além de discutir os planos para o reequilíbrio das contas da Funcef, a audiência também tratou da possível venda de ativos da Caixa, como loterias, seguros e cartões.

Segundo Villela, a gestão da Funcef tem enfrentado com “trabalho duro, focado e diuturno” os problemas decorrentes do desvio de recursos que levaram a entidade a ser alvo da Operação Greenfield, da Polícia Federal. Ele afirmou que a Funcef hoje se destaca pela baixa taxa de administração cobrada a seus participantes e pela elevada rentabilidade de seus planos de investimento, e lembrou que a capacidade técnica dos novos funcionários foi essencial para o ressarcimento de prejuízos de “anos de dificuldade”:

— Essa mudança de equipe foi fundamental para conseguirmos trazer para a Funcef R$ 1,75 bilhões do acordo de leniência da J&F — afirmou.

Maristela Guerra, porém, apontou a falta de parecer técnico para vários investimentos da Funcef: ela destacou o caso da Sete Brasil, que teria tomado recursos de fundos de pensão em negócio de alto risco. Ao cobrar uma legislação mais rígida contra gestão temerária ou fraudulenta, Maristela pediu o retorno rápido dos recursos desviados, lembrando que os beneficiários da Funcef estão sendo submetidos a descontos exagerados para cobrir um rombo a que não deram causa.

— Somos nós, participantes, que sofremos os descontos nos contracheques que se sobrepõem a todos os outros descontos. Parece que a lei favorece quem comete ilícitos — lamentou.

Invepar

O desempenho negativo da Investimentos e Participações em Infraestrutura (Invepar), que teria dado grande prejuízo aos fundos de pensão, foi admitido por Renato Villela, que citou como exemplo de “erro de avaliação” a concessão da rodovia BR-040, em face de compromissos incompatíveis com os valores de outorga e de pedágio. Porém, ele negou que a Funcef tenha investido R$ 300 milhões na Invepar.

— Não. Compramos debêntures da Invepar, que estão pagando IPCA mais 15%. Quero saber se alguém aqui conhece aplicação melhor que esta — indagou.

Maristela retrucou, apontando o mau desempenho da Invepar e a remuneração elevada em um cenário de juros baixos.

— Imagino o risco desse negócio: quanto maior o risco, maior a remuneração.

Descontos em folha

Villela também respondeu a questionamentos de Maristela Guerra sobre o aeroporto de Guarulhos, que pagaria um custo de outorga muito grande para uma operação que não gera lucros. Ele disse que Guarulhos deverá voltar a gerar renda para a Invepar e a Funcef mediante uma nova política de investimentos, “correta e segura” que aprenda com os erros do passado.

— Se esperam que os diretores indicados pela Caixa passem o tempo todo olhando para o retrovisor, estão muito enganados. Estamos preocupados com o que vem pela frente.

Maristela, porém, reiterou que “presente” dos beneficiários da Funcef é a expectativa de mais 17 anos de descontos em folha a título de equacionamento. O vice-presidente da Caixa, Roney de Oliveira Granemann, declarou o desejo comum de recuperação financeira da Funcef e redução dos equacionamentos.

Desinvestimentos

Thiago Souza Silva, diretor de finanças e controladoria da Caixa, associou o desinvestimento de subsidiárias do banco à valorização geral do conglomerado, resultado que atribuiu à qualidade da gestão. Segundo os dados que apresentou, a avaliação da Caixa cresceu de R$ 10 bilhões para cerca de R$ 50 bilhões, com valorização proporcional das subsidiárias.

— Estamos trabalhando arduamente para que seja uma operação de sucesso, que traga uma rentabilidade grande para a Caixa e seja do interesse do público — observou o diretor, lembrando a geração de tributos sobre os ganhos auferidos pela Caixa e pelo repasse de recursos ao Tesouro Nacional.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

Fonte Oficial: https://www12.senado.leg.br/noticias/materias/2019/10/29/audiencia-publica-debate-controversias-em-torno-da-gestao-do-funcef.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Líderes decidem derrubar maioria dos vetos que estão na pauta do Congresso — Senado Notícias

Um acordo entre líderes partidários da Câmara e do Senado decidiu pela manutenção de apenas …